Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qua,   8/julho/2020     
artigos

Caramujos

1/11/2004 12:03:19
*Diorindo Lopes Júnior
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 


 Uma de minhas brincadeiras entre os sete e dez anos era apostar corrida de caramujo. Sim, caramujo, também conhecido como lesma, caracol, um parente distante do francês escargot, que nem sei se é assim que se escreve, já que mal falo direito o Português.

A gente botava uma tira de alface na frente de sua cabeça e acreditava que ele iria atrás. Às vezes, raríssimas, ele até ia, mas, como disse, era raro. Valia pelas horas que passávamos entretidos com eles. Chegávamos a juntar meia dúzia ou mais para procriarem.

As meninas, até as mais velhas, tinham nojo. Nossas mães, porque um dia também foram meninas, nos ameaçavam com mortes horrorosas se apenas relássemos a pele na gosma que o bicho deixava no seu lento caminhar. Mas éramos valentes, da morte só tínhamos medo quando caía a escuridão da noite.

O tempo foi passando, fomos ficando uns bobocas metidos a gente grande e esquecendo os caramujos.

Um dia, eu e Hudson já devíamos ter uns quinze anos, Dudu apareceu com um, enorme. Tão grande que mal cabia em sua mão.

Já devo ter falado em Dudu: um baixinho da nossa idade, gordinho e bastante lerdo das idéias – que nos matava de inveja por fazer a barba desde onze.

— Como você o pegou, Dudu, no laço? – Hudson nunca refrescou com a leseira do gorducho.

— Não, ele apareceu no jardim de minha mãe – o lerdo obeso das idéias respondeu.

— E você correu atrás dele.

— Não, só abaixei e peguei.

— Ah, então ele devia estar dormindo. Deixe-me sentir o peso.

Dudu falou que ia treinar o cascudo para brincar com o irmão de seis anos, estava indo na casa da avó buscar uma caixa e... Nisso, de bicicleta, passou o Hélder, irmão caçula de Hudson. Tinham se estapeado no almoço por um resto de mistura e o pirralho aproveitou-se da bicicleta para xingá-lo.

Na falta de uma boa pedra à mão, meu amigo não titubeou dois segundos para esmigalhar o caramujão de Dudu nas costas do irmão mais novo.

(*) Diorindo Lopes Júnior é jornalista e autor de O Sol em Capricórnio e Cesta de 3.


Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: