Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  ter,   19/janeiro/2021     
política

Aproxima-se o “Dia D”, quando entre mortos e feridos todos podem escapar

16/8/2005 01:48:32
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Decisão do STJ, no próximo dia 17, vai pesar no futuro político do governador rondoniense. Se a denúncia for rejeitada, Cassol será o mais forte candidato de 2006. 


 O próximo dia 17 tem tudo para ficar marcado na historia política do Estado de Rondônia. Neste dia, uma quarta-feira, em Porto Velho os deputados estaduais deverão estar votando o relatório do deputado Edézio Martelli (PT), determinando o desfecho da Comissão Temporária criada para investigar o envolvimento de parlamentares estaduais no chamado Escândalo das Propinas. A maioria da população acredita que nada irá acontecer com os deputados investigados, devendo funcionar o corporativismo, principalmente porque após o episódio, praticamente todos os integrantes do legislativo foram acusados de participarem do chamado Esquema dos Gafanhotos.

Neste mesmo dia, porém em Brasília, um outro fato importante para a política rondoniense estará acontecendo no Superior Tribunal de Justiça, quando aquela corte poderá acatar ou não denúncia contra o governador Ivo Narciso Cassol, formulada pelo ex-procurador geral da República, Cláudio Fontelles. O governador foi denunciado por formação de quadrilha e fraude em licitações públicas.

Caso aquela Corte acate a denúncia, transformando-a num processo, o governador rondoniense será afastado de suas funções, automaticamente, por um prazo inicial de 180 dias. Esse evento terá um peso muito grande nos rumos do projeto do governador, de continuar controlando o Poder no Estado.

Nos meios políticos, pessoas que se ocupam da interpretação do cenário das disputas, afirmam que dificilmente “o governador conseguiria retornar ao comando do Palácio Getúlio Vargas” após o afastamento. Esses mesmos analistas entendem que se o STJ rejeitar a denúncia formulada por Fontelles, “ficará tão fortalecido que não terá maiores dificuldades em emplacar sua reeleição”.

Não é apenas o governador rondoniense que aparece na denúncia como réu. Junto com ele responderão, em diferentes graus de responsabilidade, membros da família de Ivo e amigos, como Aníbal Rodrigues, Salomão Silveira e Erodi Antônio Matt.

TUDO RESOLVIDO

Antes da explosão das denúncias contra os deputados de Rondônia, gravados clandestinamente pelo próprio governador, Cassol chegou a comentar publicamente que “a situação do STJ” já estava administrada. O comentário surgiu depois do governador receber em sua residência o presidente do STJ para um café da manhã.

Este não é, no entanto, o pensamento de alguns advogados ouvidos por Imprensa Popular. Para estes profissionais o poder de influência do governador numa decisão do STJ não é capaz de lhe garantir qualquer blindagem. A verdade é que ninguém tem certeza sobre o que acontecerá neste dia D, nem em Brasília e nem em Porto Velho. No geral, especialmente nas cercanias palacianas, a impressão que se tem é que – tanto no caso da Assembléia como no do Palácio – entre mortos e feridos escaparão todos.


Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: