Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  ter,   25/fevereiro/2020     
reportagem

Autoridade alerta: Melki não tem moral para exercer função pública

17/9/2006 20:52:29
Por Imprensa Popular
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Ao pedir a impugnação da candidatura de Melki Donadon ao Senado junto ao Tribunal Superior Eleitoral, o Vice-Procurador Eleitoral Francisco Xavier destacou que o candidato do PMDB tem uma conduta reiteradamente imoral e ímproba. 


 O Congresso Nacional não pode continuar sendo palco do festival de corrupção que transforma as mais importantes instituições da democracia em meros capachos. Mas essa situação só vai mudar se a maioria esmagadora dos eleitores brasileiros entender, na hora de votar, que a ética não pode ser descartada como mero acessório.

E quem tem essa preocupação com o futuro do estado e do Brasil precisa realmente ouvir o alerta das autoridades sérias, como o Vice-Procurarador Eleitoral Francisco Xavier Pinheiro Filho, do Ministério Público Eleitoral de Rondônia, que interpôs recurso especial junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), visando impugnar o registro da candidatura de Melki Donadon ao Senado, pelo PMDB, o partido que tem Amir Lando como candidato ao governo e Hamilton Casara, como vice.

CONDUTA IMORAL

Quem consegue assistir o programa eleitoral (deveria ser chamado de programa do engodo) e se detém ante as aparições desse político do cone sul rondoniense, líder do famigerado clã Donadon, não pode imaginar o perigo representado por esse homem se chegar a um cargo de relevo na vida pública brasileira.

Na TV, usando dons de oratória semelhante a pastores de Igreja, gesticulando teatralmente, Melki é capaz de transmitir uma imagem que em nada corresponde ao seu perfil real, descrito pelo Vice-Procurador Eleitoral. Na TV ele sabe-se fazer passar por um bom moço, por um político idealista, por alguém incapaz de se corromper e de usar os cargos públicos em benefício próprio.

Mas, como argumentou Francisco Xavier no pedido de impugnação de sua candidatura junto ao TSE, a despeito de não haver condenação transitada em julgado, o verdadeiro Melki Donadon é um homem “inapto para exercer qualquer função pública”.

Mas o doutor Francisco Xavier vai mais afundo nas justificativas para detonar a candidatura do ex-prefeito de Vilhena:

“Há contra ele diversos processos judiciais que demonstram sua reiterada conduta imoral e ímproba no trato dos recursos públicos e com relação à função pública”, enfatizou.

VIVE VIOLANDO A LEI

Os políticos do clã Donadon ganharam notoriedade na imprensa graças ao constante envolvimento em escândalos no setor público. Se a legislação não facilitasse a impunidade de políticos, especialmente dos detentores de mandato, Melki e seus irmãos Marco e Natan possivelmente estariam afastados da vida pública e pagando pelas denúncias de envolvimento em muitas maracutaias.

No caso de Melki, o vice-procurador Francisco Xavier fez a seguinte afirmação: “Ele é contumaz violador da lei e, portanto, inapto para exercer qualquer função pública, não possuindo idoneidade moral nem probidade administrativa, devendo ser considerado inelegível”.

No pedido de impugnação da candidatura do peemedebista, Francisco Xavier faz a seguinte conclusão: “no contexto atual, o deferimento do registro de Melki Donadon, sabidamente habitual transgressor da probidade administrativa e moralidade pública, vem na contramão das expectativas do povo”.


Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: