Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  dom,   13/outubro/2019     
artigos

Derrota de Mauro Nazif compromete seu futuro político

8/10/2008 19:58:03
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Veterano na política de Porto Velho, o deputado do PSB ficou atrás de David Chiquilito, jovem no ramo da política, obrigado a deixar o seu partido e aninhar-se no PCdoB para disputar a prefeitura. Pelo menos a coligação de David fez um vereador. 


 A popularidade política do dr. Mauro Nazif em Porto Velho era tão alta que praticamente ninguém poderia imaginar que na disputa pela prefeitura da capital rondoniense ele tivesse menos de 30 mil votos. Ele seria, como comentavam analistas da política local, o coringa que iria levar a eleição de prefeito para o segundo turno.

Mas ficou provado que o dr. Mauro Nazif de hoje não é mais bom de campanha. A queda de Mauro Nazif diante de seu sempre fiel e poderoso eleitorado começou exatamente na disputa municipal anterior, quando fez acordo com o então prefeito Carlinhos Camurça – de quem sempre foi desafeto – e colocou seu nome nas ruas fazendo dupla com Ruth Morimoto.

Mauro conseguiu reunir os cacos, saiu candidato a deputado federal, obtendo uma vitória expressiva. Com isso superou a rejeição decorrente da derrota anterior, até mesmo dentro de seu partido, continuando como uma das “figuras iluminadas” da política porto-velhense, pelo menos para seus companheiros de partido que foram condescendentes com todos os seus métodos para decidir sua candidatura nesse ano.

Ninguém dentro do PSB teve a coragem de criticar a tática da indecisão do dr. Mauro em assumir a candidatura do prefeito. Ninguém fez qualquer reparo quando aos métodos da escolha do vice e muito menos contra a determinação de não firmar boas alianças eleitorais.

Por se acreditar no dr. Mauro “iluminado” e experiente em disputas eleitorais, ninguém de seu partido tugiu ou mugiu quando a candidatura se definia somente para glorificar o líder partidário como “a figura heróica” da política local.

Para quem é do ramo, a campanha do dr. Mauro começou errada a partir da convenção realizada na Assembléia Legislativa. Foi somente ali, naquele momento, que seus correligionários ficaram sabendo o nome da vice, uma figura sem qualquer expressão política para dividir a proa da campanha.

Hoje uma parte dos aliados do dr. Mauro – especialmente daqueles que foram candidatos a vereador – só têm reclamação de seu líder. Afirmam, como foi o caso do vereador Alan Queiroz, que foram praticamente excluídos da campanha. Chegam a pensar que o dr. Mauro não desejava, na verdade, ser prefeito mas apenas vingar Roberto Sobrinho pela derrota anterior, quando com o apoio da máquina, nas mãos de Carlinhos Camurça, foi para o beleléu.

Não fosse a finesse natural de David Chiquilito, ele certamente estaria sorrindo com o naufrágio político daquele que criou as barreiras contra sua vontade expressa de disputar a prefeitura pelo PSB, levando-o a mudar de partido e com isso perder o mandato de vereador por infidelidade partidária. Mas David deve estar intimamente feliz ao ter superado o experiente cacique.

Uma coisa é certa: com o fiasco eleitoral resultante de uma campanha lastreada no personalismo, será difícil para o dr. Mauro continuar como “o queridinho” do PSB.

Com o pouco empenho do dr. Mauro em favor de seus candidatos a vereador, com o seu fracasso pessoal na disputa desse ano é natural que haja uma migração de seu partido ou, então, uma disputa interna para destrona-lo da cúpula partidária.

O resultado eleitoral de Mauro Nazif não abre perspectivas para uma vitória em 2010, quando terá de arrumar votos suficientes a um novo mandato de deputado federal. Certamente nesse momento o deputado federal do PSB está procurando entender o significado de sua pífia votação.

Se for verdadeiramente humilde vai compreender que está desgastado e mais distante do povo. Terá tempo de se reciclar e mesmo assim vai compreender que 2010 será um osso duro de roer. Os 16.993 votos recebidos trazem um recado ao dr. Mauro: recicle-se ou o naufrágio será inevitável. Ainda bem que Camões escreveu: “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”. Se Mauro Nazif quiser continuar na vida pública é bom meditar nesse ensinamento.


OUTRO EM DIFICULDADES

Com apenas 4.690 votos, o deputado estadual Alexandre Brito certamente terá dificuldades de permanecer na vida pública após 2010. Ele, que foi candidato a prefeito pelo PTC, tendo Silvana Davis como vice, terá muita dificuldade em superar este abismo eleitoral, especialmente porque chegou ao final do pleito com a imagem de um mero radical denuncista.

Alexandre nunca foi encarado como um candidato competitivo. Mas no final da campanha ganhou visibilidade pelas sérias denúncias feitas contra a administração do PT. Se essas denúncias caírem no esquecimento, se o próprio Alexandre, através de sua atuação na Assembléia, não procurar aprofundá-las, seu prejuízo político será ainda maior, reduzindo ainda mais sua credibilidade junto à opinião pública.


Comentários (1)
e agr, mais uma vez....

pois é meu camarada, passado dois anos após sua reportagem, verificamos que você estava ao menos enganado.. Hoje dr. mauro nazif é cogitado para ser o deputado federal mais bem votado do estado de rondônia. As vezes,meu caro, ao invés de pensarmos em analisar o futuro dos outros, devemos pensar no nosso, pois você, como reporter -e talvez pela autoridade como fala deve ser um analista politico - deve repensar se o seu barco não irá naufragar, porque suas previsões foram bem mesquinhas. Seu Taborda, o senhor perdeu sua credibilidade! Atualize-se!

thiago - alto floresta/ RO.
Enviado em: 15/9/2010 10:57:54  [IP: 200.20.164.***]
Responda a este comentário
RESPOSTA DO JORNALISTA TABORDA

Caro Thiago:<br> Você parece um daqueles paus mandado, com carteirinha de um partido que no passado usava gente o seu tipo para dizer que era o salvador da pátria. Ora, você não vai querer que uma análise minha de 2008 possa ter o mesmo desfecho em 2011. Magalhães Pinto, político mineiro que fez história, dizia que “a política é como nuvem: muda de forma toda vez que se olha para o céu”. Num país onde a política é um imenso balcão de negócios é claro que as coisas mudam mais rápido do que a gente poderia esperar.<br> É claro que o Nazif de hoje não é o Nazif de 2008, e o mesmo vale para o David Chiquilito. Mauro demonstrou que soube tirar lições proveitosas da burrice que cometeu naquela disputa, quando se aliou a Camurça e teve Ruth como sua vice. David, por sua vez, não entendeu aquela experiência.<br> Assim, é natural que dessa vez, mais experiente e sem repetir a besteira daquele ano, Mauro realmente fez uma aliança em que garante seu retorno à Câmara dos Deputados com uma grande votação e David, que está na disputa para a Assembléia Legislativa, não deverá chegar à vitória.<br> Isso mais uma vez mostra que na política quem erra mais é quem dança. Quanto à sua opinião pessoal da perda de credibilidade, devo dizer-lhe que não me preocupo com opiniões de quem se mostra realmente um pascácio. Não tenho obrigação alguma de ter a credibilidade de quem tem cérebro de camarão. Por tudo isso, vá se roçar nas ostras!

Gessi Taborda - Porto Velho/ RO.
Enviado em: 15/9/2010 13:53:53
 [IP: 201.67.82.***]


Mais Notícias
Publicidade: