Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   18/junho/2021     
política

"Tenho vergonha do PMDB"

27/5/2009 18:57:02
Por Helder Caldeira
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Para o PMDB o que menos interessa é a retidão, a apuração responsável e o saneamento da maior empresa estatal brasileira. Interessa-lhes apenas a conquista suja de mais cargos e poder. 


 

Um fedor nauseabundo está tomando conta da Praça dos Três Poderes, em Brasília. Apesar da quase cômica analogia olfativa, os urubus de plantão já estão batendo suas asas em voos rasantes sobre o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional.

A fedentina tem origem nas investigações propostas pela recém criada CPI da Petrobras que, certamente, desenterrará o que há de mais podre na administração do presidente Lula: a difusão fisiológica da corrupção nas instâncias do Governo Federal. As aves rapinadoras atendem por uma sigla sempre presente quando o assunto é carniceiro: o PMDB.

Apesar de ser um respeitável patrimônio nacional, a Petrobras transformou-se no maior cabide de empregos no Governo Federal, responsável por alojar os apadrinhados políticos desempregados ou que perderam as últimas eleições. Atualmente, a estatal é dominada pelo PT e por sindicalistas ligados ao partido, ocupando 17 diretorias e gerências. Destacam-se nessa corriola de “companheiros” a presidência da Petrobras e a diretoria de Gás e Energia, nomeados pela presidenciável ministra Dilma Rousseff.

De forma enodoada, o PMDB está chantageando o Palácio do Planalto. A matemática é simples: ou o presidente Lula aumenta a participação peemedebista na estatal e lhes concede a diretoria de Produção e Exploração (que, entre outras atribuições, irá coordenar e explorar o pré-sal), ou o partidão irá cerrar fileiras com a oposição nas investigações das sujeiras da Petrobras durante a CPI. Ou seja, para o PMDB o que menos interessa é a retidão, a apuração responsável e o saneamento da maior empresa estatal brasileira. Interessa-lhes apenas a conquista suja de mais cargos e poder.

É fato que o PMDB tem munição para ameaçar o presidente Lula e o PT. Além de ser o maior partido político do país, de estar sentado nas presidências da Câmara dos Deputados e do Senado Federal e deter o maior número de prefeituras e governos estaduais, seu viés mais temível diz respeito sucessão presidencial em 2010. É exatamente isso que infunde medo tanto no presidente Lula e na ministra Dilma, quanto no presidenciável oposicionista José Serra.

Lamenta-se, profundamente, que os peemedebistas tenham deixado de usar sua história e seu poder como bandeiras e tenham passado a usá-los como arma. Se é para construir um país melhor, os peemedebistas querem uma “boquinha”; se é para enterrar o Brasil, os peemedebistas logo chegam com as pás. Nesse processo, o PMDB transformou-se no maior balaio de cobras desse país e abriga confortavelmente figuras duvidosas como José Sarney, Renan Calheiros, Jader Barbalho, Romero Jucá e tantos outros que o seu voto, caro leitor, ajudou a eleger.

A cientista política Lucia Hippolito gosta de dizer que “o PMDB não é para amador”. Realmente não. O PMDB é, hoje, o lugar certo para os bandidos profissionais, os corruptos ignóbeis e toda essa cambada de porcos safados que chafurdam na lama da sacanagem às custas do suado dinheiro do povo. O PMDB é o verdadeiro câncer da política brasileira e precisamos extirpá-lo. E a melhor forma de fazê-lo é não votar, sob nenhuma hipótese, nos candidatos peemedebistas nas próximas eleições. Ignorá-los, literalmente.

Para aqueles que acham que há aqui um discurso radical, basta uma rápida reflexão: após as mortes de Tancredo Neves, de Franco Montoro e do Dr. Ulysses Guimarães, o que de bom o PMDB trouxe ao Brasil? Nada. Só vamos sentir a catinga pútrida de um partidão malabarista e sem escrúpulos. Eu, cidadão brasileiro responsável, atento e atuante ao que acontece na política nacional, sinto meu rosto queimar por saber que há no país um partido tão safado, tão indecoroso e tão pusilânime como o PMDB. Tenho profunda vergonha do PMDB. Mas esse sou eu, que tenho vergonha na cara. O Partido do Movimento Democrático Brasileiro não tem.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: