Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   23/agosto/2019     
entrevista

Corregedor do Tribunal de Contas aposta no desenvolvimento

27/5/2009 19:19:40
Por Edson Lustosa
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Para o Conselheiro Valdivino Crispim, Ivo Cassol pode ser considerado como um dos melhores governos que Rondônia já teve. 



Clique para ampliar

“Ninguém segura o nosso Estado!” Felizmente é no sentido positivo que essa afirmação é feita pelo corregedor do Tribunal de Contas de Rondônia, conselheiro Valdivino Crispim de Souza (foto). Com um currículo que destoa um pouco de seus pares na composição da corte, Crispim é um técnico de carreira. E professor do curso de economia da Universidade Federal de Rondônia. 
Por isso, respeitado tanto nos círculos profissionais como nos círculos acadêmicos.

Pela forma discreta de agir, sempre se manifestando com firme fundamentação teórica e em tom de voz pedagógico, é também respeitado no meio dos gestores públicos. Crispim lembra que, ainda durante o governo de Oswaldo Pianna, identificava três ações estratégicas imprescindíveis para a autossustentabilidade do desenvolvimento rondoniense. E as sugeriu. Para infelicidade do povo rondoniense, essa orientação não foi aproveitada.

O professor e conselheiro propõe um tripé, composto por uma secretaria de estado de Processo Migratório, uma secretaria especial de representação do Estado de Rondônia junto às demais unidades federadas e uma agência de fomento, devidamente institucionalizada, com linhas de financiamento para a iniciativa privada. Além desses três pontos, uma quarta ação estratégica é sugerida por Crispim: um estudo maciço da atividade política, para que ela seja efetivamente direcionada para o desenvolvimento do Estado.

“Há dois milhões de bocas em Manaus”, observa o conselheiro, sintetizando assim a importância da abertura da rodovia BR 319, de Porto Velho à capital do Amazonas, para a comercialização da produção rondoniense. Nesse aspecto, Crispim elogia a atuação política do ex-deputado federal e ex-vice-governador Miguel de Souza, a quem define como: “um político de visão”.

Ivo Cassol também integra o rol dos talentos reconhecidos por Crispim: “um dos melhores governadores que já tivemos”. 

BANDA RICA

O reconhecimento do professor de econometria da Unir ao desempenho do atual governo não por acaso se faz com base em números. Crispim detalha os indicadores, esboça gráfico com espontaneidade acadêmica e sentencia:
“A expectativa que eu tenho é de que em 2.010 ou 2.012, devemos passar à banda superior da renda per capita no país; se não houver algum contratempo natural.” Aliás, ele entende que, com a atual crise, já cabe um estudo para aferir o comportamento das curvas econômicas.

Crispim reconhece que a renda per capita, por si só, não é um bom indicador isolado para assegurar o nível de desenvolvimento, “mas é a porta de entrada, o primeiro a ser observado”, adverte. E, tomando esse indicador, ele lembra que Rondônia já desbancou a metade do país, hoje estando emparelhado com Goiás: “Enquanto o país está falando em queda e miséria, nós estamos falando em crescimento. Dentro de dez anos não se reconhece mais Rondônia.” E, sobre o desempenho dos que atuam na máquina pública, Crispim faz uma observação: “Está cada dia pior, para quem não tem competência, se estabelecer no poder público. Hoje a palavra de ordem é competência e equilíbrio.”

Só que esse desenvolvimento todo não depende apenas do setor público. Segundo o economista, é preciso que o empresariado cumpra o seu real papel na economia. Ele observa que, na universidade, sempre alertou para a impropriedade dos investimentos em derivativos. Ele defende o investimento no operacional. “Hoje os empresários compram papéis que não estão vinculados com a própria origem, negocia-se o título do título do título. De uma hora para outra o preço desses papéis pode cair.” 

Foto de: Edson Lustosa




Comentários (2)
ivo casol melhor governador que rondonia já teve depois do jorge texeira

so quem não gosta do governador e quem não trabalha,so quer receber no final do mês,vou todos os dias no horario para o meu trabalho e niguem pega no meu pe,amo o que fasso e me sinto muito bem em poder ajudar e para isso que sou paga,me sinto muito feliz como funcionária pública

nazare - porto velho/ RO.
Enviado em: 27/5/2009 22:04:31  [IP: 201.67.127.***]
Responda a este comentário
pra quem

PRA QUEM NÃO DEPENDE DE SALARIOS ´,ESTE GOVERNADOR É O MAIS BONSINHO, MAS PRA QUEM DEPENDE DELE NO FINAL DO MES PARA COLOCAR COMIDA PARA OS FILHO MOMEREM TODOS OS DIAS, OS 30 DIAS DO MES, SABE COMO FUNCIONA?///////////////

neusa - ouro preto do oeste/ RO.
Enviado em: 27/5/2009 20:10:59  [IP: 187.4.86.***]
Responda a este comentário

Mais Notícias
Publicidade: