Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  seg,   17/junho/2019     
entrevista

Fernando garante que assédio dá processo contra empregador

27/5/2009 20:37:47
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Essa é uma prática que deteriora o sentimento de equipe e é passível de indenização, explicou o advogado. 



Clique para ampliar

Acostumado a receber o pedido de socorro de empregados vítimas de abusos de patrões muito poderosos, o advogado Fernando Maia acha que é crescente o número de trabalhadores “dispostos a denunciar” as ocorrências de assédio moral que acontece nas relações de trabalho tanto no setor privado como público.

Segundo ele, “é comum o empregador se utilizar da ação continuada para tornar o ambiente insuportável de tal forma a levar o empregado a pedir demissão”. E, acrescenta, dizendo que os principais elementos do terror psicológico são o abuso de poder e a manipulação perversa.

É MAIS DO QUE STRESS

Ao falar sobre o assunto a pedido de Imprensa Popular, Fernando Maia – considerado um dos melhores de sua profissão em Porto Velho – foi anda mais detalhista: “Tem muito a ver com o conceito de humilhação e é exercido de várias maneiras, tais como fornecer instruções confusas, pedir urgência sem necessidade, insinuar problemas mentais, induzir ao erro e até a ridicularizar as convicções políticas e religiosas do empregado”, listou.

Mas o assédio, de acordo com as observações de Fernando Maia, pode ser também ascendente, um tipo raro mas que pode acontecer, quando um grupo de empregados se colocam contra seu chefe.

Para o advogado, o assédio moral, ou terror psicológico, nas relações de trabalho é potencializado pelo clima de competição na empresa ou pela personalidade do gestor. “A voracidade na disputa de mercado muitas vezes, leva os gestores a repassarem para baixo as pressões por mais eficiência na competição com os concorrentes. Geralmente, o assediador tem personalidade narcisista, boa dose de arrogância e egocentrismo. Critica a todos, mas não costuma aceitar críticas”, comentou. 

Ao concluir Fernando Maia lembrou que “assédio moral é diferente de stress e alguns conflitos velados, que são próprios da relação de trabalho”.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: