Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  dom,   12/julho/2020     
reportagem

CRISE: Consumo de energia elétrica caiu no país.

23/7/2009 17:06:51
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 


 

 O consumo total de energia elétrica no país caiu 4,4% em maio deste ano, em relação ao mesmo período de 2008, principalmente em função da queda da demanda industrial: enquanto que em maio de 2008 a demanda foi de 15.087 GWh, no mesmo mês deste ano atingiu apenas 13.221 GWh.
"O consumo total de energia só não foi menor pelo bom desempenho no consumo das residências e do setor de comércio e serviços. A redução de impostos sobre eletrodomésticos e outras medidas tomadas pelo governo para enfrentar a crise têm permitido a manutenção da expansão no consumo de energia das famílias e do setor terciário", afirmou a analista da SLW.
Porém, este movimento refletiu no desempenho dos papéis listados em bolsa, com valorização abaixo da valorização do Ibovespa - enquanto o Ibovespa fechou o mês de maio com alta de 12,4%, o Índice IEE Brasil, composto por ações do setor, marcou incremento de 4,5%
"Estamos mantendo as perspectivas de crescimento de consumo para o setor em 2009 em 1,2% com a premissa de recuperação gradual no segundo semestre de 2009 no consumo industrial e a manutenção das boas taxas de crescimento dos demais segmentos: residencial, comercial e de serviços. Também acreditamos na correção dos preços dos ativos no segundo semestre de 2009", afirmou Rosângela.

DESEMPENHO MELHOR

O desempenho dos papéis do setor de energia elétrica poderia ter sido melhor se o preço das commodities não tivesse apresentado uma melhora significativa no primeiro semestre deste ano. Com isso, boa parte dos R$ 12,06 bilhões de investimento estrangeiro injetados na bolsa acabou sendo direcionado à papéis ligados à matérias-primas.
Por outro lado, nem mesmo este movimento fez com que os principais papéis do Ibovespa - como Petrobras, Vale e siderúrgicas - retornassem à cotação pré-crise. "De modo geral, esses papéis estão se recuperando. Porém, a demanda por commodities ainda não está no patamar pré-crise, então isso também influencia", disse Lemos.
Ações de empresas dos setores de energia, bancos e consumo passaram ao largo da crise financeira mundial. Dos 66 papéis que compõem o Ibovespa, 24 ações já ultrapassaram a cotação registrada no período pré-crise - 29 de agosto de 2008, último mês antes da quebra do Lehman Brothers, que agravou a crise.
No setor de energia, destaque para as ações PNB da Eletropaulo, que estavam cotadas em R$ 27,92 em 29 de agosto do ano passado, e no dia 21 de julho valiam R$ 35,20. A Light SA, cujas ações ordinárias estavam cotadas em R$ 19,10 no mês anterior ao agravamento da crise, fecharam o pregão de terça-feira em R$ 24,88. Outro papel com bom desempenho no período foi a Transmissão Paulista ON, que passou de R$ 42,02 ao final de agosto de 2008 para R$ 47,60 na última terça.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: