Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   20/setembro/2019     
entrevista

Deu na Folha: Presidente da OAB de Rondônia defende fim do salário para todos os políticos

7/9/2009 15:32:28
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 


 

O presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) em Rondônia, Hélio Vieira, defende desde 2007 que não haja salários para políticos nem do Legislativo nem do Executivo. Ele rebateu a proposta levantada pelo senador Cristovam Buarque (PDT-DF), nesta sexta-feira (4), de que vereadores de pequenas cidades deveriam desempenhar trabalho voluntário.


"Todos são iguais perante a lei. Então, não só vereadores, mas também senadores não deveriam ser remunerados", disse.


Para Vieira, os parlamentares do Congresso Nacional deveriam apresentar projetos a respeito do tema, para levantar o debate. "Está na hora de os políticos darem sua contribuição para resgatar a credibilidade do Congresso e das assembléias legislativas".


O advogado lembrou que o parlamentar brasileiro está entre os mais caros do mundo. "É um custo muito alto e não tem retorno".


Um estudo realizado pela Câmara dos Deputados no primeiro semestre deste ano apontou que o custo individual de um deputado brasileiro, por ano, é de R$ 1,2 milhão. Nos Estados Unidos, o custo anual é de R$ 3,8 milhões; na Alemanha, R$ 1 milhão; na Itália, R$ 469 mil.


Em discurso no plenário do Senado, nesta sexta, Cristovam Buarque defendeu várias mudanças na política nacional, entre elas a não remuneração para vereadores de pequenos municípios. E lamentou que suas sugestões não tenham sido consideradas na discussão da reforma eleitoral, que deverá ser votada pelo plenário da Casa na próxima semana.


O presidente da OAB de Rondônia afirmou estar levando a discussão para educadores e escolas e espera uma mobilização da sociedade civil em torno do tema. Ele acredita que, sem remuneração, ainda assim haveria pessoas interessadas na política. "Sem salário, só quem realmente quisesse defender as causas sociais iria trabalhar na política".

FONTE: Folha Online




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: