Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sáb,   4/julho/2020     
reportagem

Trabalhadores das Usinas do Madeira mantêm greve

9/9/2009 08:46:14
Por Aldrin Willy
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Após a nota revanchista do Sindicato que representa as empreiteiras das Usinas do Madeira, os trabalhadores perderam a paciência e tomaram uma atitude mais drástica. 



Clique para ampliar

Piorou o clima entre o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil do Estado de Rondônia e a representação das empresas construtoras das Usinas do Madeira.

 

Os trabalhadores ficaram indignados com a Nota Pública divulgada ontem pelo Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado de Rondônia (SINICON/RO), o sindicato patronal, na qual manifesta “estranheza” em relação ao movimento grevista.

 

Para o sindicato que congrega as poderosas empreiteiras que tocam as obras das Usinas, não há motivo para greve, uma vez que, segundo a nota, estariam sendo cumpridas todas as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho celebrada entre os dois sindicatos (patronal e o dos trabalhadores).

 

Em audiência ontem (8/9) na Câmara de Vereadores, o administrador do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil do Estado de Rondônia (STICCERO), Anderson Machado, disse que é risível a nota publicada pelo sindicato patronal. Isso porque ela baseia sua defesa em uma convenção feita “nas coxas”, quando ainda sequer havia sido contratado um único trabalhador.

 

Ele explicou sua posição revelando os baixos pisos salariais que ficaram convencionados. “Das mais de 80 funções nas obras que constatamos, o documento reduziu esse número para apenas quatro. E, para o cargo mais elementar, o de servente de pedreiro, o piso ficou estabelecido em R$ 490,00. Para o mais elevado, que seria das ocupações de operador de máquina pesada, o piso ficou em R$ 690,00”, disse.

 

Além da questão salarial, os trabalhadores reivindicam melhores condições de trabalho, pagamento das horas-extras e adicionais de insalubridade e penosidade. Também querem a melhoria nas relações de trabalho, com o fim dos assédios morais de que se dizem freqüentes vítimas.




Comentários (1)
apoio ao trabalhador

eles não estão mendingando querem só que seus direito sejam respeitado.esse povo chega aqui fazendo promessas e roubando e destruindo a natureza,fazendo nosso estado,país e mundo,sofrer com esse tal progresso,que pagaremos mais tarde com certeza e ainda querem explorar o trabalhador rondoniense,PERAÍ NÉ,E AINDA TEM AQUELE QUE NÃO SÃO DE RONDONIA QUER SE DIZ SER DE "CORAÇÃO" QUE APOIAM TAIS EMPRENDIMENTO.MEU PAI TRABALHA NA USINA E SEI QUE SAI AS 4:HS E SÓ CHEGA AS 6 OU 7 DA NOITE.P/FAZER SUAS NECESSIDADES FISIOLOGICA TEM QUE IR P/ O MATO,PASSA DA HORA DE COMER POIS A MAL ORGANIZAÇÃO E TEM QUE ESPERAR HORAS NA FILA,TUDO TEM FILA ELE TRBALHA DE SEGUNDA Á SABADO,AH TEM MAIS SE PEGAR DENGUE,VIROSE ELES NÃO ACEITAM ATESTADO DE POSTO NÃO TEMQUE FAZER MAIOR BRIGA,OUTRO DIA MEU TIO ESTAVA COM DENGUE E FOI ATÉ O ADENTIMENTO DA EMPRESA "MESA" E PASSARAM UM REMEDIO ALI MESMO ELE TOMOU E FICOU PIOR TEVE QUE VIM SOZINHO PASSANDO MAL E A FAMILIA TEVE QUE BUSCAR ELE ALI NA ENTRADA DO LIXÃO,ELE FEZ EXAME E SE CONSULTOU NA POLICLINICA DO ELDORADO,ALGUNS DIAS APARECEU PINTINHAS EM SEU CORPO E FICOU TODO EMPOLAO AO VOLTAR AO MEDICO FOI CONFIRMADO ERA DENGUE ,PASSAM REMEDIO SEM SABER QUER DOENÇA É E SE MORRER POR MEDICAÇÃO ERRADA? QUEM PAGA SE NÃO PAGAM NEM ELES VIVOS E TRABALHANDO AVALIE ELES MORTOS AI É QUE NÃO PAGAM MESMO.FUI!

douglas almeida - porto velho/ RO.
Enviado em: 9/9/2009 11:15:33 AM  [IP: 200.163.9.***]
Responda a este comentário

Mais Notícias
Publicidade: