Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  dom,   12/julho/2020     
política

Inelegibilidade levará Roberto Sobrinho ao ostracismo

2/10/2009 08:05:37
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



É claro que o prefeito e seus advogados não compartilham com essa visão. Mas para advogados independentes, dificilmente Roberto Sobrinho derrubará a inelegibilidade pois as falhas que impediram sua quitação eleitoral são simplesmente insanáveis. 


 

O anúncio de que está mantida a inelegibilidade do prefeito Roberto Sobriinho (PT) e de seu vice, Emerson Castro (PMDB), para as eleições de 2010 teve o efeito de umas implosão no sonho megalomaníaco alimentado pelo alcaide de chegar ao ápice do poder em Rondônia, através da repetição da aliança que deu certo, com o PMDB, para a conquista do segundo mandato.

 

Para a platéia Sobrinho tenta passar uma imagem de tranqüilidade e de fé na modificação da decisão da Justiça Eleitoral rondoniense, com o uso de filigranas jurídicas em Brasília, de sorte a mantê-lo no cenário político e distante do ostracismo a que são condenados a grande maioria dos políticos afastados do mandato.

 

Mas essa pedra no caminho do alcaide petista praticamente mandou pras cucuias as possibilidades reais da aliança entre os dois partidos gigantes que há muito dividem o poder no Brasil.

 

O PMDB, sem a possibilidade de ver Roberto ser candidato, não se afastará desta vez de sua determinação de ter um candidato próprio ao governo rondoniense.

 

E como o PT não tem a possibilidade de juntar a vontade de comer com a fome pelo poder, terá também de ter seu próprio candidato, já que não tem mais um parceiro privilegiado que aceitaria ser coadjuvante nessa importante disputa.

 

PITA DO SERTÃO

 

Os petistas históricos, antigos defensores da esquerda socialista, estão decepcionados com a descaracterização do PT que acabou vendendo a alma ao diabo para ficar com o poder em Porto Velho e no nível do Brasil. Mas, confessou um deles a Imprensa Popular, “como nada se pode fazer sem correr o risco de ser triturado” pelos luas-pretas do partido, “o melhor é fingir que não se vê, que não se importa, deixando o barco correr”.

 

Este mesmo político do PT, que detém uma posição de destaque no cenário político de Porto Velho, disse também temer pelo futuro do prefeito, se ele ficar muito tempo sem mandato, “diante do risco de vir a ser uma espécie de Celso Pita” de Rondônia, quando seus desafetos ou o próprio sistema do Judiciário revolver as camadas de sua gestão à frente do município.

 

Esse petista que desnudou suas impressões sobre a gestão de Sobrinho lamenta “a existência” no seio da administração de integrantes da cúpula totalmente dissociados de aspectos éticos e daquilo que o PT representou no passado. “E isso, é claro, só acontece por motivos muito sérios, porque esse pessoal deve conhecer coisas que assustam o prefeito”.

 

De qualquer maneira, Roberto Sobrinho ainda “é o cara” do PT na capital, dividindo o poder com a Senadora Fátima Cleide. Se não tivesse entrado na bananosa da inelegibilidade estaria dando as cartas sem restrições no partido, opinou o petista que falou a Imprensa Popular com a exigência de que seu nome ficasse no anonimato, “para evitar perseguições internas” e decisões como as que serão tomadas contra o deputado Ribamar Araújo, para inviabilizar sua disputa à reeleição.

 

E nada vai mudar como disse o personagem que decidiu expor sua opinião ao jornal. “Acontece que na Câmara o prefeito tem 12 vereadores no colete e assim nada se fará para apurar deslizes em sua gestão e nada que não interessa ao prefeito será aprovado na Casa”.

 

QUATRO DEPUTADOS

 

Enquanto o prefeito não desce da ribalta, sua influência eleitoral será determinante para o desempenho do PT nas eleições do próximo ano. É isso o que pensa o personagem do partido ouvido pelo jornal. Segundo ele, o PT vai conseguir aumentar sua bancada na Assembléia Legislativa para pelo menos 4 deputados.

 

Na sua opinião, quase todos os deputados da bancada atual serão trocados. O deputado Ribamar não conseguirá ser candidato. E isso vai abrir uma vantagem para que o representante da capital “seja um político de atuação popular, com postura independente, como é o perfil do presidente da Câmara Municipal, o vereador José Hermínio”.

 

Outro nome cotado nessa renovação é da atual presidente do Sintero, Claudir Matta. Ela teria ofuscado completamente dirigentes antigos, como o ex-deputado Nereu Klosinski, com dificuldades para voltar ao cenário da disputa.

 

Em termos de capital, o presidente da Câmara, José Hermínio, tem uma pedra no caminho. Trata-se da secretária municipal da Educação, a vereadora licenciada Epifânia Barbosa, uma espécie de xodó do prefeito.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: