Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qui,   9/julho/2020     
política

Cassol não pára. Agora estado vai investir R$ 18 milhões no Hospital de Base

2/10/2009 08:20:56
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Serão feitas obras de ampliação, a construção de uma nova UTI, a ampliação de 70 leitos, a reforma do setor de psiquiatria, a construção do setor de oncologia com salas de quimioterapia e muitas outras melhorias. 



Clique para ampliar

Antecipando às dificuldades cada vez maiores, previstas em função do desenvolvimento do Estado e do crescimento populacional de suas principais cidades, o governador Ivo Cassol anunciou a decisão de investir vários milhões de reais para deixar o principal hospital rondoniense em condições de continuar prestando um bom serviço à população, servindo de referência na política de saúde dessa região do Brasil. 

Cassol disse que já remanejou mais de R$ 50 milhões de outras áreas para colocar na área de saúde, mesmo assim, garantiu que a saúde vai sucumbir se a Capital não se atentar para fazer a sua parte, pois “tem poder político para isso”, disse o governador conclamando as autoridades para que trabalhem por mais recursos para a Capital, principalmente para implantar um Pronto Socorro Municipal. “Não é possível dar assistência para uma população de 450 mil habitantes com um único aparelho de Raio-X”, complementou o governador, pedindo, inclusive, para que o Conselho Regional de Medicina intervenha para modificar essa situação. 

“Não estamos preocupados somente com os prédios”, disse Cassol ao alertar que estão sendo finalizados os procedimentos para a contratação de mais de mil servidores para a área de saúde, incluindo médicos para todas as especialidades.  “Tudo o que é possível estamos fazendo, agora estamos aguardando recursos do Ministério da Saúde para equipar o hospital de Cacoal, para ser entregue à população no início do próximo ano”, disse. 


OMISSÃO DOS MUNICÍPIOS 

Mais uma vez o governador explicou que a saturação no atendimento da rede pública do Estado, principalmente nos hospitais mais importantes, acontece principalmente porque os municípios não propiciam atendimento de rede básica aos seus pacientes. 

A reclamação do governador foi avalizada pelo promotor de justiça Hildon Chaves, ao confessar que nos seis meses que está à frente da área de saúde do Ministério Público, pôde constatar que 60% dos atendimentos no Hospital João Paulo II e Hospital Infantil Cosme e Damião são de pacientes procedentes do interior do Estado e da Capital, afetos à Atenção Básica. 

“Além das dificuldades estruturais, a maior dificuldade está por conta da conjuntura política”, disse o promotor. 

O promotor não deixou de falar sobre a irresponsabilidade da prefeitura de Porto Velho com a saúde. Ele anunciou que está iniciando um ciclo de reuniões e discussões para levantar a situação sobre a falta de um Pronto Socorro na Capital. “É preciso haver uma união e parceria entre Estado e município para que a população não seja penalizada”, disse o promotor, destacando que o município tem sido omisso e é “necessária a participação de cada esfera, garantindo as regras estabelecidas pelo Pacto Federativo em relação à saúde”. 


NUNCA SE FEZ TANTO 

O secretário de Estado da Saúde, Milton Moreira, disse que a ampliação da estrutura do Hospital de Base inclui a reforma do setor de psiquiatria, a construção de uma UTI neonatal com 12 leitos, a ampliação de mais 70 leitos, auditório com 200 lugares, biblioteca, quatro salas de aulas para residência médica, construção de um setor para oncologia, com salas de quimioterapia, braquioterapia e radioterapia, lavanderia e refeitório. A nova estrutura será toda adaptada e equipada para que o HB continue prestando atendimento aos acadêmicos da área de saúde e mantendo o Programa de Residência Médica com especialização em várias áreas. 

Além disso, no espaço do HB ficará todo o complexo hospitalar, incluindo as obras do novo prédio da Policlínica Oswaldo Cruz e do Hospital Infantil Cosme e Damião, que terá também 50 leitos e que serão lançadas brevemente. 

Moreira lembrou ainda as obras de restauração do Hospital João Paulo II, onde foram investidos mais de R$ 7 milhões, além de investimentos pontuais que estão sendo feitos noutras áreas de saúde. Ele aproveitou para agradecer ao governador Ivo Cassol pela sensibilidade em relação à área de saúde, bem como a toda a equipe da Sesau pelo empenho ao trabalho. 

Na ocasião, o médico Amado Rahhal, diretor geral do Hospital de Base, falou em nome dos 27 anos de atuação do HB em Porto Velho. Segundo ele, “nunca se fez tanto por aquele hospital como se está fazendo agora”. Rahhal aproveitou para pedir e agradecer o empenho de toda a equipe do HB que terá que continuar trabalhando, mesmo com as obras de ampliação em andamento. 

FOTO: Agência Estado




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: