Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  seg,   6/abril/2020     
artigos

Não dá para aceitar o governo dando dinheiro para os baderneiros do MST

10/10/2009 20:58:35
Dirceu Cardoso Gonçalves
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



É importante garantir terra e meios para quem se dispõe a se fixar efetivamente na terra e dela tirar o sustento de sua família. O que não pode acontecer e a luta pela terra servir para a baderna e o esbulho. 



Clique para ampliar

O MST, agressivo e prepotente, numa demonstração de força “nunca antes vista na história deste pais”, ofereceu à população mais uma página negra de sua conturbada e discutível existência. A desafiadora destruição de 7 mil pés de laranja, de uma fazenda produtiva invadida no interior de São Paulo, mostrada na TV e nas páginas dos principais jornais, trouxe de volta a indignação pública já verificada em ações criminosas anteriores que, para desapontamento geral, restaram impunes. Agora, até os presidentes do Supremo Tribunal Federal, do Senado e membros do primeiro escalão do governo condenaram veemente e publicamente o estúpido acontecido e defenderam a punição dos envolvidos.

Espera-se que o governo – até agora omisso e leniente às travessuras do MST – não venha a usar o rolo compressor para impedir a constituição da CPI que se articula no Senado para apurar, a origem dos recursos utilizados pelo dito movimento social e a sua atividade. Que não repita a ação da Câmara dos Deputados, onde 42 parlamentares foram compelidos a retirar sua assinatura da lista que propunha a CPI. Uma coisa é o presidente ter simpatia pelos “companheiros” do MST, outra é o governo tolerar suas ações ilegais e, pior que isso, ajudá-las financeiramente e ainda garantir a impunidade.

A luta pela reforma agrária é legítima e deve ser permanente. É importante garantir terra e meios para os trabalhadores que efetivamente se dispõe a se fixar na terra e dela tirar o sustento de sua família. Todo governo tem a obrigação de trabalhar nesse sentido, independente da ideologia do governante ou do regime político em vigor. O que não pode acontecer é a luta pela terra transformar-se em bandeira meramente política ou pagamento de campanha eleitoral e trazer para seu bojo indivíduos que não querem a terra, mas a ação política e até o esbulho e a baderna.

Já somam muitos milhares de reais os prejuízos que a turba acobertada para o MST causou a proprietários rurais, empresas e até a instituições públicas através de suas ações. Propriedades chegaram a ser incendiadas na frente da força policial, que esteve de mãos atadas diante da fraqueza ou cumplicidade de seus governos para com o vandalismo dos invasores. Pedágios foram quebrados e repartições impedidas de funcionar e pouco ou nada de responsabilização. Nesse caso é o erário quem sofre os prejuízos, pagos por toda a população, via impostos.

As ações políticas (e até criminosas) do MST são conhecidas em todo o país. Além dos danos materiais, também há mortos e o desassosego social nas áreas onde o movimento age – pasmem – recebendo verbas oficiais para subsistência. Esses acampamentos que se vê, desafiadores, às margens de rodovias, recebem cestas básicas e outros recursos vindos do governo. O mesmo governo que negligencia em saúde, educação e outros serviços de sua responsabilidade.

Espera-se que o clamor decorrente da destruição das laranjeiras e não caia no esquecimento, como já ocorreu nas vezes anteriores. Seja um marco para passar a limpo o movimento. Que haja uma ação firme para separar o joio do tribo. Apoiar e assistir aqueles que realmente querem e precisam da terra para dela viver e afugentar com todas as forças os rufiões que usam a reforma agrária apenas como pano de fundo para seus objetivos políticos e de desestabilização e contestação social. Com esses há que se endurecer!.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: