Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   24/janeiro/2020     
reportagem

Políticos marcados por escândalos querem voltar à vida pública

23/12/2009 18:51:53
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Num cenário onde é praxe a impunidade e a letargia toma conta da sociedade, a safra de políticos que tiveram seus nomes envolvidos em escândalos notórios preparam seus esquemas para vencer o obstáculo das urnas. 



Clique para ampliar

Durante a colocação de grau da última turma de curso de biologia da Universidade Federal de Rondônia, realizada no auditório do Tribuna de Contas do Estado de Rondônia, na noite de 17 de dezembro desse 2009 que termina, uma grande bandeirola da campanha “O que Você tem a Ver com a Corrupção” chamava a atenção das famílias dos graduados na mais importante academia do Estado (e da região norte), que lotavam aquele auditório.

É claro que a bandeirola nada tinha a ver com aquela cerimônia. O estandarte da campanha não ficou ali de propósito para mexer com a percepção daqueles jovens formandos. Nem por isso seu dístico deixou de motivar comentários de também em Rondônia essa praga nacional faz os seus estragos ao erário e, por extensão, à toda a sociedade.

O TRABALHO DO MP

Certamente essa campanha busca ressaltar no público a importância de se combater a corrupção nos pequenos atos presentes na rotina do cidadão.

No entanto, um verdadeiro combate à corrupção deveria parte exatamente de órgãos como o Ministério Público Estadual, instituição que não está bem nas pesquisas de avalição popular, por ser considerada inerme diante de tantas denúncias e suspeitas levantadas contra homens públicos no Estado, principalmente políticos no exercício do mandato.

E são denúncias feitas, na maioria das vezes, por pessoas com prerrogativas especiais para defender a sociedade e exigir investigação de atos praticados por autoridades públicas contra os interesses da sociedade.

Mais um ano está no fim e não se teve notícia de que o Ministério Público Estadual deu início a algum procedimento de investigação dessas denúncias ou contribuiu para que larápios do povo que usam cargos públicos estivessem respondendo processos para serem punidos pelo mal que causaram à sociedade.

Os resultados de enquetes realizadas ao longo desse ano pelo site
www.imprensapopular.com mostrou claramente a perda de credibilidade da população rondoniense em seu Ministério Público para o combate à corrupção e aos chamados criminosos de colarinho branco.

Bem diferente do que acontece em relação ao Ministério Público Federal no estado rondoniense, credor de alta confiabilidade da população, porque está sempre nas manchetes da mídia por combater de forma desassombrada a corrupção, abrindo processos contra políticos, empresas e empresários envolvidos em formação de quadrilha e outros esquemas de corrupção para sugar o dinheiro público.

NÃO É CRIME

Perguntado se essa estagnação do combate à corrupção na esfera das instituições do estado é uma fato só em Rondônia, o diretor da Ong Transparência Brasil, Cláudio Abramo, afirmou que ela ocorre em todo o país. Para ele, “os governos estaduais, os judiciários estaduais, os legislativos estaduais não estão nem aí com o assunto. Não existe combate à corrupção. Quando se fala nos municípios é um terror, aí que não acontece nada mesmo”, disse.

Na opinião do advogado de Imprensa Popular, o dr. Fernando Maia, não se pode simplesmente culpar o Ministério Público Estadual por esta situação.

Ele lembrou que a legislação não contribui para o combate à corrupção: "O enriquecimento ilícito pura e simplesmente não é tipificado como crime, o Ministério Público tem que fazer ginásticas através da lei de improbidade administrativa para poder autuar sobre alguém que obteve um enriquecimento incompatível com seu rendimento de servidor público", disse.

MOBILIZAÇÃO DIFÍCIL

A campanha “O que você tem a ver com a corrupção” terá dificuldades em mobilizar a população se entidades como o Ministério Público Estadual não apresentar ações demonstrando que ele está mesmo na liderança desse combate. Afinal, um coisa é certa: o estado de Rondônia enfrenta atualmente uma entressafra política como nunca se viu, com as principais figuras desse meio causando decepções àqueles que ainda mantém uma pequena chama de civismo em seus corações.

Esse quadro de impunidade, pelo qual são responsáveis os procuradores de Justiça e outros agentes públicos com obrigação direta de denunciar, fiscalizar, investigar e punir os maus políticos ou “empresários” que não se cansam de roubar o erário, acabou colocando a sociedade nessa postura de letargia, afastando um numero cada vez maior e sobretudo de jovens da participação política.

NÃO TEM JEITO

É cada vez maior o número de pessoas engrossando o contingente daqueles que acham “que o Brasil não tem jeito” quando se fala em corrupção. Como não há punição de verdade para os chamados criminosos de colarinho branco os escândalos vão sempre se suceder.

O desecanto dos rondonienses com a maioria de seus políticos é alimenta o imaginário popular de todos os nossos políticos são iguais e não prestam. E esse nivelamento por baixo também acontece em relação às instituições que praticamente cruzam os braços e fecham os olhos para as mazelas que vão acontecendo nas instituições públicas de praticamente todos os níveis.

QUERENDO VOLTAR

Botando fé nessa desilusão que afasta a população do debate político e amplia o índice dos que não tem interesse no assunto, muitos dos políticos rondonienses que tiveram seu nome ligado aos escândalos (como os revelados pela Operação Dominó e também pelas investigações dos Sanguessugas das ambulâncias dos Vedoins) deverão voltar ao cenário eleitoral, como candidatos a deputados estaduais e federais.

Afinal, como se sabe, nenhum desses políticos sofreram na Justiça condenação que os impede de concorrer ao pleito do 2010, beneficiados que foram pela morosidade da Justiça e pela dificuldade que o Brasil sempre teve de condenar político por meter a mão no dinheiro público.

Entre os nomes já confirmados como pretensos candidatos em 2010 estão quase todos os deputados estaduais da legislatura passada e pelo menos dois federais que tiveram seus nomes ligados ao escândalo das ambulâncias numa verdadeira quadrilha montada pelos Vedoins, empresários do vizinho Mato Grosso.

O ex-deputado Carlão de Oliveira – único político a parar na cadeia no desfecho da “Operação Dominó” – é nome cotado para disputar uma vaga na Câmara dos Deputados.

Ronilton Capixaba, personagem do vídeo que desencadeou a “Dominó”, gravado pelo governador Cassol, também tem afirmado sua decisão de candidatar-se pelo PR para voltar a ter uma cadeira na Assembléia Legislativa.

Até mesmo a “rainha” daquele enredo de propina mostrado a todo o Brasil (no Jornal Nacional) Ellen Ruth, estaria pensando em retornar à disputa eleitoral para ganhar novamente uma cadeira no legislativo.

No caso do escândalo das ambulâncias os dois personagens rondonienses que mais apareceram no episódio já estão praticamente confirmados para participar da disputa de outubro de 2010. Agnaldo Muniz, recentemente denunciado pelo Ministério Público Federal, pretendia disputar uma vaga para o senado. Isso só não deu certo porque o PP acabou nas mãos do governador Ivo Cassol, que será o candidato da legenda.

Nilton Capixaba, o outro deputado que precisou sepultar se projeto político por causa do escândalo, acabou “saindo do frio” com o apoio do governador. Agora, pelo PTB (onde ainda é o maior babalaorixa), pretende retornar à Câmara dos Deputados. Sua candidatura, na opinião de observadores do sul do estado, tem ampla chance de ser vitoriosa.




Comentários (1)
SE GRITAR!!!! NÃO FICA UM......

"O povo brasileiro tem que deixar de lado aquele ditado de que o povo tem memória curta!!!! Temos que dizer não aos politicalhas e politiqueiros que desviam verbas públicas!!! SE GRITAR PEGA LADRÃO NÃO FICA UM!!!!!

Valdeci Ribeiro - PORTO VELHO/ RO.
Enviado em: 30/12/2009 02:36:17  [IP: 189.74.186.***]
Responda a este comentário
isso mesmo

Concordo plenamente com o sr. acima... Eu, que já vivi em Rondônia, esta terra abençoada, digo: nós, brasileiros, temos de mudar esse país a começar por nós mesmos, tirando da vida pública esses calhordas! Tenho dito.

João Jória Dias Ribeiro Costa Neto - Adamantina/ SP.
Enviado em: 31/12/2009 02:31:25
 [IP: 187.6.193.***]


Mais Notícias
Publicidade: