Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  dom,   25/outubro/2020     
reportagem

Orlando do Estácio: o carioca que deu ritmo ao samba de Porto Velho

28/11/2009 08:02
Por Aldrin Willy
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



“Ele vai deixar aberta uma grande lacuna”, diz o amigo Carlinhos Maracanã. 


 
Orlando Pereira, Orlando do Estácio ou simplesmente “Neguinho Orlando”. Não importa que nome lhe dessem, todos sabiam que se tratava do carioca que mudou de vida nos anos 1980, quando adotou Porto Velho como sua terra do coração.

Neguinho Orlando, ou Orlando do Estácio, nome artístico com o qual foi batizado pelo jornalista Gessi Taborda, teve importante participação nos movimentos culturais que resgataram o valor da cultura negra em Porto Velho.

Entre esses, talvez o principal tenha sido o “Movimento de Criação Cabeça de Negro”, que fez em parceria com outros nomes do mundo cultural da capital, entre eles Bubu Johnson, Pereca e o jornalista e poeta Adaídes Batista dos Santos, o Dadá. Orlando também esteve sempre presente nos memoráveis encontros que o jornalista Taborda, um de seus grandes incentivadores, promovia em seu pequeno clube privativo, sugestivamente chamado “Le Petit Taborda”.

O “Le Petit”, que funcionava em sua residência, foi palco para algumas das muitas e boas apresentações de Orlando do Estácio.

Da participação em movimentos culturais, Orlando passou por momentos difíceis. Foi usuário de drogas e abusava do álcool, mas “foi salvo pela Dona Derci [a esposa]”, como diz o amigo Carlinhos Maracanã.

O artista também teve um papel marcante no fortalecimento das rodas de samba da capital. “Orlando tinha o balanço, tinha o andamento, além de ser carioca nato”, revela Maracanã. “Ele vai deixar uma lacuna aberta, muitas saudades”. Mais recentemente, Orlando enviesou pela composição de sambas-enredo para o carnaval da capital, compondo para as escolas Pobres do Caiari e Unidos do Rádio Farol.

Orlando tinha diabetes e, no final da vida, desenvolveu outras doenças, vindo a falecer, aos 61 anos, no dia 5 de novembro último. Deixa mulher e filhos.

Publicado na edição nº 125, de 28/11/2009.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: