Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   23/agosto/2019     
política

Justiça quebra sigilo bancário do presidente da Assembléia

4/6/2010 09:48:58
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Também os deputados Maurão de Carvalho e Kaká Mendonça terão suas contas bancárias esmiuçadas. 



Clique para ampliar
A desembargadora Ivanira Feitosa Borges acatou o pedido do Ministério Público Estadual, autor da ação penal que pretende punir os envolvidos no escândalo da folha paralela (o chamado esquema gafanhoto), utilizado na Assembléia Legislativa para desviar uma imensa fortuna de recursos públicos em favor da maioria dos deputados, determinou a quebra do sigilo bancário dos deputados Neodi Carlos Francisco de Oliveira (atual presidente do Legislativo); Mauro de Carvalho (deputado Maurão) e João Ricardo Gerólomo de Mendonça (deputado Kaká Mendonça). A desembargadora lembrou que as demais diligências requeridas pelo MPE contra os demais indiciados na ação penal serão apreciadas oportunamente.

Segundo explicou a desembargadora, a concessão da quebra do sigilo bancário dos deputados mencionados se deu após verificar a materialidade e os indícios de autoria da prática de delitos contra a administração pública, ocasionando o desvio de vultosas quantias em dinheiro, mediante o artifício da “folha de pagamento paralela” à folha de pagamento oficial dos funcionários da Assembléia Legislativa rondoniense.

Pela decisão da desembargadora o Unibanco terá de prestar todas a informações sobre a movimentação de cheques salários na conta do deputado Maurão de Carvalho entre agosto, setembro e outubro de 2004.

O mesmo procedimento deverá acontecer em relação à conta de Kaká Mendonça, que também terá esmiuçada sua conta na Cooperativa Rural de Crédito de Pimenta Bueno.

ATÉ EM MINAS

No caso do deputado Neodi Carlos, a desembargadora determinou que o Banco do Brasil, através de sua agência em Machadinho do Oeste explique o depósito de cheques-salários da Assembléia. Até a agência 3308-1, do Banco do Brasil em Belo Horizonte (MG), terá de relatar a trajetória de um cheque da Assembléia suspeito, nominal a Jiane Carla Gomes da Costa.

Além dos deputados que tiveram o sigilo bancário quebrado, aparecem como réus nessa ação penal nomes de destaque na política rondoniense, muito deles dispostos a tentar o retorno à vida pública. A seguir a relação dos réus:

Amarildo de Almeida, Everton Leoni, Paulo Moraes, Nereu Klosinski, Renato Velloso, Carlão de Oliveira, Haroldo Santos, Beto do Trento, Marcos Alves Paes, Evanildo Abreu, Marcos Donadon, Ellen Ruth, Francisco Izidro dos Santos, Deusdete Antonio Alves, Terezinha Esterlita Marsaro, Edison Gazoni, Luiz da Silva Feitoza, Leudo Buriti, João Batista dos Santos, Maurício Filho, José Emilio Paulista, Rubens Olímpio Magalhães, José Joaquim dos Santos, Ronilton Capixaba, Edézio Martelli, Amarildo Vieira, Moisés Oliveira e Carlos Henrique Bueno (Dr. Carlos).

FOTO: Rádio Rondônia FM



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: