Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qui,   2/julho/2020     
artigos

Legalização da droga: contra ou a favor?

11/6/2010 17:35:56
Dr. Bruno de Almeida Rocha
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



Os indivíduos devem ter direito ilimitado sobre seus próprios corpos ou não? 



Clique para ampliar
Muitos políticos, tanto de esquerda como de direita, pregam a legalização das drogas com base no fundamento da não-intervenção na liberdade individual, o qual aduz que os indivíduos têm direito ilimitado sobre seus próprios corpos, podendo deles se utilizarem da maneira que bem entenderem.

Todavia, o usuário de drogas não acaba apenas com a sua vida, mas com a de seus amigos, familiares, enfim, daqueles que o cercam, bem como com a de toda a sociedade, vez que seus atos podem gerar efeitos devastadores, como, por exemplo, o usuário que mata outro indivíduo para conseguir dinheiro para adquirir a droga.

Certamente, o nível de dano aumentaria muito mais com a legalização. É sabido que a proibição gera danos sim, pois há o tráfico, porém, a legalização, embora extinga esse comércio ilegal, trará um aumento no índice de outros crimes, haja vista que o usuário ainda precisará comprar sua droga e a sua condição financeira será a mesma, independentemente de sua atitude ser legalizada ou proibida.

Nesse sentido, aquele que não tinha condições econômicas para comprar a droga e roubou dinheiro de alguém, terá a mesma atitude se o uso da substância for permitido. A saída, para a obtenção do dinheiro, será a mesma.

Ainda, a legalização das drogas produziria uma maior oferta, exporia um maior número de pessoas ao consumo e, consequentemente, às suas complicações.

Tantas banalizações ofuscam princípios, tornar tudo comum destrói a barreira dos limites. A legalização seria a maneira mais rápida e eficaz de dizer à sociedade que não existem mais limites para nada, cada um pode fazer consigo e com o outro o que bem entender. Assim, essa solução, se não atinge, ao menos já beira o caos social.

Usar o argumento de que a legalização é uma questão de saúde publica, vez que se assim fosse, haveria uma disponibilização de drogas mais puras, assim como de seringas e agulhas limpas, é algo falho e inconsistente, pois a legalização não torna o produto saudável, como exemplo, o cigarro e o álcool.

Portanto, o fato de legalizar não o torna menos destruidor ao corpo do usuário, bem como não garante uma dose de uso recomendada, pois, como dito anteriormente, elevado é o número de pessoas que, já no primeiro consumo de qualquer droga, tornam-se dependentes.

Precedentes não podem ser abertos, a legalização do uso de drogas seria a legalização de um crime, o que possibilitaria, futuramente, a legalização do furto, do roubo e, quem sabe, do homicídio. A sociedade precisa de freios para poder se desenvolver, para acelerar seu crescimento.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: