Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qui,   9/julho/2020     
política

Na mira do Ficha Limpa, Melki Donadon é confirmado como candidato ao Senado

30/06/2010 07:56
 
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



A convenção de seu partido, realizada na Assembléia Legislativa, foi prestigiada por Expedito Júnior, a quem Melki promete apoiar. 



Clique para ampliar
O histórico dos políticos da família Donadon no estado de Rondônia não é nada edificante. Mesmo assim são reconhecidos vencedores na região do cone sul rondoniense, embora tenham envolvimento em muitos casos de corrupção e até mesmo condenações na justiça.

Os representantes da família Donadon na política rondoniense são o exemplo mais claro de que neste pedaço de Brasil a política também não deu certo.

Aqui os eleitores ainda não demonstraram verdadeiro discernimento entre eleger um político ficha limpa ou um ficha suja.

Graças a uma relação social praticamente estabelecida pela submissão dos mais pobres à esperteza dos mais ricos, políticos envolvidos nas mais diversas maracutaias continuam vencendo eleição após eleição, sempre com votação surpreendente.

A lei do “Ficha Limpa” ainda é a esperança de pessoas acostumadas a fazer política em benefício próprio sejam afastadas definitivamente da vida pública.

Mas esta é uma tênue esperança, na medida em que os Melkis da vida insistem em permanecer na atividade política, conseguindo candidatura em partidos inexpressivos, como se não acreditassem na aplicação desse nova lei e nem na sua eficácia.

Não é de agora que esse time desafia as pessoas de bem e o próprio Judiciário. Certamente não há no registro da política brasileira um fato tão singular como o de Natan Donadon, que se tornou deputado federal após condenação por desvio do dinheiro público.

Procurado para cumprir pena de prisão, o personagem só apareceu quando surgiu o meio de tomar posse como deputado federal.

Certamente o ex-prefeito Melki Donadon decidiu ser candidato a senador para desafiar a Justiça.

Afinal é isso que faz há muito tempo o também seu irmão Marco Donadon, deputado estadual condenado por fraude e apontado como principal responsável pelo primeiro grande rombo financeiro nos cofres da Assembléia (quando presidiu a Casa).

Marco nunca sofreu nenhuma investigação promovida pelos seus pares na Assembléia e muito menos perdeu qualquer coisa ao ser condenado pela Justiça.

Nos bastidores afirma-se que ele, como seus irmãos políticos, estará mais uma vez disputando a eleição a despeito da Lei do Ficha Limpa, pela qual certamente seria barrado.

Parece que mais uma vez esse pessoal espera o beneplácito dos eleitores de algumas seitas evangélicas, onde sempre detiveram grande poder de manipulação, graças à desinformação dos infiéis e interesses imediatistas dos chefes religiosos que pouso se lixam, quando são atendidos nesses interesses, se estão apoiando ladrões do dinheiro público.

MUDOU DE BARCO

No fechamento dessa edição, recebemos a informação de que Donadon quebrou o compromisso com Expedito Júnior e foi integrar a chapa do governador João Cahulla, permitindo que o deputado Tiziu Jidalias, de Ariquemes, deixasse de lado a pretensão de disputar o senado para se tornar o vice na chapa articulada pelo ex-governador Ivo Cassol.

Consta que a adesão de Melki não agradou a maioria dos partidários de Cassol. O próprio ex-governador explicou que é melhor receber a adesão de um ex-adversário do que a traição de um grande amigo, como ele entende que ocorreu no rompimento de Expedito Júnior.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: