Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qua,   28/outubro/2020     
artigos

Coluna do Taborda: hora ruim para os larápios

20/12/2011 15:58:22
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
CORRUPTOS, CORREI

Uma nova operação da Polícia Federal – maior do que a “Termópilas” – está prestes a ser lançada em Rondônia. Ainda não se sabe o nome dela, mas que virá, virá. E quem “vazou” essa informação foi nada menos que o governador Confúcio Moura. Muita gente passou o final de semana de cabelo em pé, buscando meios de antecipar a viagem de fim de ano para escapar do “vexame de ser preso”.

Ora, o governador Confúcio Moura deve andar antenado agora com a movimentação da Polícia Federal que, na “Operação Termópilas”, surpreendeu o próprio governador ao realizar, em sua residência, a prisão de seu “afilhado”, como revelou num discurso no senado o ex-governador e atual senador Ivo Cassol.



TEMPO DA SACANAGEM

Ao fazer essa revelação, o governador alertou quem tem culpa no cartório: “Se na Termópilas foram 300 policiais, essa será ainda maior”. Essa nova operação da PF demonstra, na opinião do governador, que “o tempo da sacanagem já passou”. E ele, como chefe do governo rondoniense, acabou deixando um recado: “Minha gente, crie vergonha na cara!”, cunhou em seu repúdio àqueles que deverão ser pegos nessa nova operação.



SEM CHORO

E que ninguém pense em buscar proteção junto ao governador. “Não adianta chorar, porque todo mundo está com seu telefonezinho grampeado”, escreve Confúcio.

Aliás, como se estivesse dando um aviso específico para quem nessa hora tem de procurar alternativas como sair do Brasil (Bolívia, inicialmente e Paraguai depois), o governador acrescentou:

“Se você duvida, meu chapa, continue com seus furtinhos por aí. Furtinho da gasolina, de peça, remédio, comprar e receber menos produto. Continue rodando com carro oficial em porta de mercado, pegando menino na escola. Pode continuar. E ficará com a cara de pau, quando seu carro for guinchado. Comprar o de que não se precisa. Correr com processo debaixo do braço para ganhar uns trocos pelo serviço. Esconder processo para favorecer amigos”.



INFORMADO

Confúcio sabe, pelas afirmações acima, o que rola de sacanagem no governo. Ele dá uma advertência final: “Acabou, dileto companheiro. Mesmo que entre na cadeia e saia, você já ficou marcado para o resto da vida. A algema dói e não é brinquedo não. Nunca mais será o mesmo. Sujo para sempre”. Mesmo sem confirmação das fontes ligadas a PF, o governador deve ter informações privilegiadas para escrever sobre o assunto. O problema é que agora, com a falta de passagens, tem “neguin” por ai que terá de esconder-se igual rato, em alguma toca, ou então se preparar para usar as pulseiras que, segundo Confúcio, não é brinquedo e dói, especialmente numa época como essa, com o bimbalhar do natal. Na cadeia não dá para comer castanha...



NA MAIONESE

O governador Confúcio Moura continua desfilando na maionese. Agora o nosso amabilíssimo governador – o mesmo que no Fantástico de domingo (18) não sabia se foi traído ou não por amigos íntimos que se aliaram à corrupção – anuncia outra medida revolucionária, como algo capaz de modificar o status-quo rondoniense. Vem ai, anunciada por ele, com pompa, a Secretaria da Paz.

E a tal Sepaz (???) não vai ter dinheiro nenhum (rá,rá,rá,rá,rá!). O nosso dr. Confúcio parece enxergar um ambiente de guerra no estado (será por causa da recente paralisação da PM?) e caberá à nova secretaria criar um “ambiente de paz” em Rondônia. A tal SEPAZ é fruto de uma viagem de sua excelência, juntamente com o casal Raupp, em Alagoas.

Imagina quantas novidades Rondônia vai conseguir se o nosso filosófico governador resolver passar um final de semana em Aruba...



CONSERVADORISMO

Nosso amável governador está mesmo “impossível” nesse redemoinho natalino e festas de final de ano. Agora ele anunciou sua mais nova vontade: colocar o MBC no Estado. E para fazer isso o governador escreveu (no seu blog, dia 18) como pretende arrumar 5 milhões de reais para jogar no tal do Movimento Brasil Competitivo. Ele vai colocar nas ruas alguns fiscais da receita (Socorro, Benedito, Wagner e outros) e o Édison Vicente, do Desenvolvimento Econômico, para fazer a coleta dessa grana que será dada ao MBC. Essa é, na opinião do governador Confúcio, a única maneira de vencer o conservadorismo rondoniense que, de boa vontade, não daria essa contribuição ao MBC, do multimilionário Jorge Gerdau.



DESEJO EXPLICITADO

O governador deixa claro o que pretende conseguir do tal MBC no Estado: “É ele que eu quero aqui em Rôndônia para o ajuste entre a despesa e a receita”. Ué! Então todo esse time que fica ao lado do governador está encalacrado e não consegue fazer o tal ajuste?

E preocupado com a crise mundial o nosso filosófico governador insiste: “O que teremos que fazer – ajustar as contas, cuidar das receitas e muito mais das depesas. Esta é a função principal do MBC no Estado”. Será que com tal anúncio o governador está desistindo da reforma anunciada.

Será que o governador prefere “privatizar” in-totum e não apenas parte o Estado?



É LEGAL?

Bom, perguntar não ofende. Como o governador pretende começar a coleta (ele próprio) de dinheiro dos empresários rondonienses – “Vou bater à porta de vocês, agora, semana que vem” – para colocar nas mãos MBC nesta semana, chamando depois servidores do fisco e da pasta do Desenvolvimento, uma pergunta precisa ser respondida: “O governador tem autorização legislativa para fazer isso... Esse tipo de coisa não é ilegal, não parece uma coleta de propina?

As revelações de Confúcio são verdadeiramente extraordinárias. Ele chama o Denis Baú para aderir a esse plano e explica que dará em troca “uma poltrona bem bonita” no Teatro Estadual (que pretende inaugurar até as eleições do ano novo) a todo empresário contribuinte dessa nova coleta. Não sei porque alguém perguntou ao colunista se nosso filosófico governador costuma tomar alguma coisa do tipo mariri.



É PRECISO CASSAR

Há muito tempo venho escrevendo que há manobras na Assembléia para protelar ou até mesmo impedir a punição dos deputados bandidos, aqueles comprovadamente corruptos. E não agora, com a exposição da nova quadrilha do “irmão” Valter “Ali Bab´” Araújo. Falo dos quadrilheiros desde os tempos do escândalo das passagens promovido pelo multimilionário Silvernani Santos, um ex-servidor público que depois de entrar na político se transformar num dos maiores latifundiários de Rondônia.

Não sei até quando vamos aceitar impunemente o estado jogado no mar de corrupção desse país, como se fôssemos uma m* de republiqueta sem lei; sem que os deputados sérios reajam e façam seu dever de casa. Quantas novas edições do Fantástico serão necessárias para que os deputados rondonienses tomem vergonha na cara e abra processo de cassação contra os corruptos?



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: