Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  dom,   13/outubro/2019     
artigos

Coluna do Taborda: Muniz diz que não tem pretensões políticas para esse ano

30/1/2012 22:39:29
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
SÓ ESPECULAÇÃO

O prazo final para os partidos indicarem seus candidatos à disputa eleitoral desse terminará dentro de cinco meses. No momento – é o que se nota nas rodas de discussão política da capital – há apenas fortes especulações sobre os nomes a ser escolhidos pelos partidos para participar da corrida de outubro.

Até em partidos que estão anunciando prévias – caso do PMDB – tudo não passa de conjecturas. Ontem, o nome mais competitivo do partido, Orestes Muniz, garantiu à coluna não ter nenhum interesse e nem condições de disputar o pleito eleitoral desse ano. Ele se disse “surpreso” ao retornar de viagem e descobrir a inclusão de seu nome na disputa de prévias partidárias.



ELEIÇÕES ESPECIAIS

Depois de considerar-se honrado com a lembrança de seu nome, Orestes Muniz explicou estar “muito envolvido” com suas atividades de advogado e empresário, hoje sua prioridade. A política, como disse, não pode ultrapassar a contribuição na organização partidária. As eleições desse – comentou – são como prévias das eleições de 2014, quando será escolhido até o próximo presidente da República. “Deve ser por isso que os companheiros lembraram do meu nome, incluindo-me na relação de postulantes de uma candidatura”. Isso, sentenciou, “não pode prosperar”.



DIFÍCIL

A julgar, hoje, pela quantidade significativa de pré-candidatos a prefeito de Porto Velho, será uma tarefa dura filtrar o pretendente com maior chance de vitória. Em certos casos, a disputa eleitoral na capital rondoniense vai colocar em evidência um embate de proporções maiores: os senadores Valdir Raupp e Ivo Cassol estão de olho no governo rondoniense. Cassol sempre deixou em aberto a possibilidade de retornar ao comando do estado rondoniense. Esse também é um sonho de Raupp, embora tenha de se conter diante da disposição de seu governador – Confúcio Moura – disputar a reeleição.

Depois tem o PT que pode caminhar apoiado por Dilma Roussef, que pode tentar a reeleição e acreditar ser fundamental eleger os prefeitos das capitais.



NOMES

Enquanto Orestes Muniz garante que não será candidato a prefeito de Porto Velho, não faltam nomes sonhando em ocupar a cadeira do paço municipal. A relação tem os “deslumbrados”, aqueles que se julgam insubstituíveis (acostumados à idéia de que o poder é eterno) e os debutantes, crentes que já têm uma carreira política por ter, em certos casos, uma pequena passagem pela Câmara Municipal ou por um gabinete de alguma secretaria.

Até o momento a lista tem nomes como o de Agnaldo Muniz, David Chiquilito, Fátima Cleide, Miguel de Souza, Cláudio Carvalho, Dalton di Franco, Abelardo Castro, José Hermínio, Amado Rahaal, Ivo Benitez, Mauro Nazif, Lindomar Garçom. Até o nome do professor Mário Jorge (PDT) também recebeu menção para a disputa.



INVIABILIZADOS

O nome do ex-governador João Cahulla saiu da relação. Ele continua como eleitor do interior e prefere ficar fora dessa disputa para “não perder” o “o capital eleitoral” que imagina ter no interior, “fundamental para uma disputa em 2014”, como explicou.

Zequinha Araújo, Epifânia Barbosa e o próprio “irmão” Valter inviabilizaram-se para as próximas disputas eleitorais ao serem apontados como integrantes da quadrilha desmontada pela “Operação Termópilas”, da Polícia Federal. Apontado como o chefe da quadrilha, “irmão” Valter (cacique do PTB) não só teve de fugir da polícia e deixar o partido à deriva, aparentemente sem condições de apresentar um nome para substituí-lo na campanha.



TIMONEIRO

Dentre todos os nomes alinhavados como possíveis candidatos na disputa pela prefeitura, um deles merece uma reflexão especial por ter recebido uma missão inesperada. Trata-se de José Hermínio, esse deputado cuja principal característica é a humildade. Certamente, nem o próprio Hermínio imaginava diante do desafio de conduzir essa travessia das mais difíceis do poder legislativo rondoniense, entre a podridão promovida pelos corruptos e o resgate de sua representatividade, como instituição representativa do povo, sem a qual não pode haver democracia. Ora, se Hermínio se conduzir como o timoneiro, livrando aquela instituição do desastre ético, ele será reconhecido publicamente por sua coragem, credenciando-se também para ser o timoneiro do município, vítima de um gestor que não é digno desse nome.



COMEÇANDO

Na verdade, só a partir de hoje Hermínio ganha meios de montar sua equipe para recuperar a Casa do desabamento moral e econômico provocado pela ação da quadrilha do “irmão” Valter. Até agora, pelas limitações da burocracia, estava rodeado pelos antigos colaboradores do ex-presidente fugitivo e não tinha espaço de manobra para colocar em ação o seu programa.



CORAGEM

No exercício da presidência da Assembléia, o deputado José Hermínio terá oportunidade de demonstrar para a opinião pública mais uma vez a qualidade – entre outras – responsável pela sua liderança popular na capital: a coragem. Mas a coragem em Hermínio é diferente daquela que arrostava o irmão Valter, principalmente diante dos mais humildes. Ao contrario de Valter, o deputado José Hermínio nunca demonstrou ser pusilânime.

Em se tratando do novo presidente da Assembléia a coragem é uma virtude, pois é a coragem de decidir em favor dos menores, dos mais fracos, dos trabalhadores, mesmo correndo riscos pessoais.

Se ele continuar agindo assim na presidência da Assembléia vai se fortalecer cada vez mais perante a população da capital – especialmente perante os mais humildes – porque é desse tipo de coragem que a cidade vai precisar para enfrentar todos os mal feitos praticados pelo “Rouberto” nos últimos 8 anos.



RISCOS

O próprio Hermínio, mais do que ninguém, conhece os riscos a que está sujeito quem tem liderança, principalmente quando essa liderança é exercida em nome do povo e tem a coragem de enfrentar os poderosos. Foi exatamente por assumir esse compromisso que José Hermínio precisou sair do partido do prefeito, da órbita daqueles que preferiram se calar diante de tanto descalabro.

Hermínio correu riscos afrontando os “capos” do transporte público. E também quando acabou com a cobrança de tarifas de pedestres e ciclistas na Balsa do Cai N’água e em muito outros episódios; até mesmo na defesa das vítimas da falsa política habitacional do prefeito.



TRAGÉDIA

Com o desfecho da operação policial que botou para fora o “irmão” Valter (hoje foragido da Justiça), colocando numa situação de vergonha, integrantes de sua quadrilha (correm o risco de encerrar suas vidas públicas), José Hermínio saiu do papel de mero parlamentar para um palco de tragédia, uma tragédia contra todos os que exigem democracia de verdade no Estado. Cumprindo com tranqüilidade seu papel no meio dessa confusão, ficará claro que ali está um homem público capaz de decidir sem se meter em estranhas transações.

Vai se tornar mais amado pelo povo e mais identificado como um nome com as credenciais para administrar a grande capital rondoniense.



Comentários (2)
TUNG

Caro Figueiredo,<br> <br> Vale lembrar que foi Mao Tsé Tung o princípio que levou a China a ser o que é hoje.

Gessi Taborda - porto velho/ RO.
Enviado em: 3/2/2012 18:35:09  [IP: 177.0.6.***]
Responda a este comentário
TIMONEIRO.

ILUSTRE TABORDA. EM OBSTANTE OS RESPEITO PELO SEU POSICIONAMENTO, TAL QUAL UM COMENTÁRIO QUE UM MÊS ATRÁS, ONDE LEMBREI QUE JOSEPH STALIN TAMBÉM ERA UM "GRÃO MESTRE", RELEMBRO QUE MAO TSÉ TUNG TAMBÉM FOI UM "TIMONEIRO". DEU NO QUE DEU.

DELEGADO FIGUEIREDO - PORTO VELHO/ RO.
Enviado em: 3/2/2012 16:21:12  [IP: 187.53.61.***]
Responda a este comentário

Mais Notícias
Publicidade: