Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qua,   28/outubro/2020     
artigos

Coluna do Taborda: quando a vergonha vai-se embora

7/2/2012 19:27:49
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
VERGONHA PERDIDA

Às vezes imagino estar testemunhando um tempo em que os homens públicos desse enorme país deitado em berço esplêndido perderam de vez a vergonha. Sempre estou recebendo informações sobre novos tipos de malfeitos, antes inimagináveis, principalmente pelo fato de que “naqueles tempos” essas coisas ruborizariam definitivamente seus autores que, se pegos com as calças nas mãos, mudariam de cidade, não saíram às ruas, sentir-se-iam cobertos de vergonha perante a sociedade e seus parentes.

Já tinha ficado estarrecido em saber que alguns crentes aceitaram alegremente receber dinheiro público na Assembléia Legislativa sem ter de trabalhar ou, alguns casos, até de assinar a folha de ponto. E pegavam o dinheiro público dado como “cortesia” do “irmão” Valter – aquele deputado ainda foragido da Justiça – como uma dádiva caída dos céus, sem demonstrar nenhum pudor. Isso era fichinha diante de outros esquemas por onde o dinheiro do contribuinte se esvaiu em mordomias ilegais.


IMPRESSIONANTE

No auge da investigação da corrupção no DF, uma imagem correu o Brasil, mostrando a desfaçatez dos Ali Babás cristãos nesse período em que nunca se roubou tanto nesse país. Quem não se lembra dos ladrões do dinheiro do povo reunidos numa sala onde a propina era dividia, fazendo oração ao Senhor em agradecimento à fartura do dinheiro surrupiado numa espécie de mensalão que, como aconteceu, custou a prisão e o encerramento da carreira política do governador Arruda, de Brasília?

Aqui mesmo em Rondônia – um estado tão jovem – é fácil constatar que se perdeu a vergonha. Os últimos presidentes do Poder Legislativo atendiam a pedidos de certos gatunos (em troca de favores políticos, etc) como se estivessem fechando transações comerciais legítimas, dando dinheiro público a certos figurões acostumados a arrotar honorabilidade, ética, moral e até (pasmem!) santidade perante o que chamam de “rebanho do senhor”.


ABSURDO

A banalização do absurdo ultrapassou os atos que fizeram do legislativo, por um longo tempo, uma espécie de congregação fechada de uma das mais importantes seitas do estado. E tudo aconteceu sem nenhum questionamento, sem nenhuma restrição, como se legalmente no estado não fosse laico.

E como aparentemente quem chefiava a Casa podia qualquer coisa, cada um pegou uma parte do dinheiro público para pagar altos salários aos seus “ungidos” que receberam, claro, sem nenhum pudor. E engraçado é que essa prática deletéria acontecia até mesmo no momento em que um ex-dirigente daquela Poder arrotava sua decisão de reduzir as despesas, “devolvendo” dinheiro aos cofres públicos.


TURISMO

É frustrante saber como a falta de vergonha acontecia sem nenhuma restrição, sem nenhum temor de ter de prestar conta dessa falta de decoro e honestidade no trato do dinheiro do povo.

Há, por exemplo, a incrível história de concessão de passagens aéreas internacionais para “pastores”, em roteiros santos até mesmo por países exóticos. E, pelo visto, nada disso foi investigado, ninguém foi punido, ninguém devolveu o dinheiro surrupiado do erário.

Até hoje não há esperanças de maiores explicações sobre a concessão desse tipo de “presente” a um líder religioso em seu périplo por Angola, o país africano de língua portuguesa. Ninguém sabe direito se as torneiras serão definitivamente fechadas para evitar esses vazamentos nem se, a partir de agora, as investigações podem evoluir para responsabilizar quem andou garantindo essa grana pública para “ajudar” os “irmãos” ávidos de mordomias. E não me venham com essa conversa de que tudo isso acontecia por que “o irmão Valter” – e outros de seu naipe – gostavam de ajudar as pessoas, por que eram bonzinhos. Não, todos eles esperavam em troca os votos do rebanho...


CANDIDATOS

Coitada de Porto Velho: em pleno ano eleitoral e o que temos? Um partidão está forçando a barra para lançar um recém filiado na disputa, por que a sua maior credencial é ter um sobrenome (apelido) tradicional, de um cara que já foi prefeito da capital. A credencial de outro candidato foi a de ter ocupado importantes cargos públicos onde não fez nenhuma obra estruturante e definitiva para o estado, mesmo tendo atuado no Congresso e até ocupado a cadeira do governo em algumas oportunidades. Há um outro que sua principal credencial é a de apresentar um programa vaselina e estar sempre pronto a dar tapinhas nas costas do eleitorado...

Agora, falar desabridamente de coisas como transporte público, enchentes, trânsito, habitação, corrupção, dando o nome certo aos personagens que vivem enganando o povo, só tem um. E talvez esse único não saia na disputa desse ano...


FRASE

Li na internet, mais precisamente no Facebook, essa ferramenta cujo preço é de bilhões de dólares: “O PSDB leva no bolso; o DEM leva na meia; o PT leva na cueca; e o povo leva no mesmo lugar de sempre".


ESPERANÇAS
Uma molécula nova, que acaba de ser homologada na Itália, é a nova esperança na luta contra o Mal de Alzheimer. A molécula será a base de uma vacina capaz de provocar, espera-se, uma reação do organismo contra a doença. Não é nada para já, claro: são necessárias outras homologações (como a da FDA americana) e, cumprido esse processo, começam os testes, para só mais tarde se pensar em oferecer a vacina no mercado.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: