Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sáb,   31/outubro/2020     
artigos

Coluna do Taborda: tardou, mas aconteceu: Confúcio botou médico pra correr

11/04/2012 04:10
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
SURREALISMO

Demorou, mas aconteceu. O governador Confúcio Moura demitiu o médico Sérgio Paulo de Mello Mendes Filho, que comandou até semana passada o Hospital João Paulo II, um dos maiores da rede pública de medicina. É impressionante como homens Sérgio Paulo de Mello conseguem, com facilidade, se infiltrar no governo do filosófico Confúcio, assumindo cargos da mais alta importância e responsabilidade e que, pegos com a boca na botija, põem o governador numa sinuca de bico, a ponto de ver-se obrigado a afastá-los do cargo após um sofrimento de desgaste que poderia, claro, ter sido evitado.

No caso desse médico, o grau de surrealismo de sua irresponsabilidade certamente colocou não só o governo em risco e sim a própria imagem do estado. Foi sorte programas de televisão que se nutrem do deboche não terem (ainda) usado a história desse moço para mais uma depreciação sobre a classe dirigente do estado.

Afinal, em qual outro estado brasileiro houve algum membro do primeiro escalão do governo fazendo arruaças, promovendo cenas similares a de filmes pornô, tornando-se astro do Youtube e, mesmo assim, ainda resistir vários dias no cargo, como se tudo isso fosse tão normal como seu prazer de sair por ai procurando novas e surreais tatuagens???


DECADÊNCIA

O governo de um estado como o nosso tem obrigação de ser mais seletivo na escolha dos componentes de sua administração.

E muito mais na área de Saúde onde, nesse pouco tempo de gestão, registrou-se todo esse desenlace. Foi de lá que saiu Batista para a cadeia, ao cair na rede da Operação Termópilas.

A existência de personagens como esse médico cultor das tatuagens e responsável show que foi parar na internet, mostra a deterioração da política rondoniense. A falta de critérios mais rígidos no processo seletivo do governo Confúcio para escolher o time do primeiro e segundo escalões abre espaço para que o exotismo e as práticas deletérias se tornem parte da rotina administrativa.

O governador tirou um médico meio zureta do comando do JPII e colocou, no seu lugar, um milico da reserva. O governador tem uma queda para o militarismo. Mas isso não significa que agora, por ser de alta patente, o novo chefão vai dar conta do recado.


DELÍRIO

Tentar convencer os rondonienses de que “nunca se fez tanto esforço” para se industrializar o estado como hoje, é nada mais do que um delírio mental. Rondônia, graças aos seus dirigentes e à própria classe empresarial não quis ou não soube aproveitar os melhores momentos para conquistar indústrias que garantiriam o crescimento sustentado da economia local. A não ser que estejamos todos nós com a insanidade que levou muita gente a chamar o Miguel de Souza de industrial sem, incrível, nunca ter visto a sua “indústria”. E por falar nisso, você sabe onde fica a planta industrial desse homem que chegou a presidir por longo tempo a Fiero?


O TEMPO PASSA

Lembra do MDB, de Ulysses, Tancredo, Montoro, que conduziu a luta contra a ditadura? Pois o partido, hoje PMDB, acaba de completar 46 anos, com Sarney, Renan, Jader, Raupp. O jantar de comemoração foi presidido por Michel Temer.



CONTRAPONTO

A idéia de ter o deputado Jose Hermínio como candidato a prefeito de Porto Velho seria um contraponto e tanto na seara da ex-senadora Fátima Cleide. Principalmente se tiver – como andam falando nos bastidores – uma vice como Mariana Carvalho, do PSDB. Numa composição dessa qualidade, Hermínio teria o tempo suficiente de televisão para fazer uma campanha capaz de se tornar a vitoriosa.


PERCEPÇÃO BAIXA

Muito se falou na semana passada dos 77% de aprovação da presidente Dilma, na pesquisa CNI / IBOPE. Mas um dado importante passou em branco pela imprensa. Na mesma pesquisa apenas 5% dos entrevistados citaram a corrupção como um dos problemas do governo. O curioso é que na pesquisa CNI / IBOPE feita em dezembro do ano passado, a corrupção era citada por 28%. De janeiro para cá, em apenas três meses, houve então uma mudança radical na percepção dos brasileiros sobre a corrupção no governo. Deve ser um dos índices mais baixos do mundo. Alguma coisa está errada, mas isso mostra como é difícil mobilizar o povo para lutar contra a corrupção. Também explica parte do crescimento da aprovação da presidente Dilma em relação a dezembro do ano passado.


CORRUPÇÃO NA SAUDE

O conselheiro federal do Cremero e diretor-tesoureiro do CFM, Hiran Gallo, visitou o procurador geral da Justiça, Heverton Alves de Aguiar para reclamar mais uma vez da prática de corrupção na Saúde rondoniense. “ Infelizmente, entra governo sai governo e ninguém adota uma postura de afastar a corrupção da Saúde e oferecer tratamento minimamente digno à nossa população”, desabafou.

Mesmo frustrado, Hiram voltou a pedir ao Ministério Público um combate ainda mais intenso, no estilo da “Operação Termópilas”. O líder médico acrescentou que nutria certa esperança de que com a eleição de um médico como governador a situação iria melhorar. Mas, disse, não foi isso o que aconteceu.


FILA DE CORRUPTOS
Hiram chegou a ser cotado como Secretário de Estado da Saúde no início do governo de Confúcio. Consta que declinou da convocação. E hoje, na sua opinião, há um número alto de corruptos atuando nesse segmento. “Estou impressionado com a força que o mal tem para se regenerar. Mesmo com as prisões que já ocorreram e o tanto de gente que vai passar anos com problemas na Justiça, o que vemos é que tem um fila de corruptos esperando para avançar sobre os recursos da saúde, em detrimento da população pobre e sofrida que amarga o chão dos corredores dos hospitais públicos. E isso, não podemos aceitar”, acentuou.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: