Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  seg,   6/abril/2020     
artigos

Coluna do Taborda: 10 de agosto, meu dia

10/8/2012 07:44:05
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
MEU DIA

Bem que deveria falar hoje sobre a Expo Peru, que se realiza em Porto Velho. Participei ontem da cerimônia oficial de abertura da mostra, onde Luiz Tourinho, líder do mais antigo jornal dessas paragens, o Alto Madeira, foi homenageado pela sua luta de muitos anos na transformação do sonho da Rodovia do Pacífico, numa realidade e hoje está ai como principal instrumento de integração dessa região brasileira com aquele país do Pacífico. Uma homenagem mais que merecida.

Mas, caros leitores, hoje, 10 de agosto, é o meu dia. E nesse avanço inexorável pelas vias sexagenárias, ir a eventos dessa natureza, me ajuda a constatar que o meu mês não é assim tão sinistro como acreditam alguns, especialmente aqueles que nasceram em outras quadras.

Afinal no dia de ontem, mesmo com o bicho pegando, lá estavam lideranças de dois países mostrando mais uma vez a possibilidade de um novo momento de desenvolvimento social e econômico para a nossa terra, antes de sentirmos os reflexos do estouro da bolha nascida do investimento miliardário das hidrelétricas do Madeira.

Então agosto está ai e ninguém sente a corda no pescoço. Afinal, as hidrelétricas estão no fim, as compensações também, falta a ponte na BR364 (na Ponta do Abunã), mas nem assim acabou-se o que era doce.


É SÓ FAMA

Essa sinistrose imaginada contra o mês de agosto não passa de uma fama injusta. Muita coisa boa (para o mundo até) andou acontecendo em agosto. E a realização desse evento internacional em nossa querida Porto Velho mostra que – pelo menos nesse ano – estamos tendo o nosso saco castanhas torradas, contrapondo-se a todas as previsões de desditas.

Este ano teremos eleição. E será agora, no dia 21, que começará na televisão o desfile daqueles “doidos" para assumir a prefeitura, esperando garantindo que consertarão todas as burrices cometidas contra nossa população pela administração (???) que fez água.

Também é nesse meu mês de agosto que toda a artilharia pesada está sendo lançada para resolver de vez a batalha do mensalão. Se o contra-ataque dos defensores dos mensaleiros funcionar, acabaremos todos nós, meros mortais, descobrindo que tudo não passou de uma ilusão coletiva contra aqueles santos homens cercaram o governo Lula e o próprio PT.


AUSÊNCIAS

Não foram vistos no evento que marcou o lançamento da ExpoPeru o presidente da Assembléia (aliás, nenhum outro deputado estadual), deputado José Hermínio; o prefeito da capital, Roberto (Deus que nos livre) Sobrinho e nenhum representante do legislativo municipal. Também não se viu por lá o senador Ivo Cassol e nem seu colega Gurgacz, dono de um império econômico com destaque no setor de transporte.

Mas lá estavam, ruidosamente presentes, o senador (sem votos) Tomas Correia; o titular de sua cadeira, senador Valdir Raupp, o deputado Nilton Capixaba (sem nenhuma demonstração de que sua participação no escândalo das ambulâncias ainda afeta sua vida pública); a Marinha Raupp e até o candidato a vice-prefeito na chapa do PT, Miguel de Souza. Deve ter deixado a campanha de lado porque o momento é mais ou menos do tipo “se correr o bicho pega” e “se ficar o bicho come”.



POLITICA DE HOJE

No tempo da ditadura militar havia o bipartidarismo: Arena x MDB. Depois com a abertura vieram novos partidos, hoje já são 30 legalizados e mais uns seis em processo de criação. Mas nos últimos anos o que vem crescendo são as confrarias de negócios entre políticos de quase todas as siglas. Tem a Turma do Mensalão, a Turma do Cachoeira, a Gangue do Dominó (descoberta na Operação Dominó, e até agora impune, a Quadrilha do Irmão Valter e outros agrupamentos menos famosos. É bom que se diga que em certas ocasiões esses grupos estão juntos e misturados. Essa é a política brasileira. Em Rondônia então a situação é mais grave. A impunidade gera isso. Para mudar um bom começo seria a condenação da Turma pega na Operação Dominó e, se der, da turma do mensalão.


PRESO PREMIADO

No Brasil tem bolsa pra tudo. Até Bolsa-Preso para as famílias dos condenados. Em compensação as famílias das vítimas ficam na rua da amargura. Se um criminoso mata uma pessoa e vai preso, sua família recebe ajuda. Já os filhos que viram o pai ser assassinado que se virem sem a ajuda do Estado. Vejam vocês que o governo federal já gasta com o Bolsa-Preso o mesmo do que com as instituições de educação básica, segundo dados do site Contas Abertas. Vai entender um negócio desses!


ATO CÍVICO

O ato Cívico pela Ética na Política e Contra a Corrupção começa a partir das 18 horas desta sexta-feira, no auditório da OAB Rondônia, à rua Paulo Leal, 1.300. Para contribuir com a Justiça Eleitoral e com a Polícia Federal no trabalho de combate a compra de votos e outros tipos de corrupção eleitoral, a OAB Rondônia vai disponibilizar um telefone 0800 para que a população possa denunciar os atos de corrupção durante a campanha eleitoral.


ASSANHAMENTO

Picado pela mosca azul (afinal, gente muita rica tem dessas coisas), o milionário comerciante da DC, ainda não compreendeu que até agora, sua competência política não passa de uma farsa. Aliás, ele não compreendeu que seu “tutor” político é especializado em criar esse tipo de coisa. No caso do miliardário, são duas farsas. O vice também, em termos políticos, não agrega nada. E mesmo assim, dizem, aquele que tem como principal qualificação no currículum a riqueza desvairada, já sonha com 2014, quando pensa em brincar na corrida para o Senado.
Pode ser que esse assanhamento acabe quando o personagem sentar-se à janela como mero assistente do 2º turno.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: