Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  ter,   25/fevereiro/2020     
artigos

Uma verdadeira tortura

20/10/2012 03:46
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
MUITO RUIM

O primeiro debate dos candidatos que disputam o segundo turno das eleições de Porto Velho foi um evento sem a menor importância e pior do que os debates do primeiro turno. Na verdade o evento promovido pela Rede TV a rigor não foi nem debate e nem embate. E não foi apenas as dificuldades dos dois candidatos de exporem de forma clara, direta e concisa suas “idéias” (??) no bom português que contribuiu para a baixíssima qualidade do torturante programa.
Mais uma vez ficou exposta a falta de profissionalismo na imprensa televisiva local: o “mediador” conseguiu, num debate de dois candidatos (ops!) manter o ritual do sorteio entre candidatos. Parece mentira, mas juro que vi essa coisa digna do febeapá...

CLICHÊS

Os dois candidatos não chegaram a nenhuma discussão acalorada. Também, pudera: os assuntos não saíram dos velhos clichês em que um e outro candidato procurou se mostrar como campeão de emendas extra-orçamentárias para aplicação da na cidade de Porto Velho.
Mauro não perdeu uma oportunidade para vangloriar-se de quem em 20 anos de vida pública nunca foi pego com a boca na botija e por isso – é o que parece – sente-se um pouco como santo.
Garçom também fez questão de dizer que depois de dois mandatos de prefeito, um de vereador, e dois de deputado federal, também é ficha limpa e a sua própria candidatura é a prova maior disso.

O EXEMPLO

A coisa ficou no blábláblá e nas promessas. Todos os entraves de Porto Velho nas últimas décadas serão resolvidos. Mauro, claro, não tem a menor experiência como gestor público. Mas parece estar convencido de que mesmo assim terá condições de cuidar das coisas do município muito melhor do que de suas próprias coisas. Afinal, sua “clínica” no Bairro Tupi não algo que possa ser apresentado como um exemplo de coisa bem cuidada.
Ele soube explorar bem sua superioridade acadêmica sobre seu oponente. E nem por isso Lindomar Garçom partiu para o ataque, perguntando sobre a o débito fiscal de longos anos com o IPTU da cidade que imagina governar. Certamente Mauro ficaria indignado, mas Garçom não quis por o oponente a nocaute, como explicou: “Não pretendo falar aqui nem mesmo sobre seus irmãos...”

LERO-LERO

No bate-boca da fraquíssima Rede TV, os dois candidatos ficaram na planície de temas como a falta de água tratada na cidade, o lixo, os buracos, a situação da saúde, etc.
Temas como o Orçamento Municipal, obras antienchentes, educação, saneamento básico, segurança, transporte coletivo e mobilidade urbana dominaram as discussões, tratados, especialmente por Mauro, como uma certa dose de ironia, para ferir o concorrente. Mauro chegou a prometer uma “Polícia Comunitária”, invenção que ninguém sabe e ninguém viu.

O debate foi uma espécie de reprise, com os mesmos argumentos e questionamentos de ambos, tanto na comparação com o primeiro turno quanto ao horário eleitoral gratuito. As promessas e os ataques não foram diferentes daqueles que a população já está ouvindo há algum tempo.

POVÃO

Penso que o tal debate não teve um vencedor. Herói foi o telespectador que conseguiu ficar todo o tempo de sua duração sem mudar de canal. Como o povão não se emocionou com o desempenho dos dois oponentes, certamente o eleitorado no primeiro turno de Lindomar, não retrocedeu.
A tática de Mauro Nazif foi a de diminuir o candidato do PV, Lindomar Garçom. E para minorar o aspecto arrogante, o candidato do PSB frisava constantemente que tinha “muito respeito” por seu oponente. Garçom não entrou no jogo de Mauro e soube usar bem sua condição de mais votado no primeiro turno, procurando aumentar seu poder de sedução sobre eleitores que não votaram nem nele e muito menos em Mauro no primeiro turno.

MELHORES CHANCES

Há uma realidade visível na campanha dos candidatos a prefeito de Porto Velho. Lindomar Garçom obteve a maior votação do primeiro turno merecidamente. Ele foi, até agora, quem melhor interpretou o sentimento das ruas. E para isso fez uma campanha modesta, sem apadrinhamentos, sem a participação de grandes grupos, etc.
Lindomar Garçom deixa claro sua capacidade de continuar sensibilizando grande parte da população. É isso que faz dele um político acostumado a colecionar vitórias nos embates mais duros. O efeito desses “debates” na caminhada vitoriosa de Lindomar são desprezíveis. Na rua é fácil constatar que Mauro não conseguiu emocionar a população, pelo menos para conseguir superar os 17 mil votos de diferença com Garçom no primeiro turno.
Se Lindomar tivesse de enfrentar nesse segundo turno Mariana Carvalho, certamente teria mais dificuldades de assegurar um resultado vitorioso. Dessa vez deverá vencer o candidato que demonstrar mais sensibilidade social.

POSICIONAMENTO

Neste sábado, 20, a partir das 10h, a vereadora Mariana Carvalho, que ficou em terceiro lugar nessas eleições municipais, vai anunciar o posicionamento dela e do seu partido, o PSDB, neste segundo turno. O pronunciamento da tucana e de dirigentes da legenda será feito na sede do PSDB, localizada na esquina das ruas Brasília com Amazonas.


GENOCÍDIO

Na semana passada, o líder do PV, deputado Sarney Filho, do Maranhão, alertou o ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, sobre o risco de suicídio coletivo dos índios de etnia Guarani-Kaiowá acampados na Fazenda Cambará, à margem do rio Hovy, no Mato Grosso do Sul. E também levou o caso ao conhecimento do ministro Ayres Britto, do Supremo, pedindo seu apoio para evitar uma tragédia.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: