Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qui,   17/outubro/2019     
artigos

O abalo de Garçon e a segurança de Nazif

28/10/2012 04:05:29
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

SEM DESTAQUE

A queda repentina nas pesquisas parece ter abalado o candidato Lindomar Garçom, que acabou não conseguindo se destacar no último debate televisivo da campanha, realizado na noite de sexta-feira pela TV Rondônia, a transmissora da Globo. Foi, como se previa, mais um debate frio.
Garçom tinha que aproveitar as oportunidades para aquecer o confronto nos blocos em que os candidatos fizeram perguntas entre si. Não aconteceu. Destacou-se a imagem de um Lindomar Garçom atabalhoado, sem firmeza na exposição das idéias, café pequeno para o experiente Mauro Nazif que, nesse último debate nem precisou usar a munição utilizada no debate da TV Candelária, onde o grau de polemização entre os dois adversários chegou a um nível nunca visto numa disputa majoritária no estado.

NAZIF SEGURO

Quem assistiu o último debate da campanha certamente constatou um Mauro Nazif mais seguro, num desempenho sereno, muito próximo daquilo que se espera de alguém com perfil para administrar uma cidade da importância de Porto Velho. Se para Lindomar Garçom o debate funcionou como a pá de cal para seu antigo sonho de chegar à prefeitura de Porto Velho e, de lá, ao governo do estado; para Mauro o resultado do debate foi mais produtivo.
Até antes desse debate, a impressão que se tinha era que a cidade estava rachada ao meio num clima que tinha pegado fogo, a partir do confronto dos dois na retransmissora da TV Record.

A SENSAÇÃO

Política é assim mesmo: quem erra menos tem mais chance. Por isso, a grande sensação da campanha não chegou no segundo turno. Isso mesmo: Lindomar liderou de ponta a ponta o primeiro turno, mas não era a sensação da campanha, como foi a (ainda) vereadora Mariana Carvalho.
O capital político do ex-prefeito de Candeias do Jamari é o seu show mambembe na TV, onde se firmou muito mais como simpático apresentador do que como político que carrega estandartes importantes.
A falta de uma orientação profissional levou Lindomar aos tropeços do segundo turno, com tombos visíveis, sem a correção e a reação necessária para recuperar-se na reta final.

CACIQUISMO

A impressão que se tem é que mais uma vez o caciquismo venceu, dando o tom da disputa. Mauro Nazif, certamente muito bem orientado pelos coordenadores de sua campanha, tratou de apagar, rapidamente, a imagem ruim que ficou do bate-bocas da Candelária e deixou de lado, já no debate do SBT, a tática da lavagem de roupa suja em público.
Do lado de Garçom faltou alguém para orientá-lo a tirar proveito daquela situação, fortalecendo a imagem de que era uma coitada de uma vítima, exatamente por sua raiz povão.
É claro que os caciques por trás das campanhas tentarão de todos os modos não apenas recuperar os investimentos feitos, mas garantir pelas vias nada republicanas, a maior e melhor parte do bolo. Queira Deus que Nazif – político sem nenhuma experiência Executiva – resista à rapinagem ao seu redor, para o bem de toda a cidadania de Porto Velho.

PREVISÃO

Ainda antes da formação das alianças partidárias para a disputa desse ano já tinha previsto as dificuldades existentes entre Lindomar e a prefeitura. E fiz essas colocações quando o próprio Lindomar – acompanhado de sua mulher – esteve em minha casa para tratar do assunto.
Disse que ele deveria participar do pleito na condição de candidato a vereador (quando seria eleito com uma votação extraordinária) ou então como vice de uma chapa forte. Garçom é um sujeito bom de voto mas não inspira confiança naqueles que fazem o financiamento das campanhas, naqueles com visão suficiente para a montagem das táticas e das estratégias.
Mesmo assim, por ter chegado aonde chegou numa cidade que olha de soslaio quem não tem o lustro aristocrático, Lindomar pode se dar por satisfeito. Conseguiu, com essa participação, cacife para a disputa de 2014, desde que não pretenda voar à estratosfera.

MILAGRE

A coluna foi escrita na manhã do sábado. O resultado das eleições será conhecido hoje, domingo. Em política não há verdade definitiva e sempre se pode provar o contrário. Mas pelo visto só um milagre, um enorme milagre, salva Lindomar da derrota. Ele mesmo deve ter percebido isso. Nas suas considerações finais o próprio Garçom falou de seu apelo às orações...

MEDITAÇÃO

'Teme ao SENHOR, filho meu, e ao rei, e não te ponhas com os que buscam mudanças'. (Provérbios 24:21)

CABEÇAS

Com tantas arapucas armadas no governo, por gente, do próprio governo, não custa pergunta: quando Confúcio Moura vai pôr cabeças para rolar? Enquanto o governador não tratar de fazer política maiúscula, quem continuará pagando o pato é a população.
Como um secretário de Saúde pode permanecer no cargo depois das patacoadas da “Falência do Estado”. Ora, dizer que foi mal interpretado é como afirmar ser incapaz de se expressar bem no vernáculo pátrio, ou seja, é conversa para boi dormir.
Do jeito que está não resta ao deputado José Hermínio e seus colegas de parlamento outra coisa senão assinar a CPI da Saúde, pois a saúde pública está às moscas, sem médicos e sem remédios...

VIRA-CASACA

Já começou uma nova aposta na cidade: quem será o primeiro vira-casaca do PV, quando for proclamada a derrota do candidato do partido?




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: