Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sáb,   4/julho/2020     
artigos

A Prefeitura e a rasgação de dinheiro público para colocar problemas reais debaixo do tapete

23/04/2013 13:08:45
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
COISAS INÓQUAS

Numa cidade onde falta tudo é há um desafio constante à administração municipal em cada esquina, o prefeito ainda mantém o mesmo formato inchado da gestão passada, assegurando a sobrevivência de penduricalhos sem qualquer importância, mas que servem de cabide de emprego para atender apaniguados, cabos eleitorais e cupinchas de toda sorte. Uma cidade com tantas carências concretas se dá ao luxo de manter a tal Coordenadoria de Mulheres (criada na gestão anterior para dar um bom emprego e visibilidade à mulher do então “companheiro” Valverde. E aí, tome porre de factóides como a realização de convescotes como o tal “Seminário Pelo Fim da Cultura de Violência contra Mulheres”, como se isso fosse um problema prioritário nessa cidade.


TRUQUE DE MADAME

A violência em Porto Velho é generalizada e não atinge apenas as mulheres. A violência doméstica não será reduzida com seminários. Só a recuperação de valores domiciliares tradicionais poderia modificar o quadro de decadência social, moral e ética de hoje. A prefeitura atenderia muito melhor a todos se parasse de gastar recursos e energias com esse blábláblá inócuo e se preocupasse com as questões práticas para melhorar a qualidade de vida da população. Essas manobras são puro escapismo para deixar debaixo do tapete nossos principais problemas, como a falta de geração de empregos; o saneamento básico, área de lazer (dignas desse nome); educação de qualidade e vai por aí afora. Esse papo todo desse “seminário” estéril não passa de mais truque de madame voltado aos néscios.


DE CANHOTA

Não dá para saber se é uma orientação vinda diretamente do prefeito Mauro ou se é uma tática de alguém do médio-clero da prefeitura a manutenção da fábrica de factóides iniciada na época do prefeito Bob Ali-Babá. A caixa postal dos jornalistas rondonienses é inundada com coisas desse tipo: “A prefeitura tem mantido relações de parceria com o governo do estado” para um “sistema prático e eficaz de acolhimento e tratamento de drogados”.

Se até hoje o estado não consegue ter uma unidade decente para tratamento psiquiátrico, chegando ao cúmulo de manter os pacientes com problemas dessa ordem acorrentados aos leitos, como acreditar que há nessa conversa de parceria da prefeitura com o estado para recuperar drogados algo de verdade, de compromisso sério.

Em Porto Velho, as autoridades públicas (do município e do estado) não enxergam nem mesmo os “drogados” jogados nas ruas centrais ou em muquifos próximos. Aliás, não é preciso ir muito longe para ver esse espetáculo da decadência humana.


ELE VIRÁ

Uma boa fonte garantiu que o presidente nacional do PT, Rui Falcão, virá a Rondônia brevemente para exortar seus “companheiros” a fazer algo prática no sentido de resgatar as possibilidades eleitorais do PT no estado, expelindo de sua cúpula aqueles companheiros ligados aos processos que comprometem a credibilidade do partido e sua interação do com o povo. Em outras palavras, o presidente do PT nacional estaria preocupado com o tamanho do estrago promovido pelo ex-prefeito rondoniense. Falcão tem ligado para importantes lideranças rondonienses no sentido de que voltem ao partido com garantias de candidaturas majoritárias no próximo ano. Quem foi contatado permanece reticente.


DIA IMPORTANTE

No próximo dia 25, as 14h30, na Suprema Corte em Brasília, acontecerá uma audiência conciliatória sobre a tal dívida do Beron, esse verdadeiro dragão da maldade que nasceu no governo do peemedebista Valdir Raupp e, cada dia mais, vai sugando de forma inexorável o tesouro estadual.

Nessa história de terror usada tantas vezes pela demagogia de candidatos ao senado e ao governo, nem mesmo um de seus principais personagens, Valdir Raupp, mostrou-se capaz de defender os legítimos interesses do povo rondoniense que – em nenhum momento – pode ser responsabilizado por essa tragédia, embora seja o povo quem vem pagando a conta.


AÇÃO DE HERMÍNIO

O deputado José Hermínio, presidente da Assembléia, não ficou apenas no ato de condenar essa herança maldita herança deixada dos tempos em que Raupp foi o governador. Foi em reconhecimento à coragem do deputado que costuma falar sobre aquilo que acredita que o Ministro Ricardo Lewandowski, convocou a audiência de conciliação de depois de amanhã.

A tal audiência pode até não dar em nada. Dificilmente a União vai abrir mão dessa sangria contra Rondônia, principalmente porque nossos principais representantes em Brasília adotaram essa conversa “do politicamente correto” e não souberam fazer valer nossa força em momentos propícios, como a negociação para liberar o complexo energético do Madeira.

Hermínio, o que fala o que pensa e com isso sem se preocupar em agradar quem quer que seja, acabou acertando e por isso conseguiu sensibilizar Lewandowski, garantindo a tal audiência. Quem sabe a partir dessa audiência nossos senadores e deputados sejam mais ousados em defender os grandes interesses do estado.


ELE CONTINUA LIVRE

Muito esquisito. Bom, esse colunista não entende bulhufas sobre essa conversa de suspeição sobre o julgador de qualquer tipo de processo. E por isso não tem nenhuma opinião se o resultado da decisão dos desembargadores mantendo solto o ex-prefeito está correta ou não. Esse colunista mais uma vez constata que bate-boca não resolve questão nenhuma. E continua achando um acinte contra um povo que vê todos os dias – principalmente passando perto da rua da Beira ou cruzado o tal Trevo do Roque – o estrago provocado por esse personagem do conto “Ali-Babá e os 40 Ladrões”, a tal figura livre, leve e solta (pensando numa nova disputa eleitoral) quando deveria – para o pensamento leigo do povão – passar uma temporada na cadeia. Quem mandou o leitor não ter, também, vocação para servir o público como ocorreu nesses oito anos nefandos...


HOJE

Dando continuidade aos convescotes em torno do tal Plano de Mobilidade Urbana, no qual o governo federal vai gastar 90 milhões em Porto Velho, acontece hoje no auditório do Ministério Público do estado. Boa oportunidade para perguntar quando a prefeitura vai usar tinta reflexiva na sinalização de solo (parando de pintar faixas e lombadas com látex) e critérios científicos para instalação de semáforos. Podem até não responder, mas é uma oportunidade para o desabafo do cidadão-contribuinte-eleitor.


PERGUNTA
Perguntar não ofende. Quem facilitou o acesso do suicida à torre de telefonia móvel? O inquérito vai apurar essas responsabilidades?



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: