Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sáb,   4/julho/2020     
artigos

PDT põe de lado aliança com Confúcio e pode lançar candidato próprio em 2014

27/04/2013 17:29:31
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

CANDIDATURA PRÓPRIA

Como diria Brizola, fundador do partido, o PDT está costeando o alambrado do governador Confúcio Moura. O partido sinaliza que pode lançar candidatura própria ao governo de Rondônia, esquecendo a aliança feita no passado com o PMDB, quando Airton Gurgacz acabou se tornando vice-governador e mantém, ainda, o Detran como seu feudo na atual gestão. Contaram-me que na corte confuciana são comuns os impropérios sobre o grupo da cobra, tido como traidores. Um aviso teria circulado sobre uma provável mudança no comando da autarquia que cuida do trânsito se o pessoal do PDT insistir em lançar candidato próprio para o ano de 2014.



BOA VIDA

Condenado a muitos anos de prisão (passando longos anos como foragido) por corrupção ativa, formação de quadrilha e “otras cositas mas”, Mário Calixto continua sendo prestigiado nos mais importantes recantos do poder rondoniense, de onde saem as maiores verbas de publicidade para seu desgastado jornal. E graças a esse prestígio ele vai levando a boa vida, longe do xilindró do “Pandinha”, instalado numa cobertura vip de um importante dono de hospital (e também seu colega de partido), de onde comanda suas atividades de sempre, saindo inclusive para encontros mais picantes sem ser incomodado. Como “todos são iguais” perante a lei; Mário apenas parece ser “mais igual” que os outros condenados e que não têm essa boa vida toda.



É RUIM

Esse é mesmo um país de Macunaíma. Passo dos meus sessenta e poucos anos assistindo esse clima de disputa entre poderes. O clima de beligerância entre o Congresso e o Supremo Tribunal Federal não é bom para a Democracia. Torço para que haja discernimento e sabedoria por parte de todos. Não apenas a independência, mas a harmonia entre os poderes têm que ser preservadas e colocadas à frente de tudo. Assim como em Brasília, infelizmente aqui também em Rondônia tem gente torcendo por um confronto cada vez maior contra o Poder Legislativo, presidido por um político autêntico e sem medo de exercer seu direito de Oposição.



BANCO DOS RÉUS

Sem qualquer esperança nos recursos que o STF vai apreciar sobre o julgamento do Mensalão, Marcos Valério é um homem que se sente abandonado pelo PT. Está na situação de que não tem mais nada a perder, afinal foi condenado a 40 anos, fora outra condenação por sonegação em Minas Gerais, e ainda responde a outros processos. Já confirmou que se encontrou pessoalmente com Lula, e que pagava suas contas pessoais com dinheiro do Mensalão. O advogado Márcio Thomaz Bastos já acompanha o caso de Lula, que na opinião de alguns juristas vai acabar sentando no banco dos réus.



CAVALO DE TRÓIA

O requerimento do deputado Kaká Mendonça para a concessão do título de cidadão do Estado de Rondônia ao Promotor de Justiça Marcos Ranulfo Ferreira não é, como se comentou na tarde de ontem num hall de importante instituição pública, uma espécie de “Cavalo de Tróia”. A entrega do título certamente não faz parte das artimanhas do parlamentar no sentido de fugir ao rigor da condenação a ele imposta pelo Judiciário. Certamente o dr. Marcos Ranulfo Ferreira, pela função exercida em favor do povo (como destacou o próprio Kaká), não compactua com a impunidade e nem acredita que o no Brasil o crime compensa.



PARAR DE QUEIMAR

O governo brasileiro só agora se preocupa em criar leis para proteger a terra das agressões do homem. O equilíbrio ecológico é uma linha frágil e tudo ocorre em cadeia. Não é fácil recuperar o equilíbrio da natureza. Pensamos que somente a educação pode levar o bicho homem a parar de consumir e destruir de maneira tão agressora. Nós erramos e nós temos de aprender a parar de consumir e queimar. É uma longa luta.



MOCORONGOS

Esse conversa em torno do Plano de Mobilidade Urbana para a capital rondoniense ao custo de 90 milhões não levará a nada se, de pronto, não der solução a uma questão de agora. O principal problema do trânsito portovelhense são os “mocorongos” e as lesmas que congestionam as ruas e que perderam a noção do que é via preferencial e via secundária. Isso “legaliza” as conversões feitas em locais impróprios, até com sinalização de faixa dupla. Outro problema é que as autoescolas só ensinam a tirar a carteira, mas não mostram realmente como dirigir corretamente. Esperar que os motoristas tenham bom senso e capacidade de observação para que o trânsito flua melhor é querer muito em nossa republiqueta simiesca e bananesca.



DÍVIDA MALDITA

Há mesmo uma esperança de solução para a dívida do Beron, um verdadeiro “engasgo” para a economia rondoniense. Inventada no governo de Valdir Raupp, quando aconteceu a extinção do Banco do Estado de Rondônia, essa dívida vem sendo utilizada como tema eleitoral em todas as disputas posteriores àquele período sombrio vivido pelo estado sob o governo do PMDB.



EXTINÇÃO

Foi Hermínio quem sensibilizou ministros do Supremo Tribunal Federal a levar o Caso Beron, para a Câmara de Conciliação e Arbitragem Federal, onde o assunto será tratado no dia 30 de maio.

“A população de Rondônia não pode ser penalizada por falcatruas de políticos, por improbidade, negligência, imperícia e incompetência de funcionários federais que atuaram como interventores do Beron”, disse o parlamentar a ministros do STF.

O presidente da Assembléia advoga a extinção da dívida maldita, lembrando que “muitos empresários e políticos que hoje estão caladinhos diante dessa dívida monstruosa que o povo está pagando, fizeram suas fortunas com o dinheiro roubado do Beron”.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: