Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sáb,   4/julho/2020     
artigos

Sensação de impunidade à vista: ainda vai custar muito para que os mensaleiros estejam atrás das grades

06/05/2013 14:59:54
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
DESEJO IMPOSSÍVEL

Vi na TV, sexta-feira, uma nova entrevista do ministro Joaquim Barbosa, sobre as manobras dos advogados de defesa de mensaleiros buscando, mais uma vez, realizar o desejo de impunidade desses quadrilheiros. Nas defesas, os réus pedem redução de penas ou mesmo a absolvição, e insiste na saída do presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, da relatoria do processo. Além dos embargos declaratórios, os condenados poderão apresentar posteriormente outro tipo de recurso, chamado de embargo infringente, que, segundo o Regimento Interno do STF, pode ser usado quando existem ao menos quatro votos pela absolvição do acusado. Apenas depois que todos os recursos forem analisados e julgados, é que os condenados começarão a cumprir suas penas.


PACIÊNCIA E FÉ

O que os mensaleiros desejam é esticar o máximo o tempo para começar o cumprimento das penas. Se ficarem muito tempo, ainda, em liberdade, aumentará a sensação de impunidade tão conhecida pelos brasileiros para os crimes do colarinho branco, de políticos ladrões do dinheiro público.

Ouvidos sobre o assunto, advogados disseram à coluna que dificilmente esta tática alterará de maneira significativa o julgamento. Com ou sem Barbosa na relatoria, será impossível reverter os mais de 4 meses de análises e discussões no STF, e negar os votos dos demais ministros que condenaram os envolvidos no mensalão. Não é fácil, mas é preciso ter paciência e confiança na Justiça para o fim desse último capítulo que possivelmente não decepcionará o povo brasileiro.


FERIDAS ABERTAS

Quem vê o acampamento dos despejados do Jardim Santana em frente ao gabinete do prefeito Mauro Nazif acaba admitindo que verdadeiramente o ex-prefeito Roberto Sobrinho foi uma merda completa, e que nunca esteve atento à realidade vigente ao histórico de ocupação desordenada do solo de Porto Velho, que vive há anos a exaltação dos conflitos de interesse sobre a propriedade da terra.

O ex-prefeito fez uma enorme propaganda sobre a documentação de lotes urbanos, batendo na tecla de que estava resolvendo os problemas de ocupação da terra na cidade. Mentiu descaradamente. O que verdadeiramente disparou na gestão passada foi especulação imobiliária pura.

A presença daquele acampamento entre a Catedral e a Prefeitura é um alerta para a cidade sobre a ferida difícil de fechar na vida das famílias despejadas.


SÓ PROMESSAS

Até agora da parte do prefeito só existem promessas de solução para o problema dos sem tetos da cidade. A maioria dos acampados em frente a prefeitura esperam um outra visão de cidade na gestão do PSB. Mas as promessas de solução do problema não fogem muito do receituário do antigo prefeito.

A idéia é promover novas parcerias com o Programa Minha Casa Minha Vida que, como se viu, não engrenou muito bem na (suposta) administração do “prefeito Ali Babá”.


FAVELAS

Como o prefeito não acredita na existência de favelas (foi o que enfaticamente colocou na vitoriosa campanha) então não deve fazer nada para urbanizar esses espaços. Até agora, mesmo tendo a visão deprimente proporcionada todos os dias diante de seu gabinete pelos “despejados”, o prefeito não anunciou nada em termos de requalificação do uso de áreas urbanas para fins habitacionais.

A determinação dos despejados em manter o acampamento em frente a prefeitura dá a exata dimensão de que os sem-tetos estão determinados a continuar a luta para conseguir moradia. É possível que mais gente se una ao movimento, vislumbrando um novo tratamento da questão da moradia na cidade. Afinal, quem é obrigado a pagar aluguel para morar também é sem teto.


SEM ACONTECER

Todos concordam com a urgência de uma reforma eleitoral, mas ninguém fala nessa aberração, só em financiamento público, lista fechada, voto distrital, o que for mais vantajoso para o partido que propõe, e assim não se faz reforma alguma.


JUIZA DE CORAGEM

Merece parabéns e reconhecimento público a Juíza da 1ª Vara de Execuções e Contravenções Penais, Sandra Aparecida Silvestre de Frias Torres, ao tomar decisão de colocar um ponto final na jogada de agentes públicos, que permitiu a transferência do presidiário Mário Calixto para instalações de luxo do Hospital Prontocor. Segundo consta Calixto já estava tendo regalias no próprio Urso Panda, mas essa jogada de mantê-lo cumprindo pena no Prontocor é uma vergonha. A dra. Sandra está enfrentando um time poderoso, mas parece determinada a mostrar ao apenado sua verdadeira condição de presidiário. Certamente o milionário golpista fará tudo para não ir escapar de “internação” na rede pública.


QUE NEM CASSOL
Confúcio tem uma cara beatificada, bem diferente de Cassol. Mas copia bem o escapismo do ex-governador quando trata de tirar o seu da reta. Numa entrevista sobre as pesadas acusações feitas pelo deputado José Hermínio contra seu cunhado Francisco de Assis que, na opinião do deputado, é um “lua preta” na gestão do filosófico governador, Confúcio saiu-se à Cassol com sua tradicional justificativa: “Que cada um responda pelo seu CPF”, disse numa entrevista à TV.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: