Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  dom,   13/outubro/2019     
artigos

Partidos se transformaram em instrumentos de donos de grandes negócios

29/09/2013 12:32:09
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

CRITÉRIOS PROGRAMÁTICOS

Perguntaram-me se nas eleições vindouras meu voto será influenciado pelo partido ou pelo candidato. Bem gostaria de dizer que minha escolha iria levar em conta o partido. Mas, mesmo prá um eleitor das antigas (como é o meu caso) não existe mais a democracia dos partidos. Aliás, num país com as várias dezenas de siglas partidárias não dá mesmo para imaginar mobilizações eleitorais pelos critérios programáticos.

Partidos políticos no Brasil de hoje são – a meu ver – são instrumentos com donos, muitos dos quais nem pretendem submeter-se ao rigor do voto popular. Há entre esses “donos” quem apenas busca se fazer presente na mesa de negociação para proveito próprio ou de pequenos grupos.

Isso significa – salvo melhor juízo – as siglas partidárias (mesmo os grandes partidos) projetam a personalidade de seu líder principal.



PERSONALISMO

Com o sistema partidário atual, em se tratando de ideologia política, as siglas se tornaram irrelevantes. Como não há grandes diferenças entre eles, os partidos perderam (e ainda estão perdendo) a importância como meio de mobilização popular, pois não canalizam mais os interesses dos cidadãos.

Por isso a atividade política (mesmo em Rondônia) nos dias atuais é dominada por fatores técnicos. São indispensáveis para o posicionamento do partido nas eleições o marketing e as sondagens da opinião pública.

Em Rondônia esse cenário é visto, hoje, explicitamente com as atitudes do Poder em seu caráter personalista. O que determina a rota de navegação não é o partido que está no poder e sim o caráter pessoal do titular desse poder.



DISCIPLINA

Embora o governo “seja” do PMDB percebe-se claramente que o partido não pauta as ações dessa gestão, até porque não tem como disciplinar o seu governador. Daí ser compreensível o principal nome do comando peemedebista no estado colocar como eventual candidato à disputa pelo governo nas eleições de 2014 o empresário Mário Português, um mero debutante nesse seara.

É claro que os partidos políticos ainda são importantes para o processo democrático. Mas não há como negar: o voto é orientado com base na pessoa do candidato e não mais em função do partido.



ENROLADOS

Não se fala de outra coisa nos corredores da Assembleia Legislativa ontem: é cada vez pior a situação da deputada Ana da Oito e de Euclides Maciel com os processos e denúncias que enfrentam no judiciário. No caso da voluntariosa deputada a situação é pior, pois ela passou recibo.

Outro assunto que dominou a sexta-feira naquelas quebradas foi a suposta preocupação do deputado Kaká Mendonça (hoje líder do governo da “cooperação”) com o aparecimento do “irmão Valter”, de quem foi o homem mais forte na administração da Assembleia. “Será que ele está dormindo sem sofrer pesadelos” era a pergunta que praticamente todos faziam.



ORÇAMENTO TRANSPARENTE

Neste sábado (28) acontece o Movimento Global de Transparência Orçamentária. O assunto não chegou a empolgar as lideranças políticas locais. O movimento luta pela transparência e inclusão do orçamento público – itens essenciais para garantir a realização dos direitos humanos, da justiça social e da sustentabilidade ambiental, bem como para diminuir as desigualdades sociais e reduzir a pobreza.

Na maioria das capitais brasileiras estão acontecendo atividades em torno do direito à informação dos cidadãos sobre os orçamentos. Em Porto Velho (como muitas vezes acontece) a data está passando batida.



DIREITO FUNDAMENTAL

A Declaração Universal dos Direitos Humanos versa que "toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e de expressão, este direito inclui o direito de ter opiniões sem interferência e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios, independentemente de fronteiras ". Além disso, os orçamentos públicos são levantados por meio de contribuições dos cidadãos e da renda gerada pelo patrimônio público. Por isso, a participação nas decisões relativas aos orçamentos públicos é um direito fundamental e responsabilidade de todos os cidadãos.



PRIORIDADES SEM CORRUPÇÃO

Os orçamentos públicos devem ser transparentes, o que significa que todas as informações relacionadas à forma como o dinheiro público é utilizado e onde é utilizado deve ser disponibilização ao público em geral de uma forma acessível, oportuna e compreensível.

O processo de orçamento deve inclusivo, assegurando oportunidade para que todos os cidadãos cumpram o seu direito de conhecer, participar e influenciar nas decisões que dizem respeito à cobrança, alocação e gestão dos recursos públicos.

Os dados orçamentários devem ser precisos, com base em estimativas conhecidas publicamente e garantir que os governos gastem o dinheiro público nas prioridades para o qual foram aprovados, reduzindo assim o espaço para vazamentos, corrupção e ineficiências.

Orçamento tem que ser abrangente, o que engloba todas as receitas e despesas, independentemente da sua origem - incluindo os fundos paraestatais e da gestão da dívida interna e externa. E por falar nisso, você sabe qual é a dívida de Rondônia dentro do estado; em nível nacional e internacional?



ESPORTE NO IFRO

A delegação do IFRO está na disputa dos Jogos Brasileiros dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (JIFs) – etapa Norte. No total são 80 alunos e sete professores de todos os câmpus do Instituto Federal de Rondônia, com os estudantes se classificando para a etapa nacional a ser realizada na cidade de Foz do Iguaçu, no mês de novembro. Até agora Rondônia detém os títulos de campeão no basquete feminino, no atletismo 4×400 e no lançamento de dardo. O torneio regional que acontece no Câmpus Belém, do Instituto Federal do Pará, iniciou-se no último dia 23 e termina nesse sábado.



REMEDIOS EM FALTA

A informação é do vereador Sid Orleans, o mesmo que denunciou a falta de remédios nas unidades de saúde pública do município. A denúncia foi feita em 15 de agosto. Ontem o vereador distribuiu nota afirmando que até hoje o problema não foi resolvido. Segundo ele, a gestão do prefeito Mauro Nazif pediu mais 15 dias para colocar na rede municipal todos os remédios que compõem a cesta básica.

O interessante nisso tudo é saber que Mauro Nazif é medico. Se nem nessa área ele está funcionando, imagina o que esperar das ações do prefeito em áreas que ele não entende bulhufas.



RECUOU

A confiança do setor industrial continuou caindo em setembro, sinalizando atividade ainda lenta no final do terceiro trimestre de 2013. O Índice de Confiança da Indústria (ICI) recuou 1% em setembro frente a agosto, atingindo os 98 pontos, menor nível desde julho de 2009.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: