Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   15/novembro/2019     
artigos

Mentira de Confúcio sobre PCCR da Saúde pode causar prejuízo milionário a rondoniense

26/10/2013 19:12:13
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

É DE ASSUSTAR

É quase impossível acreditar nas afirmações do filosófico governador rondoniense quando se sabe que o mesmo resiste a cumprir até a palavra empenhada diante de um magistrado. É fato ocorrido em relação ao compromisso do governo de remeter o PCCR do pessoal da Saúde à Assembleia Legislativa em prazo determinado. Na verdade o governo simplesmente pregou uma peça aos servidores da Saúde. O compromisso assumido perante o Desembargador Walter Walterberg, a pedido do Sindsaúde, era apenas uma mentira bem elaborada.

A mentira do governador nessa questão pode custar caro ao cidadão-contribuinte-eleitor. Se não entregar o PCCR da Saúde até segunda-feira (28) na Assembleia, deixará o estado sujeito a pesada multa diária durante todo o período em que não se cumprir a promessa feita pelo e perante o judiciário.

É FLÓRIDA

Ora, se o governo do filósofo caipira não cumpre compromissos assumidos perante representante da Justiça, como acreditar em suas aleivosias? E no caso dessa pugna com os servidores da Saúde, a resistência em cumprir o compromisso firmado é motivada, pelo visto, por sentimento de vingança contra quem apenas buscou, através da greve, seus legítimos direitos.
Não é só de assustar. Essa atitude do “sôba” rondoniense de levar na gozação um compromisso assumido perante um desembargador com uma categoria importante como os servidores da Saúde é inconcebível e abominável. É como se – por acreditar na eterna impunidade – o chefe da gestão decidisse fazer chacota de coisas sérias como respeitar acordos assumidos perante o Judiciário.

CLIMA TENSO

A tal “Carta Bomba” de Hebert Lins, homem de longa convivência íntima com o governador Confúcio, mantém o clima tenso na corte palaciana. Quem faz parte daquele bunker está rezando para a situação não piorar. Todos rezam pelo silêncio do irmão Valter. Se abrir a boca para amenizar seus próprios dilemas, “irmão” Valter pode colocar mais gasolina no incêndio iniciado por Hebert. E ai, não há filosofia que livre o bambambã do palácio de entrar na relação dos investigados pela suposta formação de quadrilha.

DIAMANTES

É já que nessa conversa toda surge um item curioso, “um pacote de 800 mil reais escondidos debaixo da cama de um simples motorista”, como relata Lins, dizendo que curiosamente o pacote não foi levado pela polícia, o que dizer sobre os diamantes encontrado no QG do “irmão” Valter, com paradeiro que ninguém sabe e ninguém viu. A não ser o borracheiro do lado, chamado para servir de testemunha do flagrante da polícia.

NAZIF ERROU

Sem entender o espírito da coisa Mauro Nazif procurou as luzes dos holofotes para a sanção da Lei permitindo aos postos de combustíveis retomar a venda de bebidas alcoólicas. Acabou ganhando ontem um puxão de orelhas da promotora de justiça Aidee Maria Moser que afirmou: “Porto Velho está indo na contramão de tudo o que está sendo feito no restante do país para reduzir os números de acidentes de trânsito”.
Desse jeito, Mauro só vai confirmando a velha tese de que está longe do preparo para ser gestor público. Com essa pisada de bola, o dr. Mauro já foi comparado ao “Coalhada”, aquele personagem do imortal Chico Anísio.

SORTE

Rondônia precisa de sorte no próximo ano. Se não eleger um cidadão capaz de tirar o estado da paralisia atual, será difícil dimensionar o tempo em que vai durar a paralisação econômica e social de hoje. Tomara que surja por ai um nome digno de aplausos.

DIFERENTE

Em nível nacional a coisa não muda: PMDB e PT são aliados e inseparáveis. Mas por aqui a história é outra. Os petistas rejeitam essa aliança e até viram as costas para os nomes do PMDB para a disputa do próximo ano.

NARCOTRÁFICO

A Bolívia esteve em alta no noticiário da mídia rondoniense nessa semana, quando deputados da província de Beni visitaram o estado (especialmente a Assembleia Legislativa), procurando estreitar e ampliar relações entre brasileiros e bolivianos. Eles tiveram especial interesse em conhecer o complexo energético do rio Madeira e também aprofundar ideias antigas de integração rodoviária entre o Beni (província boliviana) e Rondônia.
O problema de uma maior facilitação de ligação com esse nosso vizinho – que deveria ser preocupação local – é a questão do narcotráfico. A Bolívia está a caminho de se converter no "México do narcotráfico" na América do Sul.
Isso porque o narcotráfico se infiltrou em todas as instituições públicas da Bolívia. Certamente essa é uma questão que deveria preocupar os políticos locais. A fronteira rondoniense com a Bolívia é praticamente desguarnecida. Torna-se rota fácil para ações do narcotráfico e também do contrabando generalizado, incluindo armas.

FENÔMENO POSITIVO

A mídia local não aproveitou a presença dos políticos bolivianos no estado para aprofundar matérias sobre o tema do narcotráfico. O crescimento dessa atividade na Bolívia é visto por alguns de seus políticos e até líderes de vários segmentos da população como algo positivo, já que o narcotráfico faz o dinheiro circular, quem quer consumir droga consome e quem não quer não consome.



INFILTRAÇÃO

Mas o narcotráfico não tem regras. Muitos crimes praticados hoje em nosso estado tem ligação com as atividades do narcotráfico que vem da Bolívia. Não há ética nesse negócio. Famílias são destruídas e a sociedade vive no caos e na insegurança.
Não faz tanto tempo assim que essa atividade geradora de bilhões destruiu políticos promissores em Rondônia. Quem não se recorda de Jabes Rabelo. Ninguém pode rejeitar a ideia de maior interação de Rondônia com seus vizinhos estrangeiros, todavia não se pode correr o risco de aumentar a infiltração desses negócios no nosso estado.

PAIS ADOTIVOS

Pais adotivos terão, a partir de agora, direito ao salário-maternidade de 120 dias. A presidenta Dilma Rousseff sancionou nesta ontem (25/10) a Lei nº 12.873 que garante ao segurado ou segurada da Previdência Social que adotar um filho, independente da idade da criança, os mesmos direitos dados às mães de filhos naturais. A nova regra também equipara homem e mulher no direito ao benefício em caso de adoção.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: