Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  dom,   13/outubro/2019     
artigos

Eis o presente de natal do papai-noel Mauro Nazif: aumento do IPTU e da passagem de ônibus

11/12/2013 14:25:12
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
PRESENTE TURCO

A falta de sensibilidade política do prefeito Mauro Nazif não combina com suas atividades anteriores, quando desempenhava o seu papel no legislativo. Ali, sua jogada era a de desempenhar o papel de paladino das causas populares, não só no uso da tribuna (na Câmara Municipal, depois na Assembleia e por último na Câmara dos Deputados), mas também se fazendo presente em manifestações de rua, muitas vezes correndo o risco da repressão determinadas por quem estava no Poder.

Pois é: agora no comando da administração municipal de Porto Velho, o povo está descobrindo o outro lado da moeda desse político. E não demonstra estar gostando nada desse novo Mauro Nazif.

E vai ficar muito mais fulo quando for desembrulhar o presente de final de ano, no pacote que está sendo anunciado nas mídias de Porto Velho.

É isso mesmo: o próximo carnê do IPTU para os moradores de Porto Velho virá com um reajuste da ordem de 12 por cento. Esse reajuste muito superior à inflação acumulada do ano tem ingredientes para criar uma comoção na cidade.


MAIS AUMENTOS

E pelo que se fala nos recantos mais bem informados da municipalidade, não será apenas o reajuste do IPTU que vai elevar o custo do orçamento dos moradores da capital rondoniense.

Além da sanha arrecadadora da prefeitura, os moradores de Porto Velho deverão sofrer o impacto do reajuste da tarifa do transporte coletivo municipal.

As empresas operadoras (organizadas numa espécie de cartel) pressionam o Executivo a conceder reajuste, argumentando com aumento de custos das operadoras após o viés de aumento do preço dos combustíveis.


AUDITORIA

Os permissionários do transporte coletivo na capital nunca tiveram muitas dificuldades em convencer o poder (prefeitura) concedente sobre seus “custos”.

Com Nazif não deve ser diferente. O prefeito dos portovelhenses não gosta de fazer auditorias. Negou-se a auditar até as denúncias de falcatruas de seu antecessor.

Então, claro, não terá coragem de auditar as empresas operadoras do sistema de transporte coletivo para determinar o custo desse sistema.

E enquanto isso não acontece, a população tem de aceitar – pelo alto preço da tarifa – as péssimas condições em que é transportada.

Se a sanha arrecadadora do prefeito não diminuir, o portovelhense estará pagando um dos maiores valores de IPTU da região e terá a capital de Porto Velho entre as cidades de porte médio do Brasil que cobram a maior tarifa de transporte coletivo.


CAMARA MUNICIPAL

Mauro Nazif conseguiu a oportunidade – pela qual lutou várias vezes – de chefiar o Executivo. Mas demonstra que não estava mesmo preparado para a função.

Vem cometendo erros estratégicos sucessivos na condução da nossa tão sofrida cidade de Porto Velho. Vem perdendo seu capital político e sua bandeira de intransigente defensor dos mais humildes, dos oprimidos.

Na Câmara Municipal as críticas ao prefeito vão ecoando cada vez mais. Certamente é o primeiro prefeito da cidade que terá de responder (no primeiro ano da gestão) a um processo popular pedindo seu “impeachment”.

Pode não dar nada, mas causa desgaste na biografia de homem que se apresentou sempre como solução ética e republicana para os impasses da gestão pública.

É possível que a Câmara Municipal, querendo mostrar que irá defender os interesses dos portovelhenses negocie com o prefeito uma redução nos índices do reajuste do IPTU. Se vai conseguir, são outros quinhentos.


PREFEITO SEM SENTIDO

Mauro não demonstra vontade ou capacidade de rever suas posições incômodas. Carece de sentido sua insistência em implantar o estacionamento pago nas ruas do centro de Porto Velho.

A primeira tentativa foi rechaçada pela Câmara. O prefeito voltou à carga, defendendo seu interesse nesse negócio.

Também não tem sentido o prefeito vetar uma lei contra o nepotismo. Ora, em respeito aos seus eleitores, o prefeito deveria ter aplaudido a restrição e, isso mesmo, exonerado seus parentes com cargos importantes (e muito bem pagos) na sua gestão.

Se quiser se manter na vida pública, Mauro Nazif tem de parar de cometer erros estratégicos, erodindo o capital político eleitoral acumulado ao longo dos anos.


CAIXINHA, OBRIGADO

Sempre que penso na figura do prefeito Mauro, guardo comigo a esperança de que ele não seguirá o exemplo de Bob Ali-Babá, metendo a mão no dinheiro público sem dó e piedade. Então imagino que Mauro não está ouvindo bons conselheiros.

Ele (o prefeito) ainda pode rever tudo isso. Não deve cair na esparrela de seu antecessor que, com ânsia de arrecadar sempre mais, criou um esquadrão para a indústria da multa, sem qualquer consequência positiva para o trânsito em si.

A sanha arrecadadora da prefeitura deve ser contraposta pelo impacto social e político causado, especialmente pelo precário retorno de serviços que a prefeitura dá aos portovelhenses.


AUTORIDADE MORAL

Fica muito difícil para um prefeito que permite a existência de um servidor (da sua cúpula administrativa) com contracheque de mais de 100 mil reais (como foi revelado recentemente) exigir do povo um reajuste tão alto no IPTU. Fica difícil acreditar em transparência num projeto a ser explorado pela iniciativa privada do estacionamento pago em vias públicas.

É preciso avaliar bem os resultados dessa política que, pelo visto, só pensa em arrecadar.

A prefeitura deveria obter recursos não pela elevação da carga tributária, especialmente sobre a classe média, com o IPTU, mas pela gestão das despesas que podem ser reduzidas permitindo pelos mesmos recursos disponíveis realizações com maior alcance. E a demonstração disso começa pelo combate aos marajás, pela redução dos aspones.


TINHOSOS, NEM SEMPRE

Os vereadores sempre foram tinhosos, mas aqueles que defendem o fim do nepotismo, da sanha arrecadadora pelo aumento ilógico do IPTU, da manobra para transformar o direito de estacionar (mesmo de forma regulamentada) numa máquina de cassino para algum “empresário” que ninguém sabe e ninguém viu, merecem os aplausos da população.
Senhor prefeito: o impacto político e social de medidas como a manutenção dessa fábrica de multas; como o aumento exagerado do IPTU; como a transformação do estacionamento numa mina de ouro a ser dada para alguém que ninguém sabe e ninguém viu; como o aumento da tarifa do transporte público e como a manutenção do nepotismo pode lhe custar muito caro num futuro próximo.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: