Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   13/dezembro/2019     
artigos

No último escárnio do ano contra o povo, Bob Sobrinho anuncia pleito à Câmara e que vencerá sem problemas

23/12/2013 19:36:44
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

DEBOCHE

Apelidado de Bob Ali-Babá, alcunha decorrente da gestão caricata do PT à frente do município de Porto Velho, com um volume enorme de denúncias de desvios do dinheiro público. E, pelo visto, o ex-prefeito do PT não está nem ai com as denúncias feitas. Nem com as convertidas em ações do Ministério Público. Foram tantos escândalos, a ponto prefeitura passar a ser conhecida como “caverna de Ali-Babá”, até por alguns deputados estaduais.

Com tudo isso, o ex-prefeito (ainda sem condenação por um colegiado de magistrados) está decidido a concorrer ao cargo de deputado federal. O tal Bob Ali-Babá anda dizendo ao seu pessoal que não terá dificuldades em se eleger nas eleições de 2014. E, pelo visto, tem razão. Nosso eleitorado sente atração especial por político que rouba ou permite roubar. Foi nessa onda que os Donadons sempre renovaram mandatos, mesmo com pesadas sentenças de prisão.

A MÃE

O prefeito Mauro Nazif realmente não tem mais nenhum traço do político combativo dos tempos em que era apenas parlamentar.
Pode até não terminar o ano como o papai Noel da cidade. Mas certamente vai terminar 2013 sendo uma mãe para os “donos” do transporte coletivo da capital rondoniense. Não se empenhou nadica de nada para acabar com esse simulacro de monopólio.
De acordo com fontes, está preparado para dar antes de fevereiro. O presente já está no pacote. E só não será entregue em Janeiro se órgãos que defendem os interesses públicos criar alguma barreira para esse aumento. Que tal, por exemplo, o próprio TCE resolver fazer uma auditoria nesse sistema para ver onde foi (e vai) o dinheiro público destinado ao segmento?

MUITÍSSIMO MENOR

Quem diria! José Dirceu, o ex-todo-poderoso ministro de Lula, aceitou um salário de R$ 2.100 para trabalhar organizando a biblioteca jurídica de um escritório de advocacia em Brasília. O salário é quase 10 vezes menor que o oferecido ao mensaleiro pelo Hotel Saint Peter, cuja proposta naufragou após denúncia da existência de um laranja na composição societária do hotel. Mas vale destacar que o dono do escritório é amigo de longa data do ex-ministro e tem como cliente o ex-presidente Lula.


À PROPRIA SORTE

O governo municipal de Porto Velho fez uma onda danada agora no final do ano ao anunciar um Plano de Mobilidade para Porto Velho. Esse “Plano”, conforme anúncio da própria prefeitura, saiu da prancheta de uma empresa privada. Ninguém sabe verdadeiramente quanto se pagou por isso e nem sabe se houve licitação para esse contrato. Difícil, portanto, saber se houve um não superfaturamento.
Tudo leva a crer que a população de Porto Velho continuará entregue à própria sorte no ano novo. O prefeito pretende manter na secretaria responsável pelas questões do trânsito e da mobilidade seu milico preferido, que passou todo esse ano de 2013 comprovando que não sabe nada do assunto trânsito, transporte e mobilidade. Seria cômico, se não fosse trágico.


CARROS OFICIAIS

Até agora os dirigentes públicos de nosso estado (especialmente o governador e o prefeito da capital) não demonstraram capacidade de inovar os métodos da administração pública. Os exemplos diários apontam para administrações à beira do colapso. Uma prova corriqueira disso é a constatação do uso irregular da frota pública, especialmente os carros de luxo (as caminhonetas) usados até para fazer compras em supermercados ou deixar “dondocas” nos cabeleireiros e filhos nas escolas. É uma farra só de carros oficiais. E ninguém tem coragem de por um ponto final nisso. Quem paga as contas? Eu, você e todos os cidadãos-contribuintes-eleitores.

AVIÕES OU COMIDA

O jornalista Carlos Brickman tratou com humor a compra, por US$ 4,5 bilhões, que o Brasil fez de caças suecos que ainda só estão no papel.
As Forças Armadas estão mal de verbas, equipamentos e infraestrutura. Há falta de refeições para os recrutas e de munição para exercícios de tiro. Seria a compra de aviões o projeto prioritário? Imaginemos que seja. Mas é de caças supersônicos que o Brasil, que não tem pendências com os vizinhos há mais de um século, precisa? Vigiar as fronteiras, patrulhar o pré-sal, tudo isso não seria feito, e bem, por aviões não tripulados, os drones, que custam muito menos? Quantos drones de última geração poderiam ser comprados pelo preço dos Grippen?

CRÔNICO

A atuação de flanelinhas no entorno dos mercados municipais da área central de Porto Velho é um problema crônico. Durante o dia homens abordam motoristas que tentam parar no Mercado Central e no Mercado do Um, muitas vezes intimidando proprietários de veículos a pagar pelo estacionamento naquelas vias públicas. A região é cercada por bares que atraem muitos clientes, principalmente de quinta-feira a domingo. Mas, de acordo com Marisa, por causa das comemorações de fim de ano, o movimento aumenta na área, assim como a irregularidade.

SEM FISCALIZAÇÃO

Essa prática acontece todos os dias em boa parte da zona central de Porto Velho. Como não há fiscalização alguma contra essa e outras bandalhas dos homens com cara de drogados e alcoolizados exigindo. dinheiro de todos, ao cidadão-contribuinte-eleitor resta desistir de parar na região central. Quem sofre com isso é o comércio, perdendo fregueses.
O espaço público urbano e o uso do solo da cidade são de tutela da prefeitura, especialmente no que tange ao estacionamento de veículos. Aqui, nem as vagas disciplinadas com pinturas de faixa e placas, são respeitadas. Falta fiscalização dos agentes da prefeitura. Os agentes (inventados por Bob Ali-Babá) se contentam com o papal de multar veículos e, ao mesmo tempo, fazer vistas grossas para as motos que invadem vagas de idosos e pessoas com limitações físicas.



ABSURDO

É ou não é um absurdo o estado que aprova um orçamento de mais de um trilhão (para 2014) terminar o ano com tantos exemplos de falência explícita. Ou não é isso que se constata nesse final de ano com o descaso da Segurança (pela primeira vez o crime produz manchetes de chacinas), da Saúde (onde até o irmão do governador denuncia a falta de tudo no hospital regional de Ariquemes), da Educação, etc?

Mas, pensando bem, não é de se esperar outra coisa. Nas últimas eleições vimos uma verdadeira guerra de egos e de marketing entre os que protagonizaram as campanhas para governador. Os políticos só pensam neles e nem um pouco nos quase dois milhões de rondonienses. Se fosse ao contrário, não estaríamos com a saúde, a educação, o transporte público e a segurança no estado em que estão.



ATÉ JANEIRO

A magia do natal está ai. Vale a pena compartilhar a emoção e alegria do nascimento de Jesus. O que a coluna deseja é que essa data estimule o espírito da paz, da união entre as pessoas e da solidariedade.

Esta é a última coluna do ano de 2013. Essa parada permite ao colunista (e seus leitores) descansar um pouco um pouco do exercício diário de olhar a política e o dia-a-dia do estado como ele é, sempre renovando esperanças de que as mudanças necessárias virão.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: