Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  ter,   14/julho/2020     
artigos

Tríade de possíveis candidatos mostra decadência vivida pelo PMDB no estado

26/03/2015 13:18:53
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
CURVA DESCENDENTE

A simples menção de que caciques do PMDB (leia-se grupo Raupp) estão avaliando os nomes de Emerson Castro, Williamens Pimentel e Lindomar Garçom, serve para expor o momento descendente vivido pelo partido, desgastado com as trapalhadas do governador nas sendas da Justiça e, também, com a periclitante situação de seu cacique maior, Valdir Raupp, investigado no escândalo do Petrolão. A situação ficará muito pior, se lá frente essas investigações apontarem o senador Raupp como mais um político que recebeu dinheiro ilegal arrancado da Petrobras.


MÁRIO PORTUGUÊS

Se essa especulação veiculada ontem, numa coluna política tida como bem informada, for lastreada na verdade, reforça-se a ideia de que o empresário Mario Português (leia-se Distribuidora Coimbra) não conseguiu maior afinidade com os pajés peemedebistas em todo o tempo de sua filiação. Português foi um nome cooptado pelo time de Raupp que chegou a pretender escalá-lo para enfrentar a eleição governamental do ano passado. Pelo visto, já existem fatores para afastá-lo da grande disputa do próximo ano.


FUNDO DO POÇO

Se apelar para figuras sem nenhuma expressão política e eleitoral como Williamens ou Emerson na escalação da grande corrida sucessória do próximo ano, ficará claro que o PMDB não está apenas vivendo uma momentânea curva descendente em termos de potencial para enfrentamentos importantes. Estaria na verdade correndo o risco de chegar ao fundo do poço... A coluna prefere acreditar que a especulação com esses nomes pode ter o objetivo de simplesmente confundir os adversários na disputa da prefeitura. Imaginar o robusto Williamens Pimentel ou insosso Emerson como candidatos do maior (??) partido rondoniense é uma hipótese remota...


NO TOPO

Metade dos políticos sob investigação na Operação Lava Jato já responde a outros inquéritos ou ações penais no Supremo Tribunal Federal (STF) e outras esferas da Justiça. O senador Valdir Raupp (PMDB-RO), vice-presidente nacional do PMDB, é o que responde ao maior número de ações penais. Há quatro processos contra ele em tramitação no STF por crimes contra o sistema financeiro e peculato e crime eleitoral.



SEM A CATREFA

O empresário e dirigente partidário Edgar do Boi acha que não terá dificuldades para cair no gosto da população de Porto Velho quando começar a falar sobre a disputa municipal, deixando claro que no PSDC e no palanque da sucessão vai mandar às favas todos os “políticos profissionais” e toda a patota que ajudou a paralisar Porto Velho, destruindo suas ruas. O PSDC só vai assumir compromisso com quem quer uma boa governança. O mote será o de livrar a cidade da catrefa de pessoas incompetentes e desonestas que só chegam à prefeitura para enriquecer-se rapidamente.


VERDINHAS

Os investidores e analistas do mercado financeiro veem o dólar cotado a R$ 3,15 no final deste ano. A estimativa foi divulgada no boletim Focus, pesquisa feita instituições financeiras semanalmente pelo Banco Central (BC).

O mercado também voltou a elevar a projeção da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Para os analistas, o índice fechará o ano com alta de 8,12%, e não mais de 7,93% como previsto na semana anterior. Boa parte da alta da inflação está vinculada aos preços administrados, regulados pelo governo, como o da gasolina e da energia.


ROMBO DE MILHÕES

Quase não dá para acreditar na prática da política de cortesia com os grandes conglomerados praticados pelo estado de Rondônia, redundando em vários milhões de reais de prejuízos para os cofres do estado, em nome de uma renúncia fiscal que não é praticada nem mesmo pelos estados mais ricos do país.

Até agora, apenas a isenção fiscal concedida ao complexo hidrelétrico do Madeira era do conhecimento público, com críticas desde o ano passado.


VAI AGIR

Agora, uma nova denúncia foi feita ao presidente da Assembleia, deputado Maurão de Carvalho. Segundo disse Marcelo Pedro, presidente do Sindicato dos Servidores da Agência Idaron (Sindsid) o fisco estadual sofre um rombo anual de mais cem milhões, com a renúncia fiscal em benefício do grupo JBS, que lidera o mercado de carnes no país. Certamente o presidente da Assembleia não ficará de braços cruzados diante desse despautério. Se esse tipo de caos financeiro não for estancado o estado pode continuar afundando. O legislativo não pode permanecer calado diante dessas “cortesias” absurdas que arranca o couro do contribuinte obrigado a pagar todos esses despautérios.


DOAÇÕES

O grupo Friboi tem muitas ramificações no mundo político e aparece como uma importante fonte de financiamento de campanhas. Seria interessante ver quem em Rondônia andou recebendo “ajutório” para as últimas disputas. Quem sabe isso pode explicar a docilidade encontrada pela Friboi com o fisco estadual. É bom lembrar que na terra de sua origem, Júnior do Friboi (que chegou a ser cotado para disputar o governo) corre o risco de ser expulso do PMDB de lá. Eta mundinho pequeno, né!


ANACRONISMO

Chega a ser uma discussão bizarra: afinal, o que é pior: o presidente da Câmara Municipal de Porto Velho estar com uma vontade imensa de gastar uma grana preta em mais uma reforma na sede do legislativo ou ele aproveitar uma desses eventos de turismo disfarçado para cair fora e não participar dessa embromação disfarçada de audiência pública para se falar sobre segurança pública na capital do estado?


PAPEL ARRISCADO

Ora, isso é puro anacronismo. As limitações do Bengala não podiam desaguar noutro tipo de comportamento. Ele não tem o preparo suficiente para comandar uma nave do tamanho do palácio legislativo municipal. E, pelo visto, está mal assessorado. Pode viver mais um capítulo da tragédia em que um presidente antigo, o então vereador José Hermínio, desempenha hoje o espinhoso papel coadjuvante na trama em que Marcelo Reis figura como o canastrão do sumiço mal explicado de dinheiro reservado para a despesa com publicidade.


CHARADA
Até recentemente o deputado Luizinho Goebel não escondia de ninguém o seu desencanto com a política, a ponto de anunciar que não voltaria a disputar cargo algum. Logo depois (usando os rapapés da diplomacia) tornava público seu desgosto com o governo, ao pedir a retirada da proposta de se criar os quase 800 cargos altamente remunerados... Surpreendentemente, essa semana veio o anúncio de que o parlamentar do Cone Sul assumiu a posto de líder de Confúcio na Assembleia. Será que ouviu aquela cantiga do “você é nosso e nós somos teus”? Tem gente que adora andar embarcado, mesmo num barco afundando.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: