Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sáb,   31/outubro/2020     
artigos

Denúncia sobre cobrança de propinas no governo deveria motivar abertura de CPI

30/04/2015 12:59:19
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
FILOSOFANDO

A história pátria nos informa da existência de vários tipos de maus políticos: os que roubam, os que mentem, os incompetentes, os espertalhões, e, os que são tudo isso ao mesmo tempo. Estamos diante de uma endemia secular chamada corrupção, que debilita a democracia e acaba com a esperança dos brasileiros.



MERECE INVESTIGAÇÃO

As novas denúncias contidas no mais recente pronunciamento do deputado José Hermínio, ex-presidente da Assembleia Legislativa rondoniense não deveriam ser encaradas como um mero de jogo de palavras. Na verdade o deputado José Hermínio mais uma vez descortinou a dura e irrevogável verdade em que se transformou o governo rondoniense com a gestão do cognominado filósofo caipira de Ariquemes: um balcão de negócios que, como disse o deputado Hermínio a exigir propina de 50% para pagar as dívidas contraídas com fornecedores e prestadores de serviços.

Não dá para acreditar que denúncia dessa natureza não provoque os chamados órgãos de controle externo e iniciar de imediato uma investigação especial para identificar todos os responsáveis, punindo-os de forma severa pela prática desse crime nefasto ao estado e à comunidade rondoniense.



ENTRE OS DEPUTADOS

Certamente a denúncia feita pelo deputado em discurso proferido na tribuna deveria ter causado a primeira grande repercussão entre seus próprios pares. Especialmente entre os deputados de primeiro mandato que, imagina-se, não estão contaminados pela indolência e tolerância com as práticas antirepublicanas do governo, praxe antiga do parlamento rondoniense.



MERECE CPI

Denúncia dessa gravidade deveria motivar até mesmo a formação de uma CPI para descobrir como começou o sistema de propinas e se ele ainda permanece com parte dessa má gestão em que se debate Rondônia.

Tão contundente como um morro no estômago, a denúncia de que a propina exigida de quem tem alguma coisa a receber no governo – de acordo com o deputado Hermínio – chega a 50% não motivou reações visíveis no parlamento nesta semana que desembocou no 1º de maio. Pode ser que o silencio seja quebrado semana que vem...


INTERESSE PÚBLICO

O estado inteiro quer saber se os deputados escolhidos no último pleito estão prontos para fiscalizar o governo; se têm coragem de investigar ou se pretendem considerar tudo como página virada, de tal maneira que a impunidade continue saindo vitoriosa nesse estado, que lá fora já foi chamado diversas vezes de “Roubônia”.


CUIDADO!

De acordo com dossiê da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), desde 2008 o Brasil ocupa o lugar de maior consumidor de agrotóxicos do mundo. Um terço dos alimentos consumidos cotidianamente pelos brasileiros está contaminado por agrotóxicos, registra o documento.


FORA DO GOVERNO

Um dos senadores rondonienses é cacique do PDT no estado. Deverá sofrer as consequências da linha adotada pelo PDT nacional, de afastar-se do governo. Acir Gurgacz ainda não se manifestou sobre a situação e muito menos sobre a declaração de Carlos Lupi, o presidente nacional da sigla, de que "o PT roubou demais".

Assim quem deverá ser o grande nomeador dos cargos mais cobiçados será o antigo senador barbudo de Rolim, Valdir Raupp que, claro, já anda espiando longe, lá para o desfecho de 2018.



CÂMARA DISSONANTE

Pelo visto a Câmara Municipal de Porto Velho ficará como notícia, infelizmente negativa, durante muito tempo. Imprensada entre a corrupção que já levou vários edis ao seu primeiro contato com a cadeia; a incompetência administrativa, que permitiu enormes desgastes com prejuízos colossais conjugado em despesas de viagens desnecessárias de vereadores (com assessores a tiracolo), num claro turismo disfarçado do qual até o presidente do legislativo mirim se aproveitou para uma esticada em Belém; acompanhado (epa!) de seu motorista pessoal (e o meio de transporte foi o aéreo), não sai do esquema falido do blábláblá dessas inócuas audiências públicas que não levam a nada.



TRANSPORTE

Enquanto o transporte público de passageiros da capital está à beira do colapso, com o prefeito anunciando o escapismo da solução de emergência para colocar alguma outra porcaria de empresa no lugar das péssimas que dominam o setor por décadas, os vereadores conseguem lotar a Câmara de ingênuos estudantes para falar de desoneração do PIS e do Confins, como caminho para implantação do passe livre estudantil.

São os mesmos vereadores que ao longo dos muitos anos agem com leniência contra as empresas que exploram o serviço de transporte coletivo urbano, que parece não compreender o impasse criado com a bravata do prefeito de tirar o que é ruim para substituí-lo (se anuncia para isso uma opção “alternativa”) por algo muito pior.



FORA DO MOMENTO

No transporte, nesse momento, o assunto não é a questão da gratuidade para estudantes. É antes tudo debater como evitar o caos completo que ronda o sistema. A maioria das audiências públicas levadas a efeito pela fraquíssima edilidade portovelhense são inúteis, principalmente para um esquema falido como é o do transporte coletivo urbano que só atormenta tanto a população por que é praticado com o acumpliciamento desses políticos insensatos.



MAIS CORRUPÇÃO

O Ministério Público Federal (MPF) em Ji-Paraná (RO) denunciou o procurador federal Eder Vasconcelos Borges e os advogados Marcelo Peres Balestra e Luis Fernando Tavanti por corrupção passiva e ativa, respectivamente. Segundo o MPF, o procurador federal aceitou vantagem indevida proposta pelos advogados em ações previdenciárias as quais patrocinavam. Na informação enviada à mídia, o MPF aproveita para fazer um esclarecimento: Algumas pessoas confundem o cargo "procurador federal" com "procurador da República". Mas procuradores federais não fazem parte do Ministério Público Federal. São integrantes da Advocacia Geral da União (AGU).



BESTSELER

O multimídia Hercules Goes está pronto a ser consagrado como escritor de temas ecológicos e amazônicos. Seu mais recente livro “O Lendário Rondon 150 – o Marechal da Paz” acaba de receber oficialmente o “apoio” do engenheiro Nélio Alencar, que vem a ser o presidente do CREA-RO. Hércules não mora mais em Rondônia e mesmo assim mantém fortes ligações com o estado. Com tanto apoio, quem sabe ele não acabe indicado para o Nobel de Literatura.



OUTRO LADO DA MOEDA
Outro lado da moeda em relação à Indonésia é mostrado aqui no comentário de Aldrin Willy, que além de jornalista é dedicado servidor do TCE. "Como respeitar um governo que solta 800 terroristas nativos em dez anos e que executa forasteiros, ignorando pedidos de clemência? Então as tais leis do país permitem pôr nas ruas celerados que mataram 202 pessoas num único atentado em Bali, em 2002 — a maioria não era da Indonésia —, mas condenam à morte, de maneira inapelável, traficantes estrangeiros? É uma mistura de irresponsabilidade, com autoritarismo e populismo homicida”. Falou e disse.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: