Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  dom,   25/outubro/2020     
artigos

Apesar da baixa popularidade, Nazif acredita que pode repetir façanha de Confúcio e se reeleger

12/05/2015 12:28:17
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
EMBATE DURO

Levando em conta o cenário eleitoral do momento, pressupõe-se um embate duro para se conquistar a prefeitura, mas o xadrez eleitoral ainda está longe de ser montado.

Engana-se quem pensa que, no caso de Porto Velho, o prefeito Mauro Nazif pretenda sair do páreo. Ele não se assusta com o alto índice de rejeição, com a baixíssima popularidade.

O prefeito imagina que pode reeditar a façanha de Confúcio Moura que entrou na disputa para o segundo mandato de governador com uma rejeição altíssima e, mesmo assim, conseguiu uma vitória nas urnas.



NADA FUNCIONA

A gestão de Mauro Nazif até agora não passa de empulhação. A batida de sempre, do puxadinho, das reformas (extraordinariamente caras), do trivial ou habitual num invólucro de mistificação. Nada funciona. O sistema de transporte é um caos, a educação também. E se a conversa for sobre aspectos urbanos da cidade, não há nada mais lastimável.



FALTA DE SIMANCOL

Caçambas de entulho colocadas perigosamente em vias de maior trânsito mostrando o vale tudo dessa cidade. E nesse mesmo diapasão as calçadas entupidas de matagal, tomadas pelo comércio clandestino que aqui até parece ter a proteção da prefeitura.

E com tudo isso, o prefeito incapaz de tomar uma dose de simancol perambula triunfante verificando “obras” como baias (??) de paradas de ônibus; trombeteando a colocação de placas de sinalização, convencido de que está levando o município a uma aura e era da prosperidade.


O CIRCO AINDA ESTÁ PEGANDO FOGO

A enorme avalanche de corrupção verificada na próspera cidade de Cacoal, onde o PT é quem manda através do padre Francesco (Franco) Vialetto ainda está longe de ser contida. A nota difundida pelo padre prefeito buscando tirar o seu da reta, com a velha tática – de não saber de nada – utilizada por lideranças petistas quando são pegas no redemoinho da ladroagem, vai, isso sim, manter o circo pegando fogo.


PESO NO ESTADO

E dentro do PT a situação ainda é pior. A corrupção de Cacoal terá peso no estado inteiro. Afinal mais da metade dos vereadores que compõem a Câmara Municipal foram presos.

Como as investigações do MP estadual e da Polícia Civil revelaram que Maria Ivani de Araujo Costa, chefe de gabinete o Executivo, era a executora das ações de corrupção para atender interesses políticos do padre petista e também para seu enriquecimento ilícito, certamente tais fatos fará o PT rondoniense submergir ainda mais na crise em que se chafurda.



RACHADURAS

Será dificílimo para o Padre Franco sair incólume desse affaire, especialmente diante de tantos depoimentos confirmando a intimidade do “cura” político e sua partner na gestão cacoalense.

Mesmo quem acredita em papai Noel e sereias tem restrições a acreditar que o padreco não sabia das traquinagens de sua “muy especial” parceira na passarela política cacoalense ou que até mesmo participava com ideias de como a arapuca deveria funcionar.

Os acontecimentos da “Capital do Café” alimentam teses de impeachment do prefeito já; bem como a cassação dos vereadores que acabaram presos durante a “Operação Detalhes”.

Assim como aconteceu com a gestão do PT Porto Velho, pondo fim ao projeto de poder do personagem petista que ficou conhecido como “prefeito Ali-Babá”, também em Cacoal há um sentimento de que o padre conspurcou a gestão pública.



ABRINDO MÃO

Ontem um integrante das hostes da Oposição transmitiu à coluna qual é a expectativa dominante do PT diante do cenário político adverso para a disputa do próximo ano. “O PT não lançará candidato à sucessão nem na prefeitura de Porto Velho e muito menos na prefeitura de Cacoal”.

Para essa fonte, os escândalos de corrupção como esse de Cacoal e as condenações de Edson Silveira e da ex-deputada Epifânia Barbosa, outrora duas figuras importantes do petismo no estado, jogam mais sombra sobre a legenda que vai preferir atuar como coadjuvante de outros partidos, como uma forma de fugir dos efeitos nocivos dos escândalos.



NOVO EXÍLIO

E Dilma sofre com os panelaços onde quer que vá. Enfrentou mais um panelaço no casamento do seu médico e de Lula, em São Paulo. Nem num sábado à noite Dilma tem sossego. Mesmo sendo um grupo pequeno fez barulho batendo panelas na porta do bufê onde aconteceu a festa. Por isso se isolou no Palácio do Planalto, não tem mais participado de cerimônias públicas. A verdade é que a classe média com seus panelaços, maiores ou menores, está impondo um novo exílio aos petistas. Na ditadura, petistas como José Dirceu, foram exilados. Agora em plena democracia os petistas experimentam um novo tipo de exílio, se escondendo da revolta popular. Nem a militância do PT se vê mais nas ruas.



FALTANDO

Dramática a situação dos hospitais estaduais. Falta tudo, desde médicos até material cirúrgico básico. Mas o que está ruim sempre pode piorar quando a irresponsabilidade dos governantes é grande.

No João Paulo II o cenário de guerra se perpetua, com pacientes nos corredores, em cima de macas ou condições piores. E teve gente, quanta ingenuidade, que acreditou que reelegendo o médico para governador a saúde pública estaria definitivamente equacionada.

Estamos no quinto mês do novo governo e a situação só faz piorar. Na esfera do município acontece o mesmo. A tática do puxadinho e das reformas na rede física não melhorou praticamente nada para quem precisa de atendimento nos postos, Upas e clínicas municipais.



ELES SABEM
De acordo com nota distribuída ontem pela assessoria de imprensa do Ministério Público Federal cerca de 500 garimpeiros estão praticando a garimpagem ilegal de diamantes na terra indígena do povo Cinta Larga, no município de Espigão do Oeste. O MPF sabe até o volume de equipamentos e maquinários existentes na área a serviço do garimpo criminoso. É, como se vê, a repetição da recente história que colocou Rondônia no noticiário nacional pela carnificina ocorrida naquela região. Dessa vez o MPF decidiu recomendar a Polícia Federal a realização de uma operação para prender garimpeiros e retirar o maquinário que lá está. Até agora não se sabe se a PF aceitou a recomendação.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: