Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sáb,   31/outubro/2020     
artigos

Crise afeta setor hoteleiro da capital, deixando empresários à beira da falência

13/05/2015 09:40:51
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
FILOSOFANDO

"Aconselhar economia ao pobre é grotesco e insultante. É como aconselhar que coma menos quem está morrendo de fome." (Oscar Wilde)


FUGA DE CLIENTES

O bem informado jornalista Alan Alex tocou num ponto que a coluna registrou por várias vezes. Segundo Alan a situação de crise está afetando vigorosamente o setor hoteleiro que com baixa ocupação dos apartamentos correm o risco de fecharem as portas. Quando a coluna alertou para esse problema, analisou o ângulo do excesso de ofertas de aposentos, e a inauguração de vários hotéis numa cidade onde o turismo só existe de fato na conversa furada de gestores públicos, do município e do estado.

O “boom” hoteleiro em Porto Velho foi consequência de uma expectativa que não se cumpriu com a chegada do complexo hidrelétrico do rio Madeira. Hotéis não sobrevivem numa cidade onde o turismo não existe de fato. Nossa capital está longe de ser um endereço turístico. Falta-nos a infraestrutura e uma política de governo voltada para o desenvolvimento do setor.


RESTAURANTES

Nesse mesmo segmento, há uma reclamação geral da fuga de frequentadores dos restaurantes, também pelos preços nas alturas. Alguns donos desses estabelecimentos justificam que tudo é resultado da inflação, incluindo os aumentos nas contas de energia e água.

Na verdade, os restaurantes de melhor categoria dessa capital sempre insistiram em praticar preços altíssimos. Nos restaurantes mais tradicionais os preços dos cardápios são assustadores, superando o que se paga em cidades de turismo de verdade, até em destinos internacionais.


FECHAMENTO

O poder público ao deixar de lado políticas sérias para o desenvolvimento do turismo como uma das grandes alternativas de geração de renda e emprego contribui para a crise sem precedentes desse segmento.

Quem poderia imaginar que um hotel como o Aquarius Selva Hotel pudesse anunciar o encerramento das atividades por falta de pagamento do alvará?

E entre os restaurantes mais top de linha também haverá fechamento se seus donos não forem comedidos deixando de lado a ganância na hora de cobrar a conta.


FATAL

O colunista não é vidente, mas é fácil constatar. Enquanto nossos os gestores públicos do estado preferir usar o dom de iludir, gastando imensas fortunas em coisas como o tal Espaço Alternativo (que não vai atrair turista de nenhum lugar) e não investir em infraestrutura urbana e de serviços, os empresários do segmento de turismo terão de enfrentar a ausência de clientes com muita criatividade ou fecharão as portas.

E olha que nem vou falar das outras questões que espantam clientes, como é o caso da violência urbana que cresce a olhos vistos.


TARADO EM SEMÁFORO

Estou cada vez mais convencido de que a Semtran não tem objetivo de ordenar o trânsito de Porto Velho, limitando-se a multar adoidado, para manter essa indústria que certamente rende milhões para a prefeitura. Por falar nisso seria bom que o contribuinte fosse informado do valor recolhido dos contribuintes com essas multas e qual a destinação do dinheiro.

Uma coisa fica cada vez mais clara: as autoridades do município parecem ser tarados por semáforo. Eles colocam o equipamento em qualquer lugar, sem maiores justificativas técnicas.


EM CADA ESQUINA

O prefeito deveria, ele mesmo, ir para as ruas ver o que está acontecendo. Absurdos como o excesso de semáforos em ruas como a Guaporé, com um sinal luminoso em cada esquina. E tudo indica ser esse o método preparado para a Abunã, onde semáforo totalmente dispensável foi colocado na esquina da Rafael Vaz e Silva, para impedir o fluxo lógico de veículos.

É uma pena que a incompetência da gerência de trânsito da cidade não entendeu ainda que o objetivo do trânsito é permitir seu fluxo sem estrangulamentos desnecessários. Até parece que o prefeito não sabe que motorista são, em sua maioria, eleitores.


PASSEIOS DE TREM

Lembro-me que das várias opções de lazer oferecidas para os moradores de Porto Velho no tempo em que o governo era o Teixeirão, a viagem de trem entre a praça da Estrada de Ferro Madeira Mamoré e a cachoeira de Santo Antonio era imperdível e grande motivo de alegrias para nosso filhos.

A Justiça Federal obriga os gestores públicos a retirar a histórica escavadeira usada na construção da EFMM, do local onde está soterrada, levando-a para um local onde seja preservada.

O a decisão não deixa de ser importante, mas a “salvação da escavadeira” pode não dar em nada para o aspecto do turismo.


ÚLTIMAS VIAGENS

A ultima fase dos passeios imperdíveis na EFMM aconteceu quando Amizael Gomes da Silva, então vice-prefeito de Porto Velho, conseguiu restaurar o trajeto até a cachoeira de Teotônio, garantindo o passeio imperdível para centenas de pessoas encantadas com o aspecto lúdico da Maria Fumaça. Após a ação do professor “Miza”, tudo degringolou de vez e o resultado é isso que vemos hoje.


REMINISCÊNCIAS

No Brasil, existem nove imperdíveis passeios de trem. As máquinas são antigas e restauradas para o turismo. Campinas - Jaguariúna onde as estações são bem conservadas e já até serviram de cenário para novelas de época. O trajeto passa por fazendas de café e termina na cidade de Jaguariúna. Nas Montanhas Capixabas - Viana até Araguaia no Espírito Santo. Belo Horizonte até Vitória e o trem do Pantanal no Mato Grosso do Sul até Miranda. Curitiba pela Serra do Mar até Morretes e Tiradentes em Minas Gerais até São João Del Rey. Bento Gonçalves no Rio Grande do Sul até Carlos Barbosa e Mariana em Minas Gerais até Ouro Preto. E São Lourenço em Minas Gerais até Soledade de Minas.


INCOMPETÊNCIA

Eu tive motivos de sobra para admirar a coragem de homens como o professor Amizael (que foi presidente da Assembleia) e do próprio Cel. Jorge Teixeira. Eles mantiveram boa parte do acervo da EFMM no museu da estrada e fizeram dos passeios possíveis na legendária “Estrada Madeira Mamoré”, motivo de orgulho dos moradores dessa cidade.

Copiar o que está sendo feito em outras cidades do Brasil há décadas e atrai turistas do mundo todo não é feio e pode dar outros resultados para nossa região. Mas como acreditar que os medíocres governantes que temos hoje, que acabaram com o carnaval de rua de Porto Velho, com as manifestações folclóricas (Flor do Maracujá) mais importantes seriam capazes de restaurar a EFMM?


ANIVERSÁRIO DO ALDRIN
Hoje o meu abraço especial vai para o meu filho Aldrin Willy Mesquita Taborda, que aniversaria. Esse é um filho voltado para intelectualidade. É servidor do TCE e autor de importantes estudos científicos na área da informática, onde tem formação superior. Também é jornalista e está agora concluindo sua graduação em Direito. Que ele continue sua caminhada vitoriosa de um cidadão comprometido com preceitos éticos fundamentais em nossa família.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: