Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  seg,   6/abril/2020     
artigos

Livramento de Garçon balança PMDB e pode fazer minguar pré-indicação de Pimentel para a disputa de 2016

28/08/2015 12:58:27
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar
FILOSOFANDO

“Deveríamos usar o passado como trampolim e não como sofá”. Harold Macmillan (1894/1986), político britânico.


APENAS DESASTRE

Muitas vezes eu mesmo me pergunto o que levou um executivo como Joaquim Levy a deixar sua vida de sucesso como figura de proa de um banco como o Bradesco para se tornar ministro de um governo tão desastrado como esse de Dilma Roussef, do PT. Levy, claro, não tomou a decisão motivado por ganhar mais dinheiro ou melhor salário. Certamente deve ter pensado em escrever seu nome na história como o “salvador da Pátria” erodida pelo longo período de domínio dos petralhas.

Se foi para isso não conseguiu e duvido que vai tirar o Brasil da rota de desastre, principalmente se na proa continua Dilma Roussef como capitã.


TUDO PIOR

Com Joaquim Levy à frente da equipe econômica, a inflação subiu, a economia que estava parada está em declínio e a dívida disparou. Porém, diferentemente do tratamento que dispensava ao então ministro Guido Mantega (meu Deus!), a mídia financista não pára de incensar Levy. Não deve ser de graça. Certamente há caroço nesse angu. O colunista faz parte daqueles que esperam para o próximo ano o aumento da onda de saudosismo. Não será surpresa se começarem a bradar: “Saudades do tempo em que o país só criava empregos até dois salários mínimos e o PIB ainda andava no azul!”.


TEM TRUTA

Num desses factóides distribuídos pela prefeitura comandada por Mauro Nazif, anunciou-se que emissários dessa coisa ingenuamente chamada de gestão, estiveram em Santa Catarina para conhecer a planta de operações da tal empresa (?) que, pela sapiência ao contrário do prefeito, vai assumir a operação do serviço de transporte coletivo da capital rondoniense.

A menos que as versões oficiais do princípio dessa novela fossem meras invencionices, a tal “empresa” não era da região de Carapicuíba, no estado de São Paulo? A quem pretendem enganar agora com essa nova versão?


A IRA DO POVO

Se quem deu guarida judicial à prefeitura para tocar esse projeto maluco – de substituir as duas empresas (reconhecidamente umas porcarias) que atuam no sistema de transporte por uma (que sequer tem registro como operadora desse serviço no estado de São Paulo) que ninguém sabe e ninguém viu – tiver um pouco de visão, deverá ficar de olho nesses indícios. Pelo visto tudo não passa de uma manobra para punir ainda mais os usuários que, claro, vão direcionar sua ira não só para o (vá lá) o gestor municipal, mas também para o membro do Judiciário que caiu nessa conversa da “solução emergencial”.


EVIDÊNCIAS CLARAS

A saída de Michel Temer da coordenação política foi um sinal de que a situação a bordo tende a se tornar caótica na próxima borrasca. Dilma dispensou a colaboração de seu aliado mais importante. A conversa de que o vice-presidente da República vai cuidar da macropolítica não deixa de ser verdadeira. Mas o fará em benefício do projeto de poder do PMDB, que passa pelas eleições municipais — a candidatura de Marta Suplicy em São Paulo, por exemplo. Mira uma candidatura própria em 2018. Na melhor das hipóteses para Dilma; na pior, é o impeachment.


PIOR SEM O GARÇOM

A decisão do Tribunal Regional Eleitoral de inocentar o deputado Lindomar Garçom das acusações de compra de voto nas eleições passadas, entre outras irregularidades, causou rebuliço na cúpula do PMDB de Porto Velho, colocando em cheque a anunciada escolha de Williames Pimentel como o nome para disputar a sucessão eleitoral da prefeitura da capital rondoniense no próximo ano.


COGITADO

Agora o nome de Lindomar Garçom volta a ser cogitado para “tocar o barco” de uma candidatura própria do PMDB. E este parece ser o grande desejo do próprio Lindomar que só aderiu ao PMDB com “esse objetivo” que, com o risco de sua inelegibilidade ficou comprometido. O partido de Raupp e Confúcio (dois nomes em cheque no âmbito das investigações de corrupção) parece meio desnorteado ainda em relação ao pleito do ano vindouro mas ontem já se ouvia de um petista de alto coturno quem “ruim com o Lindomar, pior sem ele”.


NO ROTEIRO

E como sempre, Porto Velho está no roteiro. O MST se mobiliza para protestos em capitais. Sem-terra sofreram atentados a bala, sem feridos, em Rio Bonito do Iguaçu (PR) e Amarante (MA) em 24 horas.


MAGOADO

O combativo deputado estadual José Hermínio, está de malas prontas para mudar de partido, tão logo se abra a janela que permitirá o troca-troca. Ele está constantemente rifado pelo time ligado a Gilberto Kassab que prefere direcionar todo o prestígio para o ex-deputado Moreira Mendes, que mesmo estando inelegível mantém a missão de dar as coordenadas do partido para as disputas de 2016.


MEDO

Depois da recondução de Janot ao cargo de Procurador Geral e da convocação de José Dirceu para depor na CPI da Petrobrás, os comentários nos bastidores da política rondoniense é de que Valdir Raupp está com medo do desfecho do que pode acontecer com ele não só nas investigações do “Petrolão” mas também na do “Eletrolão”. Afinal ele tinha muita influência no setor e teria até indicado nomes para cargos importantes na região de Rondônia.


CRÍTICA
A base confuciana não se cansa de falar que as finanças do Estado estão em verdadeiro céu de brigadeiro, mas há controvérsias. Deputados de oposição garantem que a situação das contas do governo é crítica, situação que se tornará mais visível ainda no próximo ano. É por isso, afirmam, que o ocupante do gabinete do governo rondoniense vai apoiar a volta da CPMF, mesmo sabendo que isso vai aumentar seu desgaste junto à opinião pública.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: