Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qua,   28/outubro/2020     
artigos

Proposta de antecipação de eleições apresentada por Raupp esbarra na renúncia coletiva, inclusive, do próprio Raupp

06/04/2016 12:37:59
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

FILOSOFANDO

“Se a única coisa de que o homem terá certeza é a morte; a única certeza do brasileiro é o carnaval do próximo ano”. Graciliano Ramos (1892/1953), Escritor e memorialista brasileiro.

 

CALMA

O ministro da Justiça, Eugênio Aragão, pediu que as pessoas tenham calma durante os debates políticos. Ele disse que se preocupa com o sentimento de raiva e ódio que aflora por causa das divergências políticas e da intolerância a respeito de opções de vida de cada pessoa. “Precisamos baixar a bola, precisamos desacelerar para que tenhamos serenidade nesse momento, de modo a enfrentar as dificuldades do país. Está na hora”, afirmou.

 

FERVENDO

A temperatura política vai ferver ainda mais, dizem nossos olheiros de Brasília. Rodrigo Janot tem quase tudo pronto para os pedidos de investigação ou indiciamento mais aguardados na Lava Jato: os de Dilma, Lula, Temer e Aécio. As ações relacionadas aos quatro deverão ser solicitadas em bloco ou no mesmo dia. Pelo menos, essa é a estratégia definida pela PGR no momento.

 

ÚLTIMO MINUTO

Ao contrário do que imagina muita gente, não há segurança alguma nas revelações sobre o posicionamento da maioria dos deputados federais de Rondônia em relação ao impeachment. Our man in Brasília garante que boa parte da bancada tupiniquim está em cima do muro deixando a decisão para a última hora enquanto acompanham o pêndulo da opinião pública ou negociam com os dois lados em disputa: o governo Dilma e o grupo de Temer.

 

RAUPP DÁ SINAL

A proposta de Valdir Raupp em favor da antecipação das eleições é um sinal dessa indecisão da bancada rondoniense que, de acordo com nosso olheiro, deve ser a mesma situação em bancadas do norte/nordeste.

Acontece que a proposta do senador rondoniense esbarra no Artigo 91 da Constituição. Para a realização de eleições gerais antecipadas seria necessário uma renúncia coletiva de todos os políticos com mandato no nível federal. Quem iria acreditar numa situação dessas? Até parece que Valdir Raupp não conhece a Constituição!

 

RASTILHO

Na verdade a proposta de Raupp é só um exercício de oportunismo, seguindo um rastilho espalhado pelo Brasil. Quem acendeu esse estopim foi Marina Silva e sua Rede, que começou a campanha pela realização de nova eleição presidencial. A saída pelas urnas para a crise política no país está ganhando adesões em partidos à direita e à esquerda: é a opção preferida por Aécio, Ronaldo Caiado, Luciana Genro, Bolsonaro e todos os candidatos a presidente.

 

DUAS ALTERNATIVAS

No início de março a coluna botava uma fé enorme de que estávamos diante da irreversível realidade da morte do atual governo petista. Havia duas alternativas: a derrocada petralha ou milagre da ressurreição. Agora, com o reforço da tendência para o fisiologismo peemedebista, há enormes chances da indigesta ressurreição do Dilmês lá no Planalto. E bate o bumbo!  

 

O QUE SE OUVE

Nos meandros da política rondoniense ouve-se cada vez mais: A reforma administrativa estadual está fechada e embalada, prontinha para ser enviada à Assembleia. Dizem todos que a reforma – ou reestruturação, como o governo prefere chamar seu projeto – poderá sair nos próximos dias. Isso, se o ambiente político permitir. E quando se fala de turbulência, referem-se ao palco de Brasília e não o de Rondônia onde, com as últimas adesões ao PMDB o governo nada de braçada para fazer o que bem entender.

 

TREMEI

Em meio à crescente pressão de autoridades até do meio Jurídico para frear a Lava Jato, ela parece seguir com a corda toda.

A Lava Jato ganhou novos reforços, humanos e materiais, para acelerar as investigações. Profissionais do país todo foram deslocados para ajudar nos trabalhos em Curitiba, centro da operação. Ao mesmo tempo, houve um remanejamento de verbas de outras operações para a famosa força-tarefa.

 

É SÓ FESTA

Nos círculos do PT e de seus aliados, o dia de ontem foi só de festas. Consideram que a renúncia de Temer da presidência do PMDB (substituído pelo senador Jucá) vai se constituir num grande avanço na defesa do mandato de Dilma. A percepção é que a queda de Temer embaralhou muito mais o jogo do impeachment, uma tentativa que pode mudar antes mesmo de chegar ao Senado.

 

QUIETUDE DAS RUAS

A entrada de Odacir Soares no PROS eliminou qualquer dúvida que ainda pudesse existir: ele será um dos candidatos à prefeitura de Porto Velho. E nem com essa certeza o experiente político (que já foi prefeito de Porto Velho, deputado federal e senador) colocou a cara nas ruas que continuam ignorando e se comportando como se todas as candidaturas fossem, até agora, meros balões de ensaio.

 

O “VERDADEIRO” PREFEITO

Engana-se quem imagina estar consolidado o do governo peemedebista de Confúcio Moura ao prefeito do PSB, Mauro Nazif. Como o PMDB da capital afirma peremptoriamente que a candidatura de Williames Pimentel não é fogo de palha e sim favas contadas a “coalização” aparente dos últimos meses só servirá para os partidários de Williames reforçar o discurso de que o “verdadeiro prefeito da capital” foi o PMDB do governador, responsável por praticamente todas as obras de asfaltamento e outras de maior envergadura. Ou seja: vão dizer que Nazif realmente não fez nada a não ser se coçar...

 

PAPO FURADO

Só pode ser o espírito de caserna o que causa a motivação das costumeiras audiências públicas propostas pelo deputado Jesuíno Boabaid (que nome!), do PMN, na Assembleia rondoniense. Uma das últimas foi hilária: debater sobre a banda de música da PM. E isso numa terra onde o falecimento das retretas públicas ocorreu num passado muito distante.

 

DESENLACE

Paradoxalmente a conquista de um mandato eletivo em Rondônia muitas vezes deságua no rompimento de sólidas relações familiares. Nem todos “são abençoados” com a solidez do casamento e acabam escolhendo o papel de don juan com todos os seus riscos. Certamente nesse momento esse folhetim se repete, transformando um parlamentar debutante em mais um alvo das orações de fervorosos trombeteadores de aleluias!




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: