Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qua,   28/outubro/2020     
artigos

Estagnação da economia não vai mudar com instalação de novos semáforos em cada esquina e com maquiagem de asfalto no centro

22/04/2016 14:42:11
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

FILOSOFANDO

“A vida é uma tragédia quando vista de perto, mas uma comédia quando vista de longe”. Charles Chaplin (1889/1977), Ator britânico.

 

DATA

Se hoje é o Dia de Tiradentes, 17 de Abril ficará conhecido como o Dia de “Tiradilma”?

 

MENTIROSOS E CORRUPTOS

O futuro próximo do Brasil continua sem definição. O desemprego é alto e a inflação é o problema que o Banco Central segue tentando mitigar, por meio da estratégia de manejo da Selic. O cenário internacional cobra mudanças. Somos um dos países mais importantes da América Latina e tudo está sendo visto com apreensão. O que todos buscam está ligado a interesses comerciais, mas não é possível confiar em um país onde grande parte dos políticos é constituída por corruptos, quando não, mentirosos.

 

NAS MÃOS DO POVO

A estagnação da economia no estado de Rondônia, sobretudo em Porto Velho, é notória. O cenário não vai mudar com a instalação de semáforos monumentais em cada esquina e nem com maquiagem de asfalto na área central, onde é cada vez maior o número de estabelecimentos comerciais fechados.

Aquilo que áulicos do prefeito Nazif insistem em chamar de gestão não fez investimento algum em segmentos que pudessem estimular a geração de empregos e o crescimento da economia. Tudo não passa de maquiagem.

A grande força para mudanças agora estará nas mãos da população, que precisa unir-se para que sua vontade prevaleça além do voto.

 

QUE RESPOSTA

A pergunta está na boca do povo: “Gastar milhões de reais com essa propaganda insensata, injustificada, claramente veiculada para rechear a conta bancária da agência manjada, que só existe por que suga as tetas do erário é uma espécie de “pedala calhorda?”.

Afinal, o que pretendeu o gênio criativo dessa “Eu Curto RO – Vamos Juntos” senão escalpelar o cidadão-contribuinte-eleitor? Com a palavra o TCE e o MP. Certamente o próprio Deputado Maurão não deve ter percebido o tamanho do dano dessa maracutaia.

 

SERÁ

As eleições se aproximam. Será que os portovelhenses estão cansados de ver tanta nulidade num só governo que insiste em errar a cada dia que passa.

 

CABEÇA OCA

O ex-prefeito petista mimoseado com o apelido de Ali Babá, bem apropriado para quem deixou a prefeitura indo direto para o xadrez, faz falta na política da capital rondoniense? Para o povo, que na sua última tentativa eleitoral deu-lhe um enorme “Xô, Roberto”, certamente que não. Mas cabeças ocas da mídia amestrada e admiradora dos petralhas continuam garantindo ao Ali Babá espaço para seu proselitismo barato. É assim que se joga a democracia no ralo. Afinal, uma “traia” dessas só deveria poder falar quando estivesse no xilindró.

 

BABA OVOS

Amigos do prefeito perderam a noção do puxa-saquismo deslavado. Coisa feia. E ainda tem gente denominando isso de entrevista. É do baralho!

 

LEI DE GERSON

Percebemos que o peso do eleitor manifesta-se somente na eleição. Dependerá do eleitor escolher candidatos capazes de honrar o voto recebido. Não podemos mais ter, só para exemplificar, uma Câmara Municipal como a atual, onde a grande maioria adotou exercer o mandato de acordo com a “Lei de Gerson”. O que se observa na história é que todos perdem quando poucos querem “levar vantagem”.

 

DESGASTE GERAL

Pesquisa Sensus confirma o descrédito geral: do prefeito à presidente, os governantes exibem saldos negativos de popularidade, com índices de reprovação superando os de aprovação. Em Rondônia, onde o descontrole das finanças do estado é muito menor que o restante do Brasil, o cenário do desgaste é praticamente igual ao verificado nos demais estados.

 

O MELHOR GOVERNO

Até agora ninguém sabe qual papel restará ao PP rondoniense nas próximas pugnas eleitorais. Afinal, o partido atuava por aqui na órbita do cassolismo mas nesse ano andou perdendo quadros importantes.

Até Odacir Soares – muito prestigiado no governo de Ivo Cassol, deixou o partido e agora continua afirmando que vai disputar a prefeitura de Porto Velho pelo PROS.

Para analistas da cena política brasileira, o PP se parece com a marmota do filme “Feitiço do Tempo”, pelo seu feeling de abandonar governos em fim de carreira. Quem fica nesse partido é gente daquela espécie de que “o melhor governo é próximo”.

 

NO TOPO DA LISTA

O PP também é o partido com mais investigados no escândalo da Petrobras. A legenda, junto com o PMDB, montou sociedade com o governo petista para desviar dinheiro da estatal de petróleo. Antes, o PP já havia participado com destaque do mensalão.

Aqui o quadro mais importante da legenda era o deputado Maurão de Carvalho, agora presidente da Assembleia. Mas o deputado fez um caminho inverso daquele que a legenda adotou em nível nacional e foi para o PMDB, recebido com festas e loas. Maurão tem certeza de que já está escalado para participar como destaque em 2018, na disputa pelo governo estadual.

 

FUTURO TISNADO

Difícil garantir que a amizade selada por Maurão com o PMDB será um bom negócio para o projeto do parlamentar presidente da ALE de chegar ao governo.

O partido do cacique Valdir Raupp no momento até parece um barco grande para carregar as aspirações de suas mais destacadas raposas. Nesse momento em que a Oposição local está (aliás, como sempre esteve) esfacelada e sem um líder de verdade no comando pode-se afirmar que a nau peemedebista navega em mar de tranquilidade.

Mas é melhor Maurão tomar cuidado para não sofrer de novo o apito do impedimento, melando seu projeto pessoal. Se na aproximação de 2018 o mar ficar encapelado, o barco do PMDB vai ser usado apenas para carregar um cacique na tormenta. Maurão sabe disso?

 

QUANDO?

Alguém pode determinar uma data em que nossas áreas de lazer (??) serão transformadas em locais decentes capazes de motivar o orgulho dos moradores de Porto Velho? No momento, o quadro é de abandono. Falta zeladoria e assim, até os equipamentos de ginástica ao ar livre do Parque (??) da Cidade estão em pandarecos, exigindo reformas. O mesmo acontece também no Parque Circuito e outras áreas.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: