Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qui,   16/julho/2020     
artigos

Punido com suspensão de programas, Leo Moraes pode trocar estilo agressivo no debate final

27/10/2016 20:08:05
Gessi Taborda da Costa
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

FILOSOFANDO

Muitos se queixam de pouco dinheiro, outros de pouca sorte, alguns de pouca memória, ninguém de pouco juízo.MARQUES DE MARICÁ (1773/1848), escritor brasileiro.

 

RISCO PERMANENTE

O projeto de recuperação, construção e reforma das calçadas de Porto Velho é coisa antiga, ainda dos tempos do Carlinhos Camurça. Não deu em nada.

Veio os longos anos do PT e o tal projeto passou a ser cantado em verso e prosa pelo petralha de triste figura, como a menina dos olhos da gestão Ali Babá. No centro obras que nunca terminaram provocou toda sorte de transtorno e no final foi outra frustração. Com Mauro nada se fez, debalde todas as promessas.

E tudo isso, uma comprovação de como todos pagam quando nas urnas os eleitores escolhem o pior. Enquanto a cidade não colocar na prefeitura um gestor com independência e verdadeiramente interessado em cuidar da cidade em primeiro lugar continuaremos com o risco permanente das obras inacabadas ou das iniciadas que pouco depois irão parar. Que o eleitor pense muito nisso antes de chegar à urna eletrônica no domingo.

 

DESTINO TRÁGICO

Quando a gestão falha não há quem não se descamba para o abismo. A Daslu, depois de ser a loja mais chique do Brasil, com fama no mundo inteiro, fechou as portas num shopping de luxo paulista. É outro fato para estimular o eleitor a votar direito no domingo. O voto errado poderá complicar ainda mais a triste situação da capital rondoniense.

 

NO TRANCO

Hoje tem debate na TV Rondônia. O eleitor deve assistir ao programa com olhar clínico, atento até mesmo nas expressões usadas pelos candidatos. Às vezes o candidato pode nesse teatro até desempenhar um papel de bonzinho, dai a importância de saber quem está por trás dele, quem sustenta sua campanha. Afinal, como diziam os antigos “uma panela de leite é arruinada por uma gota de veneno”. Quem vai destilar mais veneno no debate de hoje à noite?

 

DOSE DIÁRIA

Temendo os estragos que a esperada delação premiada da Odebrecht começa a causar pânico entre alguns políticos rondonienses. Por trás das cortinas é comum ouvir informes sobre o aumento das doses diárias de Rivotril usadas por certo babalaorixá da política estadual, com origem na região de Rolim de Moura.

 

MISTÉRIO

Tudo até agora não passa de especulação. O destino do (argh!) atual prefeito (derrotadíssimo) após entregar a prefeitura ao sucessor é mantido em segredo. Ninguém sabe nem mesmo por onde andará Mauro Nazif depois de janeiro.

 

PROSA

Muita gente falando, muita gente comentando sobre a nova mesa da Câmara Municipal para 2017 e muita prosa sem nenhum sentido.

Jogar no ar que é candidato a presidente do Legislativo é uma forma de atrair mídia, mas nem todos entram nessa.

 

PESADO

Hildon Chaves garantiu que vai pegar pesado, caso se torne o novo prefeito de Porto Velho, contra quem tem terrenos sujos e abandonados causando estragos na cidade, não só nessas épocas de dengue, mas em todo o tempo, depreciando a paisagem urbana da capital. Até hoje prefeitura nunca agiu contra esses autênticos especuladores imobiliários.

 

FIGURAÇA

Tanto assim que na rua Pedro Segundo, quase em frente ao Palácio Getúlio Vargas (onde existiu uma loja da extinta Teleron), o terreno abandonado está lá por mais de uma década.

A leniência dos gestores públicos talvez se explique pelo fato de que tal terreno tem como dono “alguém muito próximo do governador”, ou seja, mais precisamente do bambambã da Casa Civil.

 

DESVIRTUADO

O sistema político e eleitoral está tão desvirtuado que ele só interessa aos que se beneficiam dele: partidos e políticos. Daí a resistência a fazer uma mudança em que o eleitor se reconheça representado e os mandatos tenham legitimidade, não sejam obtidos por acaso.

 

RELATIVO

No corredor da Assembleia na manhã de ontem entre pessoas enfronhadas na campanha do candidato do PTB o comentário era quase intrigante. Diziam que a ofensiva utilizada por Leo Moraes conseguiu desgastar o rival, Hildon Chaves, do PSDB. Mas algumas dessas pessoas admitiam que o sucesso da estratégia pode ser relativo. Parte dos votos supostamente perdidos pelo ex-promotor de Justiça migraram para o grupo de nulos ou indecisos e não para o jovem petebista.

 

FORA DO AR

Quem ficou com ligado nos canais locais de TV viu, meio surpreso, o aviso de que o programa de Leo Moraes foi suspenso. Até a Justiça Eleitoral deixou claro que chegou ao limite da tolerância com a baixaria utilizada pelo candidato petebista. Dai, surge uma esperança de que no debate de hoje ele faça um papel mais apropriado para quem disputa um pleito dessa envergadura, abandonando a tática do adolescente mimado.

 

REGRA DO JOGO

Nos últimos 15 anos, o STJ já encaminhou aos Legislativos estaduais 51 pedidos para processar governadores. Apenas um foi atendido.

 

RECOMENDAÇÃO

A orientação da CNM para os prefeitos eleitos ou reeleitos é que reduzam ao máximo os gastos e façam conta até de migalhas, cortando de secretarias e cargos a papel e cafezinho.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: