Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  qui,   5/dezembro/2019     
artigos

Pelo visto, ninguém quer enfrentar o cartel da gasolina

05/04/2017 03:33:38
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

FILOSOFANDO

O que faz a vida tão especial é o fato de que ela nunca se repete. EMILY DICKINSON (1830/1886), poetisa americana. De família abastada, Emily teve uma educação do mais alto nível, frequentando um seminário para alunas brilhantes e de famílias riquíssimas. Precisou deixar a instituição ao recusar, publicamente, a declarar sua fé.

 

LUTA TERRÍVEL

Possivelmente nunca houve uma luta tão titânica para se chegar à Câmara dos Deputados do que a prevista para o próximo ano, quando reconhecidos pesos-pesados da política do estado estarão inscritos na disputa. Há medalhões em todos os rincões rondonienses, incluindo nomes que por lá já passaram e que ocuparam cargos importantes em Rondônia, seja no legislativo e também executivo. São candidatos supostamente cacifados em termos de dinheiro, com profundo conhecimento das manobras político/partidárias que facilitam o caminho das urnas.

 

AMORIM

Na lista aparecem nomes de proeminência, como o (agora) vereador Ernandes Amorim, importante caudilho ariquemense, onde ganhou várias disputas nas urnas.

Há também aqueles que tentarão (de novo) a reeleição, como é o caso do caricato Lindomar (“Papagaio de Pirata”) Garçom, sempre procurando mexer o doce com as costumeiras ladainhas de que “garante recursos” praticamente para tudo e para todo estado. Na verdade praticamente ninguém sabe apontar qualquer grande obra em colégios eleitorais importantes concretizadas com “dinheiro” de Lindomar, algo como o famoso “ouro de tolo”.

 

CONFÚCIO E MAURO

Fala-se nas coxias que o próprio Confúcio pode optar pelo retorno à Câmara se compreender as enormes dificuldades “para enfrentar uma candidatura” de senador. Confúcio não pretende correr o risco de ficar sem mandato, imaginando eventuais problemas no âmbito da Justiça por pisadas de bola no executivo rondoniense.

E nesse mesmo tom do oportunismo outro nome da carimbada política está na relação: Mauro Nazif. A turma do quibe pretende recuperar o trauma da imensa derrota na eleição passada, em Porto Velho, com o retorno de sua principal liderança à Brasília. Na lista de figuraças da política interessadas em ir para Brasília estão ex-prefeitos, alguns empresários cheios da bufunfa, os federais que pretendem renovar o mandato; e também deputados estaduais que sofrem o fastio de sucessivas reeleições. Mudar de casa parlamentar é no mínimo um alívio.

 

CARTEL

Levando-se em conta o alinhamento de preços praticados pelos postos de revenda de combustíveis em Porto Velho da para constatar a prática da cartelização, excessivamente danosa para os consumidores. Esse não é o único problema. Reclamações apontam também a prática costumeira das fraudes nas bombas. Um consumidor foi abastecer o carro no Auto Posto Calama e ficou surpreendido na hora da cobrança. Seu carro, claro, não estava com o tanque (de 50 litros) completamente vazio. Mesmo assim, de acordo com o registro da bomba, no tanque de seu carro entrou 60 litros. O consumidor quis reclamar, mas não adiantou. Não dá para saber se há má vontade dos fiscais do setor em cumprir com suas obrigações punindo postos com bombas adulteradas. Quem sabe alguma autoridade do MP resolve enfrentar o cartel dos postos a partir de agora...

 

NO ATACADÃO

Enquanto o consumidor não puder contar com a ação do MP e da ANP no combate à constatada cartelização no comércio de combustíveis de Porto Velho, a melhor opção é abastecer-se no posto do Atacadão. Além de funcionar no sistema Carrefour, o preço da gasolina chega a ser 50 centavos mais barato que na rede cartelizada. Já que as autoridades não conseguem enfrentar os especuladores do setor, certamente se o consumidor deixar esses “espertalhões” às traças eles – quem sabe – vai baixar os preços ou sucumbirão diante da falta de consumidores.

 

MOÇÃO

Se a articulação der certo, o Legislativo rondoniense vai encaminhar ao Congresso, em Brasília, uma moção contra a reforma previdenciária, assinada pela maioria absoluta de seus membros. Depois do posicionamento de senadores rondonienses contra essa reforma, ficou mais fácil para os deputados locais se posicionarem. Essa disposição dos deputados estaduais sinaliza que não será fácil para o governo estadual mexer na previdência dos servidores rondonienses.

 

PÂNICO

A divulgação de que saiu dinheiro (muito dinheiro) da hidrelétrica de Santo Antônio (que tem a Cemig como acionista) pelas vias transversas para o mineiro Aécio Neves, como se publicou na mídia nacional (O Antagonista), alguns caciques políticos rondonienses (publicamente reconhecidos pela ligação umbilical com o setor elétrico) entraram em pânico. Até mesmo quem perdeu proeminência ao ficar sem mandato.

 

INEGÁVEL

Ontem um político interiorano desenhava o retrato em formação nos redutos mais importantes quebradas do mundaréu rondoniense para as eleições de 2018. Já se pode – dizia o político – falar numa crescente onda antiraupista e anticascavel capaz de tirar os caciques dessa enorme taba.

 

CURTO E GROSSO

Para evitar mais delongas e chicanas, o prefeito Hildon Chaves deve anular a vergonhosa e, salvo melhor juízo, concorrência pública direcionada, feita no apagar das luzes da gestão de seu antecessor, que ainda é objeto de análise no TCE. Hildon, disse a fonte, vai elaborar uma licitação nova, republicana, aberta aos empresários de verdade e todo o Brasil, visando os interesses maiores dos usuários desse sistema.

 

PREVISTO

Isso é Brasil. Como a coluna previu ontem, o TSE decidiu dar mais 5 dias para a defesa da chapa Dilma - Temer. Na prática (só valem dias úteis) esse prazo vence no próximo dia 11. Mas já se sabe que nada acontecerá no dia 11. Acontece que o presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes viaja um dia antes (10) e só retorna no dia 25, após acompanhar as eleições presidenciais da França. Com isso o julgamento só começará no final deste mês, se começar.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: