Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   15/dezembro/2017     
artigos

Deixar corrupto livre é praticar deboche contra o povo

28/06/2017 09:27:38
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

FILOSOFANDO

Nunca espere demais, da sorte ou dos outros, no fim não há quem não decepcione você.CHARLES BUKOWSKI (1920/1994), foi poeta, romancista e contista de origem alemã, criado na América. Sua obra fascinou gerações. Charles chegou a ser colunista e carteiro nos Estados Unidos.

 

LUTO

Todos nós integrantes do jornal Alto Madeira (que completou recentemente seu primeiro centenário) amanhecemos ontem de luto pela passagem do jornalista, advogado, empresário e intelectual rondoniense, Luiz Malheiros Tourinho, para o plano celestial.

Ele (como um dos proprietários do hebdô centenário) certamente deixa um legado inestimável para a história de Rondônia, exatamente por ter contribuído ao longo de sua profícua existência com a consolidação desse jovem estado brasileiro.

 

RARA COMPETÊNCIA

Como um dos mais brilhantes homens do mundo empresarial rondoniense, Luiz Tourinho imprimiu uma marca inconfundível a muitas iniciativas que promoveram o desenvolvimento do estado em que sempre será reconhecido e lembrado pelo seu feito na criação do “Grupo Tourinho”, com várias iniciativas gravadas para sempre na história rondoniense.

Luiz Tourinho encerrou sua passagem pelo planeta como um ser humano especial, com virtudes reconhecidas em todo o Brasil, várias vezes agraciado com títulos concedidos por praticamente todas as entidades do estado.

 

LONGA BATALHA

Luiz Malheiros Tourinho faleceu depois de uma longa luta contra doenças difíceis de serem superadas. Aliás, como relembra seu irmão, Euro Tourinho, que é diretor geral do Alto Madeira e decano da imprensa rondoniense, Luiz ao lutar contra o quadro de doenças com que foi acometido repetiu sempre a mesma força e otimismo com os quais conduziu sua vida como empreendedor, jornalista, dirigente de entidades, dando contribuições inestimáveis ao fortalecimento da economia e da democracia no estado de Rondônia. Além dos muitos parentes que deixa, também deixa amigos desconsolados.

 

UM DEBOCHE

Vamos repetir, na esperança de que as autoridades competentes dê uma solução nesse caso. Permitir que Carlão de Oliveira, o ex-presidente da Assembléia Legislativa condenado por liderar uma organização criminosa que desviou milhões dos cofres do legislativo estadual, continue foragido enquanto outros parlamentares integrantes da mesma quadrilha estão presos é uma afronta ao povo rondoniense que paga impostos. Até quando essa situação vai continuar? Até quando outros envolvidos na mesma corrupção não serão acossados pelo judiciário?

 

TRANSITÓRIO

Os governantes deveriam se dar conta de que o poder é transitório. Temer está presidente, não é presidente. Se ele fosse menos apegado ao poder, renunciaria para se defender das acusações de que é alvo. As denuncias entregues por Janot contra ele são consistentes na demonstração de que Michel é corrupto. Mas Temer se enrolou todo. Todas as suas atuais decisões como presidente carecem de credibilidade e, com exceção de um pequeno staff de seguidores, do grupo do “toma lá, dá cá” e de alguns aproveitadores, a maioria da população o quer longe da presidência e da vida pública. O problema dos governantes no Brasil é seu apego ao poder. Os governantes deveriam se dar conta de que o poder é transitório.

 

DESTACANDO

É importante destacar que a denúncia de Rodrigo Janot se atém apenas ao crime de corrupção passiva. Porém, Temer é investigado também por organização criminosa e obstrução da justiça. Com isso fica clara a estratégia da Procuradoria Geral da República de apresentar as denúncias separadamente. Com isso Temer se escapar do primeiro processo com o apoio dos deputados terá que passar por esse crivo mais duas vezes em outras ocasiões. Mesmo que vença a primeira batalha continuará derretendo enquanto o país afundará ainda mais na crise.

 

PIORES

Para o experiente Hélio Fernandes, Michel Temer tem um titulo e uma credencial irrevogável e irrefutável: é o primeiro presidente não eleito, mas no poder, que já deveria ter saído do Planalto (vá lá, do Jaburu, menos espetacular) preso, no caminho da condenação.

E Hélio continua: “Uma das razões disso não ter acontecido, é que seus possíveis substitutos numa eleição indireta, são ainda piores do que ele. Depois da desgraça do regime autoritário, não houve substituição, renovação, os que dominam o país são inqualificáveis e inaceitáveis do ponto de vista moral ou político.” PS: Até parece que Hélio descreve o cenário atual de Rondônia.

 

NINGUÉM QUESTIONA

Resistindo a toda especulação em torno de seu nome na disputa pelo governo no próximo ano (no que está agindo com sabedoria) Hildon Chaves, o prefeito da Capital, é um ótimo apoio para o presidente regional do partido, Expedito Júnior, se este decidir disputar o governo no próximo ano. E disso, ninguém duvida.

 

LANÇAMENTO

Informação vinda de fonte de Ariquemes dá conta de que o (agora) vereador Ernandes Amorim deve ter seu nome lançado até o princípio de agosto como pré-candidato ao governo de Rondônia. Se o carismático político de Ariquemes achar que a disputa será inglória poderá, como disseram as fontes, optar por uma candidatura ao Senado onde, como se sabe, Amorim brilhou no passado.

 

DIA GORDO

Em função da ameaça de greve dos bancários para esta sexta-feira (30), o prefeito dr Hildon Chaves autorizou a antecipação do pagamento dos servidores municipais para esta quinta-feira (29). De acordo com o calendário elaborado pela Secretaria Municipal da Administração (Semad), o pagamento dos servidores é efetuado todas as últimas sextas-feiras do mês, no entanto, devido ao risco que a ameaça de greve representa, o calendário foi antecipado.

 

BILHÕES

Se o novo fundo partidário vingar, os recursos públicos destinados a financiar partidos e candidatos em ano eleitoral passarão de R$ 4,3 bilhões no total. Uma fábula.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: