Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  dom,   20/agosto/2017     
cidades

Mais de 50 crianças tem processos revisionados durante audiências concentradas em Porto Velho

05/07/2017 12:58:11
Por Marco Sales - Assessoria de Comunicação da AMERON
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    



O 2º Juizado da Infância e da Juventude percorreu as unidades de acolhimento de Porto Velho para reavaliar a situação das crianças e adolescentes que estão nos abrigos. A ação coordenada pela juíza de Direito, Euma Mendonça Tourinho, teve como objetivo de fazer a revisão de todos os processos que se referem a destituição do poder familiar, o retorno da criança para o lar e até a permanência do menor no abrigo.  


 

Durante os quatro dias de atividades jurisdicionais, foram realizadas 31 audiências concentradas, sendo atendidas 54 crianças e adolescentes dos quais 20 foram reintegrados à família original (no caso os pais biológicos ou outro parente) e os demais permanecem nos abrigos aguardando pela adoção de alguma família.  

 

A juíza do 2º Juizado da Infância e da Juventude, Euma Mendonça Tourinho, explica a importância em se realizar essas audiências. “Nós vamos até essas casas de acolhimento junto com o Ministério Público, Defensoria Pública e equipes multidisciplinares compostas por psicólogos e assistentes sociais. Fazemos buscas ativas pela família natural ou extensiva ou por alguém que tenha vínculo afetivo de modo que a gente possa desacolher esse menor e viabilizar o seu retorno a um lar. Por mais que tenhamos todo esforço e estruturação de proteção, cuidado e alimentação com a criança ou adolescente, uma casa de acolhimento jamais será como um lar”, pondera a magistrada. 

 

As audiências foram realizadas de acordo com a orientação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A proposta é proporcionar a revisão do processo e possibilitar a padronização de toda equipe de trabalho para dar continuidade ou encerramento aos casos de acolhimento nos abrigos. Estiveram envolvidos na ação seis abrigos, sendo eles: Casa Moradia, Casa Juventude, Casa Cosme e Damião, Lar do Bebê, Casa Ana Thereza Capello (que acolhe crianças com deficiências neurológicas) e Casa Lar Suélen Félix (localizado em Candeias do Jamari). 

 

A magistrada também explica como funcionam as audiências concentradas. “Buscamos a reestruturação da família de origem. Quando não há esse encontro, normalmente, existe a destituição do poder familiar e esse menor é colocado para a adoção. É claro que há todo um estudo prévio e também fazemos conversas com todas as pessoas envolvidas nesse processo. Utilizamos como norteador o laudo da equipe multidisciplinar e então os operadores do direito se manifestam, e por fim, eu decido se libero o menor para algum responsável legal, ou se permanece na casa de acolhimento. A segunda opção é manifestada em última hipótese, ou seja, estar na casa de acolhimento, significa haver uma desestruturação familiar completa onde há uma situação de risco e com muita vulnerabilidade à essa criança ou adolescente”, finaliza. 

 

 

 

Confira abaixo os detalhes em números das audiências, valendo destacar que em algumas audiências mais de um menor foi atendido e reintegrado à família, por se tratar de casos em que envolviam irmãos e nessas situações é contabilizado como um único processo: 

 

 

Abrigo

Audiências Concentradas

Menor atendido

Reintegração Familiar

Casa Moradia

6 audiências

6 adolescentes e 1 criança

2 reintegrações

Casa Juventude

2 audiências

2 adolescentes

Nenhuma reintegração

Casa Cosme e Damião

7 audiências

11 crianças

4 reintegrações

Lar do Bebê

11 audiências

23 crianças

7 reintegrações

Casa Lar Suélen Félix

3 audiências

9 crianças

7 reintegrações

Casa Ana Thereza Félix

2 audiências

2 crianças

Nenhuma reintegração

Total

31 audiências

54 menores (46 crianças e 8 adolescentes)

20 reintegrações




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: