Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  dom,   25/fevereiro/2018     
artigos

Com os pré-candidatos de hoje nem espremendo sai algo aproveitável

01/02/2018 12:26:46
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

FILOSOFANDO

O Lula é na verdade a materialização do personagem Macunaíma, “o herói sem nenhum caráter” criado pelo escritor Mário de Andrade”. GESSI TABORDA, criador e editor de Imprensa Popular, onde nasceu sua coluna Em Linhas Gerais.

 

PIOR MOMENTO

Parece não ser privilégio de Rondônia. Estamos vivendo um cenário eleitoral de preocupação para quem ainda almeja uma recuperação de valores éticos e compromissos republicanos na política. De um modo geral – em todo o país – vivemos um absoluto vazio de ideias entre quem se apresenta como pré-candidato na disputa majoritária, ou seja, presidente, senador e governador, de outubro.  Em se tratando de Rondônia chegamos ao pior momento da vida pública, da disputa eleitoral para a escolha do próximo governador, dos dois senadores e até mesmo dos componentes da bancada de deputados federais e estaduais.

 

MOTIVOS

Entre aqueles que confirmam a decisão de disputar o governo, há apenas uma coisa em comum: ninguém sabe explicar os motivos pelos quais pretendem chegar ao comando do estado. Sobressai-se apenas o interesse individual ou de pequenos grupos em continuar mamando nas tetas generosas do governo, com as negociatas de sempre. Sem os grandes nomes do passado recente, a política rondoniense também foi jogada na cesta de lixo. A grande maioria dos políticos de hoje são vazios de ideia. Nem espremendo sai nada de aproveitável. Nesse domínio da mediocridade os candidatos até agora confirmados pelos caciques dos partidos serão apenas (se conseguirem) ventríloquos de marqueteiros e nada mais.

 

É CLARO

Não sei se os leitores tem facilidade para compreender isso: Um criminoso condenado não representa qualquer esperança para uma nação. E por pensar assim, acho que em Rondônia quem votar em réus e investigados por corrupção não gostam, na verdade, do estado. Como manter no Senado, só para exemplificar, figuras mais sujas do que pau de galinheiro; verdadeiros adeptos do recebimento de propina na enganação das “verbas contabilizadas” como doação de campanha? É preciso dar um basta nesses camufladores...

 

PRAXIS

Parece coisa muito comum entre políticos da atualidade. Não é só Cristiane Brasil que desprezou a legislação trabalhista. O PT também é alvo de ação trabalhista por empregar funcionária sem registro em carteira. Num desses casos a ação corre no estado de Santa Catarina.

 

VIOLÊNCIA

Em 2016, o Brasil foi considerado o país com os maiores índices de violência contra crianças e adolescentes no mundo, especialmente abusos físico, sexual e psicológico - além de negligências emocional e física. Segundo a Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO), mais de 10 mil crianças e adolescentes foram assassinadas em um ano, uma média de 29 por dia.

 

OBVIEDADES

Um dos dirigentes de maior relevo da Fiero, Adélio Barafoldi, andou falando mais uma vez do óbvio e ululante, embora a assessoria de imprensa da tal entidade tenha “vendido” a declaração do empresário como algo “novo” e capaz de motivar alguma consequência. Primeiro Adélio falou sobre a “internacionalização” (quaquaquaqua) do Aeroporto Jorge Teixeira, destacando que isso dependente mais de ação política do que de recursos financeiros. É claro que por décadas até as pedras do Belmont sabem disso.

 

PACÍFICO

O dirigente da Fiero (entidade de pouca influência no governo e na classe política) destacou também a questão da Rodovia do Pacífico, “que hoje é uma realidade, embora subaproveitada”. Na verdade a Rodovia do Pacífico não foi uma bandeira da Fiero. A defesa dessa rodovia começou com o saudoso empresário Luiz Tourinho. A Fiero encampou a ideia depois. É uma pena que Adélio não explicou os motivos desse subaproveitamento da estrada que cruza os Andes.

Por incrível que pareça a estrada não foi projetada para o trânsito de grandes carretas que, explicam especialistas, não conseguem cruzar os Andes sem riscos graves, até de não vencer a altitude. A manifestação da Fiero não vai pesar em nada para a solução dos problemas enfocados.

 

INABILITADOS

Uma fonte muito bem informada comentou ontem para o colunista que a grande maioria dos condutores de motos nas ruas da capital rondoniense não são habilitados. Eles se beneficiam da falta de fiscais de trânsito e da realização de batidas policiais (blitz) para punir os infratores. O cenário é de perigo intenso para quem enfrenta o trânsito da cidade. Motoqueiros fazem verdadeiras loucuras até mesmo em ruas centrais.

 

RESPEITADA

Os infratores demonstram que não temem um desastre, o que seria pior, nem ser apreendidos, a hipótese melhor. Não são apenas os motoqueiros que agem como se o trânsito não tivesse regras e legislação. Igual a eles, agem também os ciclistas, esses acostumados a trafegar na contramão. São intrépidos, certos da inconsequência e da impunidade. O órgão de trânsito considera, porém, que basta multar. O que falta são justamente mais blitze, fundamentais para fazer com que a legislação seja respeitada.

 

SEM RISCOS

Quem imagina que a maioria dos integrantes da bancada federal rondoniense está fechada com o governo Temer para votar a reforma da Previdência, corre o risco de descobrir que errou. Uma fonte importante disse à coluna que o comprometimento das lideranças rondonienses com a proposta do governo é baixo. Todos temendo uma reação do eleitorado contra quem aderir a reforma suprime direitos, especialmente de servidores públicos.

 

DESESPERO

Ouvi ontem na fila da lotérica: “Apoio do Ivo Cassol, inelegível, e com pendências no Judiciário só para quem estiver em desespero de causa!”.

 

FILME

Afirmam cada vez com mais intensidade que Michel Temer vai ser candidato. Esse, dizem analistas, é o tom de seus discursos nos últimos dias. Como será defender as “obras de Temer” na campanha. Parece mais um filme conhecido: “Missão Impossível”.



Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: