Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  sex,   26/abril/2019     
artigos

O processo de limpeza da Assembleia e governo não pode ser seletivo

11/01/2019 11:51
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

FALTAM RESPOSTAS

Sou cético com referência às mudanças necessárias para fazer de Rondônia um estado capaz de orgulhar o Brasil, transformando-o num exemplo virtuoso para as demais unidades da federação. Ainda considero nosso jovem estado como o local onde nem as perguntas simplórias não criam o eco que obrigue autoridades dar respostas à opinião pública. Vejamos algumas dessas perguntas:

1 – Até quando os MPs e órgãos de investigação e controle continuarão inermes aos indícios de maracutaias em proverbiais contratos milionários de publicidade em instituições como o legislativo?

2 – Carlão de Oliveira vai comemorando aniversários sucessivos como foragido por mera incompetência das autoridades da polícia judiciária ou por algum acordo tipo “Grande Família” como se diz à boca pequena?

3 – O roubo do dinheiro público no famigerado projeto do Espaço Alternativo já foi esquecido e seus autores continuarão aproveitando os milhões surrupiados aumentando, impunemente, seus patrimônios?

4 – Ninguém será responsabilizado e punido pela destruição do sistema de transporte urbano batizado de “Sim”?

5 – Quem vai pagar pelo inchaço das folhas em esquema do tipo “gafanhotos”, assumido como praxe em diversas instituições do governo, com destaque para o legislativo?

6 – Qual a serventia de entidades como a casa de Cultura Ivan Marrocos além de mero cabide de empregos?

Essas perguntas – de menor calibre – são apenas um demonstrativo de como por aqui as coisas praticamente não mudam nada. Outras perguntas sem repostas serão feitas recentemente para refrescar a memória daqueles “fiscais” que deixam correr frouxo o sistema.

 

DESAGRADOU

A última coluna, como se esperava, não agradou aos pascácios de sempre. Tou me lixando por isso. O ruim é ter de constatar que os tais (sempre eles!) órgãos do controle externo permanece na grande família onde tudo é como dantes no quartel de Abrantes. Ora, impedir o gasto desnecessário com publicidade canhestra e calhorda para a promoção de meras promessas públicas é o fim da picada!

É claro que não sou de dar milho prá bode e então, deixa os cães ladrarem enquanto a caravana passa. Quem sabe uma hora os tais MPs não resolvam virar o jogo, investigando e propondo o imediato fechamento das torneiras que enriquece pseudos publicitários e seus asseclas (ah!ah!ah!) cada vez mais milionários, mesmo que nessa terra de Rondon a (vá lá!) a publicidade seja essa josta fedorenta!

 

APARELHADOS

Um dos grandes desafios do governo federal é despetezar a máquina pública. Mas essa situação não acontece só na gestão nacional. Nos estados também isso é coisa corriqueira como é fácil aferir aqui na Rondônia.

Basta passar os olhos nas instituições públicas do estado, em todos os níveis, para ver que o aparelhamento aqui não ocorreu só com o PT.

O estado foi aparelhado também pelos políticos interesseiros, pelos “empresários” calhordas e por todos entes parasitários. O estado sempre foi vítima desses hospedeiros ao longo das últimas décadas. E eles se multiplicaram extraordinariamente com o advento dos “sites”. Quem sabe um dia o MP de Contas e o MP do estado resolva investigar quanto custa isso para os contribuintes!

 

EXIGÊNCIA

Nessa situação de descalabro há uma justificada apreensão de que o combate à corrupção não saia do discurso retórico e do proselitismo de caserna. E sem um verdadeiro combate à corrupção e aos privilégios não haverá garantia de que chegaremos à verdadeira paz social.

Há uma tácita exigência de que o novo governo dedique-se com o máximo esforço ao plano econômico, ajustando as ações para o crescimento de oportunidades (republicanas) de emprego e renda, e também de estabilidade na vida familiar.

 

VENCEDORES

E nessas searas, até o presente momento, é impossível afirmar se o governo do coronel Marcos Rocha vai resolver traumas como o aparelhamento de nossas instituições, garantir dignidade aos rondonienses, especialmente com acesso a uma educação de qualidade.

Ainda considero ser impróprio afirmar que o coronel Rocha tenha sido o grande vencedor do último pleito. Explico: o resultado colocando o coronel no Palácio deve ser entendido, a meu ver, como uma vitória dos rondonienses. Eles descarregaram seus votos em Marcos Rocha como um sonoro não às velhas oligarquias representadas até em então pelo Cassol, Raupp e Gurgacz (sem falar no Expedito), uma tróika que ninguém quer e ninguém merece!

 

CEDO

O novo governador tem de sinalizar de forma concreta seu rompimento com o passado mesquinho de serviçal de títeres do MDB (Confúcio) e PSB (Nazif). Só assim conseguirá dar alívio aos eleitores mais inquietos das forças políticas derrotadas.

É cedo para emitir juízos sobre o novo governo rondoniense. Mas é possível identificar na formação de sua equipe a forte vaidade que sempre acometera recém-eleitos no Estado, sempre encerrando suas carreiras inviabilizando as a agenda de mudanças positivas prometidas na campanha. Se, como os antecessores, o novo governador escalar raposas para tomar conta do galinheiro vai ser muito difícil vermos a inauguração de uma gestão governamental aprimorada e eficiente na alocação de recursos.

 

ABUSOS

Essa estória de prometer mais investimentos em Saúde, Educação, Segurança, Cultura e mais serviços de qualidade prestados pelo estado é, isso mesmo, simples estória. Todos prometem isso! E quando acaba o governo a sensação que fica é que tudo não passa de promessas da boca pra fora.

Se os abusos do passado (que se tornaram práxis) forem mantidos a gestão do coronel Marcos Rocha vai acabar sendo mais uma longa caminhada de irresponsabilidade e incompetência da gestão dos bens públicos. E ai segmentos burocráticos e sociais (como o Iperon) manterão fechadas suas caixas-pretas.

 

FURTOS

Quero ver se o coronel vai ter coragem de se impor, com rapidez, coibindo os furtos ao erário, a depredação do patrimônio e o de desvios aparentemente banais em áreas sempre mantidas como feudos de grupelhos acostumados a gravitar em torno dos déspotas palacianos.

 

PLEITO INCERTO

O próximo pleito municipal me parece ainda muito incerto na maioria dos municípios e especialmente na capital rondoniense. Todavia imagino que o prefeito Hildon Chaves vá disputar a reeleição já que, como se ouve nas coxias, ele promoverá uma mudança no quadro do seu secretariado e do assessoramento principal.

 

PRECISA MUDAR

O prefeito de Porto Velho está desempenhando seu primeiro cargo eletivo e já sabe que a reeleição funciona mais como um instrumento de “accountability” para a avaliação do governante.

Estudioso das questões políticas, Hildon Chaves sabe que para confirmar uma vantagem eleitoral na próxima disputa tem de promover mudanças no seu “staff” capaz de reduzir a considerável corrosão (natural) de seu desempenho eleitoral obtido na vitória do pleito em que venceu nas urnas concorrentes com maior peso político e experiência eleitoral.

 

BOM CANDIDATO

É impossível não reconhecer que o prefeito vem conseguindo recuperar o período mais crítico da dilapidação da sua aprovação popular, muito alta no princípio da gestão. Ele pegou, como se sabe, a cidade num processo de degringolação como nunca tinha antes ocorrido, fruto das gestões petralhas e do PSB que destroçaram setores como o do transporte urbano, da saúde e do ambiente de negócio onde setores como o hoteleiro, o da construção civil foram dizimados.

 

PRECATÓRIOS

Ao enfrentar os gargalos da administração municipal, especialmente na questão econômica com a pacificação do tsunami de precatórios e o enfrentamento da balbúrdia dos contratos, Hildon vai consolidando sua capacidade de disputar uma reeleição como um forte candidato, com tudo para estar presente num segundo turno.

 

CENÁRIO

É claro que em política as coisas mudam muito, como nuvens, mas nesse cenário não é difícil imaginar uma reeleição, sobretudo após o ajuste do primeiro esquadrão do prefeito, como deve acontecer possivelmente antes do carnaval. Hildon não está – como acreditam seus desafetos – numa encruzilhada!

Não há nesse momento um coalização de forças com nomes de projeção para tisnar seu projeto eleitoral. Se obtiver o bom desempenho na gestão daqui para o fim do mandato Hildon vai chegar lá como o melhor prefeito que a cidade já teve com sucesso popular para obter mais um mandato.

 

NO AR

Vou deixar outra vez no ar a pergunta feita na coluna desde o ano passado. Quem protege Carlão de Oliveira, foragido da Justiça por vários anos, condenado por líder uma quadrilha de deputados e empresários corruptos responsáveis por um rombo milionário na Assembleia?

 

SELETIVA

Seja quem for o próximo presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia não poderá deixar de fazer uma limpeza nas práticas antirepublicanas e antiéticas visivelmente verificadas na casa. Se não der transparência no gasto absurdo da publicidade, que fez surgir um suspeito contrato de 14 milhões, então essa tal limpeza será seletiva. O mesmo vale para as centenas de contratações pelo sistema de comissionados para premiar cabos eleitorais e manter a casa cheia de aspones.

 

DINHEIRO

Parece que nem todos os deputados derrotados nas urnas vão deixar seus gabinetes na Assembleia com muito dinheiro ou patrimônio. Nos escaninhos da política ouve-se dizer que um desses deputados (chegado a mesa do pano verde) teve de vender luxuoso apartamento por preço de liquidação para afrouxar o nó do pescoço.

Mas não se enganem. A grande maioria está cheio da bufunfa, de fazendas e – dizem – até verdinhas depositadas no exterior!




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: