Anuncie:  

Debate do Mês

Data: 20/5/2011

Que benefício trará para o povo a ida de deputados rondonienses para Santa Catarina?



Colunistas
Receba as matérias do site em seu e-mail

Cadastrar
Cancelar Cadastro

 

Porto Velho,  seg,   16/setembro/2019     
artigos

Sem selo de qualidade, governo deixa estado sofrer nova queda fiscal

14/08/2019 20:05:20
Gessi Taborda
Comente     versão para impressão     mandar para um amigo    

 



Clique para ampliar

QUEDA
A nota do estado de Rondônia em relação ao pagamento de suas dívidas caiu. Com essa avaliação ruim o nosso estado não poderá contrair empréstimos de bancos e de outras entidades de financiamento com a garantia da União. Sem essa garantia, o estado terá de pagar juros mais altos para conseguir viabilizar algumas operações de crédito. O governo do coronel Marcos Rocha terá de fazer um enorme esforço para aumentar a receita e cortar gastos. Até agora, contratando como contratou pessoal comissionado com altos rendimentos, o governo parece não ter interesse em promover ajustes para o equilíbrio fiscal.

QUALIDADE
Bem que gostaríamos de não registrar essa constatação, mas os fatos deixam claro que a representação política em Rondônia insiste em não adquirir o selo de qualidade atendendo os anseios da sociedade do estado. E como isso vem de longe, se cada eleitor não melhorar sua compreensão sobre o papel do voto, não será com a disputa do próximo ano que entraremos num círculo virtuoso da política. 
Os fatos registrados nas redes sociais e em alguns sites noticiosos na semana que passou mostra a falta de qualidade de nossos representantes com a transparência de instituições de representação política do povo.

ESCABROSAS 
Enquanto a Assembleia Legislativa mandou para os Estados Unidos dois deputados para, pelo que se ouviu, participar de “um curso” na terra do Tio Sam (com tudo pago com o dinheiro do contribuinte), na Câmara Municipal de Porto Velho (certamente algo semelhante acontece nas demais câmaras) as revelações mais escabrosas tratam das verbas indenizatórias dadas aos vereadores. Os dois fatos sinalizam que o poder das oligarquias, ou o poder invisível, continua atuando na garantia de benesses para políticos que apenas contribuem para degenerescência das entidades criadas para representar os interesses mais vitais da população, do seu eleitorado.

MINISTÉRIO PÚBLICO
A revelação feita na semana que passou pelo advogado Caetano Neto, presidente da Associação de Defesa dos Direitos da Cidadania, por si só deve chamar a atenção do Ministério Público para alguma ação investigativa sobre o que anda ocorrendo nesses poderes de representação do povo. 
Se confirmada as revelações do dr. Caetano, há nítidos indícios de puro caos capaz de reduzir ao ponto do perigo a confiança na política. Será que os próprios parlamentares de hoje ignoram o papel das instituições das quais fazem parte?

UM HORROR 
É um horror o quanto a Câmara Municipal de Porto Velho gasta na rubrica “Verba Indenizatória” de seus vereadores. 
Só mesmo o declínio moral da classe política pode justificar gastos absurdos com aluguel e abastecimento de veículos vinculados aos gabinetes dos edis. 
Caetano Neto revela que apenas um gabinete da edilidade têm 13 veículos abastecidos com o dinheiro do povo.

LOCADORA
Esse gabinete que mais parece uma locadora gastou mais 10 mil reais em combustíveis comprados na Enzo Comércio de Combustíveis, localizado na Avenida Rio de Janeiro, no Bairro Areal. Essa foi a despesa de junho passado. 
As denúncias não motivaram qualquer explicação dos envolvidos. Espera-se que os órgãos de controle externo tomem alguma iniciativa para evitar que o dinheiro público continue escorrendo pelo ralo da irresponsabilidade dos gestores públicos.

NA JUSTIÇA
Sobre essa maracutáia da Câmara Municipal, uma Ação Popular apresentada por Domingos Borges da Silva (que não é promotor) está tramitando na 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Velho. A Justiça negou a decisão liminar (no início do processo) para suspender o pagamento das verbas indenizatórias. Os vereadores ainda não foram citados para responder ao processo, que pelo jeito ainda vai custar muito para ter um desfecho.

INQUIETO
O vice-prefeito de Porto Velho ainda cumpre sua função no executivo municipal, tendo gabinete na velha sede da prefeitura, na avenida D. Pedro II. E segundo uma fonte ele ainda não desistiu da política. Terá, é claro, de procurar um projeto completamente fora da atual gestão municipal.

NO FINAL
Nesses dois anos e meio de mandato, o prefeito Hildon Chaves acredita estar cumprindo seus compromissos campanha e suas metas serão atingidas até o final dessa gestão. Muitas das grandes propostas encontraram entraves nas finanças erodidas da prefeitura, consequência das péssimas gestões anteriores que quase levaram o município à bancarrota.

HERANÇA
Um assunto que desgasta o governo é o transporte coletivo que ainda tem perrengues em dependências que não foram causadas pela prefeitura, mas é preciso pensar no bem-estar da população. E Hildon se esforça ao máximo para resolver essa parada até o final do ano.

PERCEPÇÃO
O prefeito Hildon faz gestão para uma minoria e fala abertamente que a comunidade aos poucos vai perceber da utilidade do dinheiro público pela boa causa. Muitas medidas ainda serão tomadas, muitas obras estão a caminho e fala que 2019 será um trabalho de coroação de seu governo com projetos que pensou lá atrás, quando fez seu programa para comandar para comandar a capital dos rondonienses.

PRIORIDADE 
O Prefeito evita falar nesse momento sobre eleição. Diz ter, ainda, muitos compromissos, ele sabe que a eleição chega muito rápido e se for pensar nisso esquece do que a cidade precisa. O jogo não pode parar. Preciso pensar primeiro em Porto Velho e depois numa possível reeleição, afirmou.

BELEZA
Boa a iniciativa do prefeito Hildon Chaves em revitalizar o parque da cidade, espaço construído pelos donos do Shopping, como obras de compensação. Desde que foi aberto o local destinado ao lazer da população nunca recebeu qualquer atenção da prefeitura. Agora vai ter sua iluminação recuperada, bem como equipamentos para a prática de exercícios e de convivência comunitária.




Nenhum comentário sobre esta matéria

Mais Notícias
Publicidade: